A Guiné-Bissau e o futuro

| 2 Nov 19

A Guiné-Bissau é um país extraordinário da Costa Africana Ocidental. Um país com uma expressão multicultural única, que se concretiza através das suas mais de 20 etnias. Um país que convive pacificamente com a diversidade religiosa, entre a comunidade muçulmana, a comunidade católica, outros credos cristãos e o animismo – que é transversal a um povo com fortes crenças místicas ligadas à terra e à natureza.

Neste país, que se encontra entre os mais pobres do mundo, com um Estado que falha nas suas funções mais básicas, há uma sociedade que encontrou modelos de organização comunitária para responder às suas necessidades básicas, apoiado na cooperação, que advém de outros países e de organizações internacionais, que respondem em áreas fundamentais como a educação e a saúde. Basta ir ao setor autónomo de Bissau, a bairros como o Kélélé ou o Bairro Militar, para constatar esta realidade.

A Guiné-Bissau, como acontece com tantos outros países da África subsariana, tem uma população muito jovem, que apesar de todas as dificuldades é cada vez mais educada e emancipada, mas que se depara com problemas graves que condicionam fortemente as suas perspetivas de futuro.

Há desafios que vão para além das infraestruturas inexistentes, que se prendem com uma estrutural desigualdade social das mulheres e das crianças, assente na tradição e no relativismo cultural e que leva a uma sistemática violação de Direitos Humanos. São exemplo os meninos Talibé, deslocados para o Senegal por pessoas que convencem as famílias de que lhes vão proporcionar educação em escolas corânicas e que lá chegados os maltratam e os exploram nas ruas como pedintes; a mutilação genital feminina que, apesar de ser uma prática criminalizada pela legislação nacional e de todo o trabalho realizado pelo Comité para a Erradicação das Práticas Nefastas da Guiné-Bissau, continua a ser uma realidade; os casamentos precoces frequentes no país, que retiram às meninas o direito à infância e à educação; as mortes materno-infantis evitáveis que continuam a ter números avassaladores.

Esta realidade, a que poderia acrescentar o subdesenvolvimento económico e a falta de uma administração pública capaz de responder eficazmente às pessoas, um sistema de combate à corrupção e ao narcotráfico internacional, só pode começar a ser solucionada se houver estabilidade política, e esta tarda em chegar.

Há uma nova crise política na Guiné-Bissau. O país volta a estar em suspenso depois de um complexo processo que culminou com as eleições legislativas em março deste ano, permitindo o normal funcionamento da Assembleia Popular e a tomada de posse de um Governo legítimo que viu aprovado no Parlamento o seu programa.

A crise atual deve-se ao facto do Presidente da República ter demitido, através de Decreto Presidencial, o Governo legítimo liderado por Aristides Gomes, alegando uma grave crise política que põe em causa o normal funcionamento das instituições e de ter nomeado um novo Governo.

Este ato do Presidente é no mínimo abusivo. O novo Governo, nomeado por iniciativa presidencial, não é reconhecido pela comunidade internacional que alega a sua ilegitimidade e a quebra de um compromisso assumido por todas as partes, incluindo o Presidente da República, de realizar eleições presidenciais em novembro, de modo a encerrar o ciclo eleitoral e entrar numa fase de estabilidade no país.

Entre as entidades internacionais que tomaram posição está a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), a União Europeia, entre outras. Também Portugal, através do ministro dos Negócios Estrangeiros, veio a público reconhecer o Governo legítimo de Aristides Gomes que o Presidente da Guiné-Bissau depôs.

A situação é de extrema gravidade. A Guiné-Bissau não pode perder esta oportunidade de fechar o ciclo político com as eleições presidenciais, de modo a iniciar um trajeto de estabilidade que permita ao país começar a erguer um sistema público consistente, apoiado pela cooperação, com uma rede de escolas públicas que crie verdadeiras oportunidades de desenvolvimento individual, um sistema de saúde que responda às necessidades efetivas da população, um plano de manutenção das infraestruturas, uma estratégia de combate à corrupção e de fiscalização das águas em alto mar e o desenvolvimento de uma economia que comece a criar riqueza a partir dos recursos do país.

 

Catarina Marcelino é deputada do Partido Socialista e ex-secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco