50 anos de uma “peça maior” da arquitectura portuguesa

A igreja construída para se abrir à cidade

| 17 Jun 21

Este é o primeiro livro que se debruça sobre um monumento nacional – a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, cujos 50 anos de dedicação esta obra assinala. Uma igreja nascida de um processo que reflectiu os tempos novos que se viviam e procurou traduzi-los na arquitectura. O volume sobre esta “peça maior” da arquitectura portuguesa do século XX será apresentado no auditório da igreja nesta quinta-feira, 17, ao final da tarde.

Cruz exterior, na rua Camilo Castelo Branco: uma “obra singular da arquitectura portuguesa do século XX”. Foto © Hugo Casanova, cedida pelo autor.

 

Há meio século, quando se fez a cerimónia de dedicação da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, o bairro do Marquês de Pombal, em Lisboa, tinha cerca de 20 mil habitantes. Por isso, o projecto e construção incluiu um programa que previa espaços para atendimento, acção social, apoio a pessoas desfavorecidas, residências para padres e estudantes e um auditório com meia centena de lugares. Ao mesmo tempo, sonhava-se uma igreja que traduzisse, na sua arquitectura, uma nova relação de abertura à sociedade que a instituição Igreja dava mostras de querer ter, depois da realização do Concílio Vaticano II.

Cinco décadas depois, os habitantes de toda a zona da paróquia serão menos de quatro mil – no recenseamento de 2011 já estavam abaixo dessa marca e desde então a situação só piorou. Ao contrário, aumentou o número de escritórios, empresas de serviços e unidades hoteleiras – que desde há um ano estão em utilização dramaticamente reduzida. Ou seja, aumentou o número de pessoas passantes, que circulam no bairro durante o dia, mas as ruas esvaziaram-se e desertificaram-se à noite.

A terciarização da zona e a redução da população é um fenómeno que já se notava, no entanto, quando se iniciou o processo que levaria à construção da igreja, como recordam João Alves da Cunha e João Luís Marques, no texto que escrevem no livro que nesta quinta-feira, 17, a partir das 18h, será apresentado no auditório da igreja. A obra assinala os 50 anos da dedicação do altar, completados a 19 de Junho do ano passado.

Hoje em dia, “a Baixa de Lisboa estende-se até à área da paróquia, ou seja, impera a mobilidade e o pluralismo dos relativamente poucos residentes e dos muitos ‘passantes’”, acrescenta o padre António Janela, actual pároco do Sagrado Coração de Jesus no prefácio do livro Igreja do Sagrado Coração de Jesus – Lisboa. 50 Anos de Arquitetura Religiosa Moderna / 1970 – 2020 é o título da obra.

 

“Justamente” monumento nacional

A torre sineira vista do terraço das residências. Foto © Hugo Casanova, cedida pelo autor.

 

Coordenada pelos arquitectos Cátia Santana e João Alves da Cunha, com fotos actuais de Hugo Casanova, a obra será apresentada pela arquitecta Madalena Cunha Matos, que também assina a introdução do volume.

No livro, incluem-se ainda estudos sobre o que foi o concurso e o processo que levou à construção da igreja e complexo paroquial do Sagrado Coração, a sua actualidade, a acta do júri, o programa do projecto vencedor, esquissos e registos fotográficos – da época da dedicação e contemporâneos. No final, insere-se ainda uma versão dos textos em inglês.

Esta é uma “obra singular da arquitectura portuguesa do século XX”, dizem os autores do livro”, lembrando que a igreja e complexo foram “muito justamente” reconhecidos como Monumento Nacional em 2010 – depois de já terem sido vencedores do Prémio Valmor, em 1975.

Na introdução do livro, Madalena Cunha Matos acrescenta outro factor a sublinhar a sua importância: esta peça maior na História da arquitectura do século XX em Portugal “não merecera até agora um livro dedicado”.

A obra que hoje será apresentada a público (e que ficará também à venda nos serviços da paróquia) “vê hoje a sua valia destacada por um guião expressamente preparado, cuidadoso e revelador de novos aspectos, por Cátia Santana; por um ensaio fotográfico por um jovem estudioso da arquitectura religiosa, Hugo Casanova; e por um aturado estudo histórico por dois dos investigadores mais conhecedores no país da arquitectura da Igreja Católica, João Alves da Cunha e João Luís Marques.” E todos estes são elementos “fundamentais para a compreensão” do conjunto, acrescenta a arquitecta.

 

“Urbanidade e interioridade”

 A igreja conjuga “urbanidade e interioridade, síntese de uma vontade de abrir o seu espaço central à cidade”. Foto © Hugo Casanova, cedida pelo autor.

 

A dedicação da igreja em 19 de Junho de 1970 concluiu o processo longo, iniciado em 1962 com o concurso público que teve a participação de 66 arquitectos, reunidos à volta de 14 trabalhos. Um número que, apesar do “mérito da maioria” dos trabalhos apresentados, o júri considerou frustrante, pois tirou à prova o “carácter de ampla representação que se esperava lhe fosse dado”.

O primeiro lugar acabaria atribuído ao projecto dos arquitectos Nuno Teotónio Pereira (1922-2016) e Nuno Portas (1934). “Igreja cosmopolita, foi inovadora na sua inserção urbana, mas também na experimentação e uso do betão, incorporando o conhecimento técnico e as influências artísticas da época no panorama arquitectónico dos anos 1960”, descrevem os coordenadores.

