Há uma fenda entre a Igreja e as pessoas que o Papa Francisco quer fechar

| 19 Jul 19 | Cristianismo, Destaques, Educação / Família, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

“Divórcio, o mal menor”, ilustração de Udo J. Kepler (1872-1956) reproduzida da Wikimedia Commons, a partir de uma obra na Library of Congress dos EUA.

 

Há uma fenda entre a Igreja Católica e a vida de muitas pessoas e é essa fenda que o Papa Francisco quer fechar, com iniciativas como os dois sínodos sobre a família e a publicação de um documento como a Amoris Laetitia(A Alegria do Amor). A consideração é do jornalista inglês Austen Ivereigh, autor de Francisco – O Grande Reformador, numa conferência na noite de ontem, 18 de Julho, em Lisboa, acerca do Papa e do seu pensamento sobre a família.

Jornalista, antigo porta-voz de assessor do arcebispo emérito de Westminster, cardeal Cormac Murphy-O’Connor, Ivereigh esteve acompanhado pelo teólogo norte-americano James Keenan, padre jesuíta e um nome destacado da teologia moral, que tem dedicado a sua investigação ao tema das virtudes. Ambos sublinharam a importância da carta pastoral do arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, para a recepção da Amoris Laetitia, no caminho que propõe de acompanhamento dos divorciados recasados.

Na sua intervenção inicial, o jornalista sublinhou que a Igreja Católica tem estado ausente das vidas e histórias de muita gente nas últimas décadas. “Ser católico não protege do divórcio” e o casamento “não foi salvo pelas condenações” duras do divórcio que a hierarquia católica foi fazendo.

 

“Durante muito tempo…”

A propósito, e diante de centenas de pessoas que encheram o auditório do Colégio São João de Brito, em Lisboa, o jornalista citou aquele que considera o parágrafo mais importante (o nº 37) da exortação apostólica publicada em Abril de 2016: “Durante muito tempo pensámos que, com a simples insistência em questões doutrinais, bioéticas e morais, sem motivar a abertura à graça, já apoiávamos suficientemente as famílias, consolidávamos o vínculo dos esposos e enchíamos de sentido as suas vidas compartilhadas. Temos dificuldade em apresentar o matrimónio mais como um caminho dinâmico de crescimento e realização do que como um fardo a carregar a vida inteira. Também nos custa deixar espaço à consciência dos fiéis, que muitas vezes respondem o melhor que podem ao Evangelho no meio dos seus limites e são capazes de realizar o seu próprio discernimento perante situações onde se rompem todos os esquemas. Somos chamados a formar as consciências, não a pretender substituí-las.”

Ivereigh defendeu que o pensamento do Papa se pode entender a partir do documento final da assembleia do Conselho Episcopal Latino-Americano, realizada em Aparecida (Brasil), em 2007. O então arcebispo de Buenos Aires, cardeal Jorge Bergoglio, hoje Papa Francisco, foi um dos seus principais redactores e ali estão plasmadas algumas intuições fundadoras do actual pontificado: a importância de enfrentar os desafios da secularização; a leitura de que se está perante “uma mudança de época”; o foco da fé cristã no “encontro fundador” com Jesus e não, como também viria a escrever o Papa Bento XVI, numa qualquer “decisão ética ou grande ideia” (encíclica Deus Caritas Est, nº 1).

“O que Deus quer” é que a Igreja assuma os verbos que o Papa sugere na exortação: “acolher acompanhar, discernir e integrar”. E as pessoas devem ver a Igreja como um hospital onde podem sarar as suas feridas e não um clube selecto do qual se sentem excluídas acrescentou Ivereigh.

“As pessoas devem ver a Igreja como um hospital onde podem sarar as suas feridas.” Foto © Agnes Monkelbaan/Wikimedia Commons

 

As sete palavras do Papa

James Keenan, doutorado na Universidade Pontifícia Gregoriana, onde tem estado actualmente a ensinar, escolheu sete palavras que, na sua perspectiva, definem a linguagem da exortação do Papa: pastoral, já que o texto liga o Vaticano II e Francisco; local, porque a Igreja continua a ser universal, mas a expressar-se com as línguas, liturgias e textos locais; sínodo, porque uma Igreja à escuta nasce dessa dinâmica.

Outra palavra-chave é a consciência, porque o catolicismo deve “formar as consciências” e não “substituí-las”, como diz o parágrafo citado antes. A consciência implica reconhecer a própria culpa, a capacidade de julgar, a liberdade e a humildade. “A consciência não é infalível, mas só podemos chegar à verdade através dela”, disse o padre Keenan, que sublinhou que o coração da Amoris Laetitia“ é o respeito da Igreja pela consciência das pessoas”.

Já no período de debate, sobre este mesmo tema, James Keenan diria que o tema da consciência começou a ser aprofundado, em teologia moral, pelos teólogos europeus do pós-II Guerra Mundial. “No meu país, os Estados Unidos, não temos uma consciência da culpa”, afirmou. “Não há um único memorial dedicado aos escravos ou ao genocídio dos povos nativos, não pedimos desculpa por Hiroshima ou Nagasaki.”

As outras três palavras do “léxico do Papa” na exortação são o discernimento moral, o acompanhamentoe a misericórdia. A propósito do discernimento, recordou os monges da Irlanda que, como São Patrício no século V, começaram a promover a confissão individual (até aí ela era pública): a palavra que designa os monges que acompanhavam as pessoas significa “amigos da alma” e todos os casais deveriam encontrar esse amigo da alma” na Igreja, disse James Keenan.

O teólogo americano referiu ainda sete momentos e iniciativas que, pelo mundo fora, confirmam que a AL está a ser posta em prática: houve dúvidas de cardeais; nomeação de padres com a missão de acompanhar as pessoas; bispos e teólogos a estudar juntos o documento; guiões de leitura; bispos ajudando outros bispos; e bispos a promover a realização de sínodos nas suas dioceses; e o exemplo da carta de Braga, que pode servir de referência não só para Portugal como para outras partes do mundo.

Ambos os intervenientes concederam entrevistas ao 7MARGENS que serão publicadas oportunamente.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco