A geração perdida de Aberfan

| 2 Nov 2020

Memorial do Desastre de Aberfan. Foto © Llywelyn2000 Wikimedia Commons

 

Outubro significa a chegada de uma variedade de acontecimentos. Alunos começam as suas primeiras aulas e entregam os primeiros trabalhos. Uns mais festivos preparam-se para o Halloween e outros, mais apressados, aprontam-se para o Natal. As primeiras fotos com cores de Outono começam a aparecer nas redes sociais, tal como a comida e as bebidas quentes. Outubro no País de Gales é, em muitos aspetos, semelhante ao resto do mundo e não escapa a estes acontecimentos.

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Nas primeiras três semanas de outubro de 66, nesta terra mineira, choveu em proporções acima do normal, sendo que metade dessa precipitação ocorreu durante a terceira semana. Ao longo do vale, encontram-se vários locais onde são empilhados montes de carvão proveniente das minas que, num dia bom, seria considerado algo de muito valor (até o petróleo entrar na concorrência). Na noite de 20 para 21, um dos vários montes de carvão colapsou sobre si mesmo, devido à chuva excessiva, abrindo um buraco de 3 metros na montanha, num local que se encontrava a vários metros acima da escola local.

Na manhã seguinte, este acidente foi descoberto pelos primeiros mineiros e estes perceberam que o local estava demasiado instável para se aguentar em pé. Devido à falta de telefones na montanha, os mineiros apressaram-se a descer para avisar os seus chefes que o local estava à beira do colapso.

Apesar dos esforços dos trabalhadores, todo o local de armazenamento de carvão acabou por colapsar duas horas depois de o primeiro buraco ser descoberto. A terra e carvão misturados com toda a água da chuva, causaram uma avalanche que acabou por destruir a escola, matando 144 pessoas – das quais 116 eram crianças – que tinham entrado para as suas aulas nem há dez minutos.

Um acontecimento trágico, cujas consequências foram ainda piores. Um pedaço da história britânica que recomendo a todos a pesquisar. Para os que gostam de uma pesquisa mais visual, o acontecimento foi retratado na série The Crown de forma mais apelativa.

Aberfan encontra-se a uns 20 minutos de carro do lugar onde me encontro, no Vale de Glamorgan. Este seria o ano em que, pela primeira vez, iria visitar o local da tragédia e assim prestar a minha homenagem aos que dela foram vítimas, mas, devido à situação que se vive, tive de adiar os planos. Faço-o aqui, ao partilhar a história e relembrando todas as vidas que se perderam, agora referidas como “a geração perdida de Aberfan”. Que todos eles tenham encontrado a sua paz depois de uma morte tão imerecida.

“A geração perdida de Aberfan”. Memorial do Desastre de Aberfan. Foto © Nick Wikimedia Commons

 

Filipe Serrazina é estudante na University of South Wales, Cardiff, País de Gales, em busca de uma licenciatura em Engenharia Informática e de explorar um país que tem tanto para ver.

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This