Viviam-se, recorde-se, tempos de efervescente renovação do catolicismo europeu e mundial, com a realização do II Concílio do Vaticano. E no seu espaço interior a igreja reflecte também as novas concepções que o concílio propunha, de maior participação dos fiéis na assembleia litúrgica – daí a forma de anfiteatro que a igreja assume no seu interior.

Resumem ainda os autores que a igreja e o centro paroquial conjugam “urbanidade e interioridade, síntese de uma vontade de abrir o seu espaço central à cidade, à comunidade e à participação religiosa, no espírito do Concílio Vaticano II.”

As etapas do guião para uma visita arquitectónica proposto no livro por Cátia Santana dão conta também dessas intuições: a cidade entra na igreja, reflectindo as preocupações de “relação com a envolvente” e tendo em conta também o espaço exíguo e desnivelado em que a igreja foi edificada, num gaveto com sete metros de diferença na cota das ruas de Santa Marta e Camilo Castelo Branco. Resulta, assim, um “espaço engenhoso” que conjuga “luz, sombra, interioridade, geometria e complexidade”.

 

“Empurrar uma porta e entrar no silêncio”

O adro com a porta da igreja aberta: “Estar, sim, estar naquele espaço.” Foto © Hugo Casanova, cedida pelo autor.

 

Essa ligação com a cidade, numa relação de continuidade com o espaço urbano mas que, ao mesmo tempo, cria uma ruptura com o ruído e o movimento é explicada no texto introdutório de Madalena Cunha Matos: “Às vezes apetecia-me baixar ao Largo das Palmeiras pelo elevador minúsculo, descer a Rua de Santa Marta, mergulhar sob os Correios, passar a escuridão, infiltrar-me pelos pátios, subir, subir, empurrar uma porta e entrar no silêncio. Fazer, fazer nada. A fé ficara lá pela adolescência. Estar, sim, estar naquele espaço. Olhar a penumbra. Tocar a madeira dos bancos corridos. Caminhar pelas pedras lisas. Talvez subir a uma das bancadas. Escolher um ângulo para contemplar a luz vinda lá de cima, banhando a enorme parede texturada cinza. Mudar de lugar, ir ver se o vidro é transparente ou translúcido, vislumbrar as profundezas sob o altar, perscrutar as saliências, abandonar-me finalmente ao vazio.”

O espaço reflecte, diz ainda Madalena Cunha Matos – que é também professora da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa – o “apelo a uma religião menos entrincheirada, mais aberta”, mesmo na amálgama de pormenorização, de dobras, de cimalhas, de caixilharias, de recantos, de blocos, de guardas, de luminárias, de estrutura, de níveis; que no entanto fabricaram o espaço sacro mais audaz da cidade após o Manuelino”. E justifica: “A abóboda dos Jerónimos ecoa nestes losangos da laje horizontal da cobertura, pelos mesmos motivos de dar forma à estrutura e dar expressão à forma estrutural. (…) O ápex de toda a massa construída do complexo lisboeta do Sagrado Coração de Jesus reside na extraordinária dimensão vertical da zona do altar com a luz tornada palpável pela incidência vertical da claraboia.”

Uma igreja para mais 50 anos? No prefácio, o padre Janela levanta o véu sobre novos caminhos, que ultrapassem a encruzilhada em que a igreja e a paróquia estão: “O modelo de paróquia rural, que aqui dominou por dezenas de anos, está esgotado. Urge repensar a pastoral paroquial em termos urbanos, em que o território assume características bem diversas – uma Igreja na e para a cidade, uma igreja ‘em saída’, sem burocráticas fronteiras, aberta e acolhedora, atenta e disponível, anunciadora e iniciadora em Cristo.”

No fundo, isto significa actualizar o que já se previa no programa de há 60 anos que levou à construção da igreja, defende o actual responsável da paróquia: “Importa lançar, aproveitar, dinamizar os espaços disponíveis, pô-los ao serviço da evangelização, com tudo o que isso significa de abertura e de diaconia aos mais carenciados de bens materiais e de bens espirituais. Curiosamente, encontramos já expressa essa intenção lendo agora os textos e testemunhos dos autores desta obra arquitectónica de 1970.”

É necessário recuperar a ideia de “uma Igreja na e para a cidade, uma igreja ‘em saída”, defende o actual pároco. Foto © José Nunes Correia, reproduzida do livro. 

 

(Sobre a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, pode ver-se o documentário do programa Visita Guiada, da autoria de Paula Moura Pinheiro, disponível na RTP Play)

 

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria novidade

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão

Preocupado com Bielorrússia e Filipinas

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão novidade

O Papa Francisco enviou uma contribuição de 100 mil euros à Igreja das Filipinas, para ajudar o país asiático a minimizar as consequências do tufão Rai, que segundo dados das Nações Unidas provocou pelo menos 400 mortos, dezenas de desaparecidos, tendo afetado 8 milhões de pessoas em 11 regiões. Quantia equivalente foi destinada aos “grupos de migrantes bloqueados entre a Polónia e a Bielorrússia e em auxílio da Cáritas Polaca para enfrentar a emergência migratória na fronteira entre os dois países, devido à situação de conflito que já dura mais de 10 anos”, informou o Vaticano esta terça-feira, 18 de janeiro.

O Senhor a receber das mãos do servo

O Senhor a receber das mãos do servo novidade

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This