A gramática do Papa para o futuro do Iraque

| 8 Mar 21

No último dia do seu programa da visita histórica ao Iraque, o Papa propôs uma gramática para o futuro: o verbo é reconstruir e o substantivo é perdão. Restaurar é preciso, disse Francisco. Desde logo os edifícios, mas sobretudo os laços que unem comunidades e famílias.

A multidão em festa na chegada do Papa Francisco ao estádio Franso Hariri em Erbil, no Iraque ©Foto Vatican Media

 

Este é o momento de “reconstruir e recomeçar”, disse o Papa Francisco neste domingo, 7 de Março, em Qaraqosh, a cidade do Iraque onde vive o maior número de cristãos, no último dia do programa da sua visita histórica ao Iraque – o regresso a Roma está previsto para a manhã de segunda-feira.

Depois de sexta-feira ter sido o dia dos encontros institucionais políticos e religiosos, em Bagdad, e de sábado ter sido dedicado à dimensão inter-religiosa, em Najaf e Ur (Sul), este último dia do programa foi dedicado, no Norte (Mossul, Qaraqosh e Erbil) às vítimas e à memória da guerra e do terrorismo.

“Olhamos ao nosso redor e vemos (…) os sinais do poder destruidor da violência, do ódio e da guerra. Quantas coisas foram destruídas! E quanto deve ser reconstruído! Este nosso encontro demonstra que o terrorismo e a morte nunca têm a última palavra”, afirmou, na catedral da Imaculada Conceição.

Esta igreja foi um dos edifícios religiosos que foi arrasado pelo Daesh (e usado como campo de tiro) entre 2014 e 2017, durante a presença do grupo terrorista na região. Entretanto reconstruída, um dos símbolos do que se passou é uma imagem da Virgem Maria que, entretanto, foi objecto de restauro.

 

“Restaurar laços”

Papa Francisco lança pomba no final da Oração pelas vítimas da guerra que decorreu em Mossul ©Foto Vatican Media

 

A reconstrução de casas de famílias e de igrejas tem sido apoiada por instituições como a Ajuda à Igreja que Sofre, a Obra do Oriente e os Cavaleiros de Colombo, como recordou o patriarca Inácio Younan III, da Igreja siro-católica. Mas o Papa quer que a reconstrução vá mais longe: “Este é o momento de restaurar não só os edifícios, mas também, e em primeiro lugar, os laços que unem comunidades e famílias, jovens e idosos.”

“Há momentos em que a fé pode vacilar, quando parece que Deus não vê nem intervém. Sentistes a verdade disto nos dias mais negros da guerra, e é verdade também nestes dias de crise sanitária mundial e de grande insegurança”, afirmou. “Mesmo no meio das devastações do terrorismo e da guerra podemos, com os olhos da fé, ver o triunfo da vida sobre a morte”, acrescentou, dizendo que é preciso “confiar em Deus, que nunca decepciona”.

Qaraqosh ao final da manhã (hora local, 8h30 em Lisboa) e, depois, a missa em Erbil à tarde, foram as duas celebrações com maior número de pessoas a participar nos actos do programa do Papa. E percebia-se que, apesar do cansaço visível durante a viagem (sete mil quilómetros em quatro dias), o próprio estava satisfeito por, após um ano de quarentenas e confinamentos, estar de novo em contacto com multidões: “Sinto-me agradecido ao Senhor pela oportunidade de vos encontrar esta manhã. Estava ansioso por este momento”, afirmou, logo no início da sua intervenção em Qaraqosh.

Para reconstruir, o Papa apontou um caminho: “O perdão é necessário por parte daqueles que sobreviveram aos ataques terroristas. Perdão: esta é uma palavra-chave”, afirmou. “O perdão é necessário para permanecer no amor, para se permanecer cristão. O caminho para uma cura plena poderia ainda ser longo, mas peço-vos, por favor, que não desanimeis. É preciso capacidade de perdoar e, ao mesmo tempo, coragem de lutar. Sei que isto é muito difícil. Mas acreditamos que Deus pode trazer a paz a esta terra”, disse, referindo-se ao testemunho de Doha Sabah Abdallah, uma mulher que viu o filho, um primo e uma vizinha morrerem na sequência de um ataque terrorista. “Perdoar ao agressor” e dizer “não ao terrorismo e à instrumentalização da religião” são as atitudes necessárias.

Na homilia da missa no estádio Franso Hariri, em Erbil, que seria, à tarde, o último acto público do Papa – e também o mais multitudinário e festivo –, Francisco insistiu na mesma ideia, dirigindo-se especificamente aos cristãos: é preciso resistir à “tentação da vingança”, que leva a uma “espiral de retaliações sem fim”. Antes, os cristãos devem “construir uma Igreja e uma sociedade abertas a todos”.

Ainda em Qaraqosh, o outro testemunho foi do vigário-geral da diocese de Mossul, padre Ammar Yako, que recordou, como resumiu Francisco, “os horrores do terrorismo e da guerra”. “A memória do passado molda o presente e faz-nos avançar para o futuro”, comentou o Papa.

A palavra final em Qaraqosh foi para as mulheres, na véspera do Dia Internacional que lhes é dedicado: “Gostaria de agradecer cordialmente a todas as mães e mulheres deste país, mulheres corajosas que continuam a dar vida não obstante os abusos e as feridas. Que as mulheres sejam respeitadas e protegidas! Que lhes sejam dadas atenção e oportunidades!”

