A Gaivota que nos ensinou o que é a esperança

| 14 Jan 2021

“Observando a realidade não desprezou a brecha; e Virgílio Gaivota levantou voo.” Foto © 7Margens

 

A vantagem das fatalidades para a nossa consciência é o facto de nos desresponsabilizarem. A fatalidade verificar-se-á, queiramos ou não, e não há nada que possamos fazer. Diante disso, assumir a atitude de resignação e ficar, impávido e sereno, a observar pode até ser visto como uma atitude de sabedoria e maturidade. Para que haveremos de lutar contra moinhos de vento?

Muitas vezes são invejadas as pessoas que abraçam a vida com uma atitude de esperança. Como se esta fosse um dom inato que permitisse viver com maior ligeireza. Contrariamente ao que se possa pensar, a esperança é um ato de resistência, um combate interior e, por vezes, exterior. Exige muitíssimo mais olhar o mundo com um olhar de esperança e de braços erguidos quando tudo parece perdido do que, pura e simplesmente, aceitar a dureza da realidade que não nos satisfaz.

A esperança não é viver numa dimensão diferente da real que seja mais bela ou colorida; é, pelo contrário, com a consciência profunda da realidade, assumir o firme compromisso de não baixar braços nem desistir de construir algo maior. Ter esperança não é aguardar que a vida nos seja favorável num futuro mais ou menos longínquo. Ter esperança é viver com a consciência de que é possível melhorar o curso dos dias e, em cada dia, empenhar esforços nesse sentido.

A racionalidade e objetividade, tão apregoadas nos dias de hoje, impõem uma visão cristalizada do mundo: observar, analisar e compreender sem atender ao passado nem se projetar no futuro. Com rigor e frieza. Procurar pensar o que pode ser construído é algo que pode ficar no plano das ideias e das utopias, mas não ocupar a mente de pessoas sérias. O sonho é próprio de crianças e de néscios. Não se admira um sonhador. O termo goza até de uma conotação depreciativa.

Por outro lado, e por mais paradoxal que pareça, elogiamos e dizemos admirar pessoas que, com esperança, conseguiram mudar o mundo numa determinada escala. De cientistas, a políticos, médicos ou artistas. Mas ter o sentido de responsabilidade que advém da esperança e procurar construir algo melhor, isso, longe de nós. Admiramos os dinâmicos, choramos sobre a tristeza do mundo, louvamos o rigor e objetividade de análises cristalizadas mas somos incapazes de levar a sério uma pessoa que vive como se tivesse a possibilidade de mudar o mundo.

É uma zona cinzenta. Não nos compromete. Traz um enorme conforto.

A esperança é um verbo de ação, um combate interior, não é um dom inato. O sonho é inato, ultrapassa a nossa consciência e anestesia-a. Não deixa de ser curiosa essa capacidade que o ser humano tem. Enquanto dorme, tem um catalisador de emoções que são os sonhos. Nesse imaginário que a nossa vigilante consciência trava, há uma ferramenta que poderíamos aproveitar quando estamos conscientes: a capacidade de desconstruir a realidade. Como seria a vida se fôssemos capazes de desconstruir a realidade e repensá-la?

Há uma grande comodidade na resignação face à vida tal como ela está, numa perspetiva cristalizada sem projeção. Levado apenas como um processo imaginário, o sonho de nada nos serve; o único sonho verdadeiramente transformador é o que se vai ancorar na esperança e num compromisso de mudança. Não se trata de negar a realidade e fantasiar como tudo poderia ser se fosse diferente e afogar-se num corrupio de emoções; trata-se de dialogar com a vida e auscultar o sonho para ver como havemos de os conjugar. A esperança é a atitude de quem observa atentamente a vida sem desprezar as brechas de onde surgem raios de luz.

Deveríamos examinar a nossa consciência com esta pergunta: tenho estado atento aos raios de luz que se manifestam na minha vida? Ou, pelo contrário, vivo em apatia, resignado com uma existência estática ao sabor daquilo que me é dado sem ousar ir além disso?

A atenção às brechas é fulcral porque são elas o sinal que nos indica novas possibilidades de caminho. As fissuras deixam escapar aquilo que está contido e que, porventura, poderia servir-nos se escapasse. As brechas de onde emergem raios de luz podem ser histórias de vida que nos parecem quase mitológicas. Pode ser a beleza de um poema, um acontecimento invulgar que foge aos padrões, um gesto de consolo quando ele nos era necessário.

A esperança é tomar a firme resolução de agir em coerência, não com o que somos, mas com o que queremos ser. Foi de uma forma desconcertante que Fernão Capelo Gaivota – personagem cujo nome é o título deste romance de Richard Bach – fez com que uma outra gaivota começasse a voar. Virgílio Gaivota disse a Fernão que queria voar, mas tinha a asa partida. Sem pestanejar, Fernão responde-lhe que tem a liberdade de escolher aquilo que quer. É desconcertante. Como pedir a uma gaivota de asa partida que voe? Simplesmente, porque Fernão Capelo Gaivota viu para além da realidade gritante: o sonho de Virgílio gaivota de voar. E, colocando-o entre a espada e a parede, disse-lhe que a escolha era dele. Podia voar ou não. Observando a realidade não desprezou a brecha; e Virgílio Gaivota levantou voo.

 

Sofia Távora é jurista e voluntária no Serviço de Assistência Espiritual e Religiosa do Hospital Dona Estefânia.

 

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC

Mensagem e conferência online

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC novidade

“Num mundo em conflito, com profundas desigualdades e ambientalmente insustentável, o trabalho digno representa o caminho para a paz e a justiça social”, defende o Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, na véspera do Dia Internacional pelo Trabalho Digno, que se assinala  a 7 de outubro. A mensagem foi divulgada em Portugal pela Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos, nesta quinta-feira, 6, data em que dinamiza, pelas 21 horas, uma videoconferência subordinada ao tema “Trabalho digno para todos”.

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche

Argentina

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche novidade

Os líderes de diferentes Igrejas cristãs de Bariloche (cidade na região da Patagónia Argentina) apelaram esta quarta-feira, 5, à busca de vias de diálogo e de paz, depois de no dia anterior as forças policiais federais terem iniciado uma operação de desalojamento de uma comunidade indígena mapuche, recorrendo ao uso de gás lacrimogéneo e balas de borracha, e que resultou na detenção de pelo menos dez pessoas, entre elas uma mulher grávida e cinco menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha

Em causa disputa sobre o Caminho Sinodal alemão

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha novidade

O cardeal Kurt Koch, prefeito do Dicastério para a Unidade dos Cristãos, cancelou a sua visita à Alemanha, depois do bispo Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal daquele país, ter dito que ele não seria bem-vindo enquanto não tornasse público um pedido de desculpas pelas afirmações feitas no final de setembro contra o Caminho Sinodal alemão, noticia o jornal católico The Pillar na sua edição de 3 de outubro.

Silêncio: devolver à vida a sua beleza

Livro de oração

Silêncio: devolver à vida a sua beleza novidade

Será um passo paradoxal falar do silêncio: afinal, ele será rompido para que dele se fale. Mas sabemos, na nossa experiência quotidiana, como a ausência de reflexão pode ser sinónimo, não de silêncio, mas de um adormecimento nos ruídos, distrações e imagens que constantemente nos interpelam.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This