 

“Um dano incalculável”

Uma igreja destruída do Iraque © ACN

 

Antes de Qaraqosh, o Papa tinha presidido em Mossul a uma oração pelas vítimas da guerra, outro momento emotivo e de carga fortemente simbólica. “Se Deus é o Deus da vida – e é-O –, não nos é lícito matar os irmãos em seu nome. Se Deus é o Deus da paz – e é-O –, não nos é lícito fazer a guerra em seu nome. Se Deus é o Deus do amor – e é-O –, não nos é lícito odiar os irmãos”, afirmou, nas palavras de introdução à oração.

Na oração que decorreu na Praça das Igrejas, nome que se refere aos quatro edifícios das igrejas Siro-católica, Arménio-ortodoxa, Siro-ortodoxa e Caldeia (católica) e que foram também destruídos pelo Daesh, o Papa reafirmou a sua convicção de que a “fraternidade é mais forte do que o fratricídio, que a esperança é mais forte do que a morte, que a paz é mais forte do que a guerra”. E essa convicção “fala com uma voz mais eloquente do que a do ódio e da violência e jamais poderá ser sufocada no sangue derramado por aqueles que pervertem o nome de Deus ao percorrer caminhos de destruição”.

Um desses elementos de destruição foi o verdadeiro êxodo de cristãos, que deixaram a região (e muitos, o país). Esse foi “um dano incalculável não só para as pessoas e comunidades envolvidas, mas também para a própria sociedade que eles deixaram para trás”, afirmou o Papa, para quem as deslocações forçadas de todas as pessoas e famílias atingidas teve como consequência uma “trágica diminuição” do número de cristãos iraquianos, tal como tem acontecido nas últimas décadas em todo o Médio Oriente.

O padre Raid Kallo, que fugiu de Mossul a 10 de Junho de 2014, recordou que tinha uma paróquia com 500 famílias cristãs e hoje “não são mais do que 70”.

Ao mesmo tempo, Gutayba Aagha, líder do Conselho Social e Cultural Independente das Famílias de Mossul, fez um convite especial: “Convido os nossos irmãos cristãos a regressarem a esta cidade que é deles, às suas propriedades, e a retomar os seus negócios.”

Sinais da destruição, eram as duas cruzes que estavam no palco da cerimónia, uma com madeira queimada de igrejas arrasadas e outra feita à mão, reproduzindo episódios da história de Mossul.

“Erguemos as nossas vozes em oração a Deus Todo-Poderoso por todas as vítimas da guerra e dos conflitos armados. Aqui em Mossul, saltam à vista as trágicas consequências da guerra e das hostilidades”, afirmou, recordando a “convivência harmoniosa entre pessoas de diferentes origens e culturas” que marcava a “verdadeira identidade” de Mossul, antes da guerra.

“Como é cruel que este país, berço de civilizações, tenha sido atingido por uma tempestade tão desumana, com antigos lugares de culto destruídos e milhares e milhares de pessoas, muçulmanas, cristãs, yazidis – cruelmente aniquiladas pelo terrorismo – e outras, deslocadas à força ou mortas!”, acrescentou ainda o Papa Francisco.

 

Um livro “refugiado”

O livro litúrgico que escapou ao Daesh e o Vaticano devolveu depois do restauro. © Foto Vatican Media

 

O programa do dia incluiria dois gestos simbolicamente importantes: em Erbil, onde celebrou a missa à tarde, o Papa encontrou-se com o pai de Alan Kurdi, o menino que morreu no Mediterrâneo em 2015 e cujo corpo foi encontrado numa praia da Turquia e se tornou uma imagem icónica da tragédia dos refugiados que procuram salvação fugindo para a Europa – e cuja mãe e irmão também morreram na travessia.

“O Papa conversou longamente com [Abdullah Kurdi] e, com a ajuda do intérprete, pôde escutar a dor do pai pela perda da sua família e expressar profunda participação no seu sofrimento”, indica o Vaticano, numa nota citada pela Ecclesia.

“O senhor Abdullah expressou a sua gratidão ao Papa pelas palavras de proximidade com a sua tragédia e com a de todos os migrantes que procuram compreensão, paz e segurança, deixando o seu país com risco de vida”.

Antes, em Qaraqosh, no encontro com a comunidade cristã, Francisco devolveu o Sidra, um livro histórico da comunidade local, que escapou à destruição do Daesh e foi restaurado em Roma.

Este livro litúrgico sagrado data dos séculos XIV-XV. Escrito em aramaico, contém orações litúrgicas recitadas entre a festa da Páscoa e a da Santa Cruz, na comunidade siro-cristã de Qaraqosh, refere a Ecclesia.

O manuscrito foi escondido na altura da ocupação da cidade pelo grupo terrorista e o Vaticano fala dele como um livro “refugiado”, à semelhança das milhares de pessoas que escaparam da guerra e do terror do “genocídio cultural”.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Embriaguez sem vinho

A juventude é a embriaguez sem vinho, dizia Goethe, mas quando o vinho está azedo a embriaguez passa a doença. A recorrência das crises, os surtos pandémicos e a falta de horizontes podem estar a criar uma geração perdida. Mas não terá sido quase sempre assim?

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This