A ira do Irão

| 28 Abr 2021

O velho orgulho persa vive hoje isolado num regime desenquadrado do mundo contemporâneo, reduzido a uma teocracia islâmica obsoleta que já não cativa os jovens. O regime tem prazo de validade e um dia destes cai.

“É o velho ressentimento contra os povos ditos cristãos que mantém o regime de pé, a ira do Irão.”  (9º aniversário da morte de Ruhollah Khomeini no mausoléu, 4 de junho de 1998. Foto: © khamenei / Wikimedia Commons)

 

A grande maioria da população iraniana é xiita (89%), embora os xiitas sejam uma minoria muçulmana no mundo (10%). Os sunitas não chegam a 10% no Irão e os restantes são de “outras” religiões, principalmente o zoroastrismo (45 mil pessoas), cristianismo, judaísmo e bahá’í (300 mil), mas também minorias religiosas de arménios, assírios e caldeus.No seu grande romance Samarcanda, Amin Maalouf traça o sentimento do povo persa nos inícios do século XX e os seus ressentimentos face a outros povos: “Que imagem têm hoje os persas das nações cristãs? A cristianíssima Inglaterra que se apropria do seu petróleo, a cristianíssima Rússia que lhes impõe a sua vontade segundo a cínica lei do mais forte? Quais são os cristãos com quem eles viveram até aqui? Uns velhacos, uns arrogantes, uns ateus, uns cossacos.”

O regime iraniano viola constantemente os direitos humanos. Persegue e prende jornalistas e minorias religiosas, em especial os adeptos da fé bahá’í a quem limita a liberdade não apenas em termos de profissão da fé, mas sobretudo pelas limitações impostas à sua vida. Os cemitérios bahá’ís são atacados, as autoridades mandam prender os seguidores da religião e barram a entrada aos seus jovens nas universidades. Daí que um grupo de docentes saneados em 1987 criaram a Bahá’í Institute for Higher Education, uma universidade clandestina no país, e voltada para seguidores da fé baha’í. A instituição oferece quase 40 cursos entre graduações, mestrados e programas de estudo nas áreas de ciências, engenharia, negócios e administração, humanidades e ciências sociais e recebe todos os anos cerca de 1.000 novos alunos. O trabalho e os diplomas conferidos por esta universidade clandestina são reconhecidos por dezenas de congéneres em todo o mundo, entre elas Yale (EUA), Queens University (Canadá), Universidade de Pune (Índia), Universidade de Bristol (Inglaterra), e outras em França, Alemanha, Áustria, Finlândia e Austrália.

Ao contrário dos restantes países do Médio Oriente o Irão é um dos únicos países não-árabes da região e revela distanciamento linguístico, político e religioso com os vizinhos. O país que hoje conhecemos como República Islâmica do Irão data de aproximadamente de 550 A.C. e foi conhecido na maior parte de sua história como Pérsia. Em tempos o império persa dominou a região. O xiismo tornou-se a religião nacional pela mão dos Safávidas (uma dinastia xiita formada por azeris e curdos) apenas no século XVI.

Depois do golpe de estado que derrotou a ocupação britânica em 1925 a Pérsia foi governada pela família Pahlevi, que rebaptizou o país em 1935, alinhou-se com o Ocidente, modernizou o estado à margem da influência religiosa, concedeu direitos às mulheres e aboliu a obrigação de usarem tchador.

Em 1979 e perante a insatisfação geral das populações, Khomeini liderou um golpe de Estado tendo fundado a actual república teocrática islâmica, altamente conservadora, promovido o corte radical com o Ocidente e instituído um líder religioso supremo.

Pelo menos desde a denominada Primavera Árabe que o Irão está em guerra fria com a Arábia Saudita, por via indirecta, na disputa de poder e influência regional. Os receios internacionais de os iranianos estarem a desenvolver um programa nuclear com intenções bélicas levou-os a submeterem-se à fiscalização do Conselho de Segurança (CS) da ONU e a firmar um acordo nuclear em 2015 com os cinco países do CS mais a Alemanha, no qual se empenhou o presidente Rouhani, que garantia a drástica diminuição do programa nuclear iraniano em troca do levantamento das sanções internacionais.

Mas a emergência da Administração Trump, que rasgou o acordo e impôs novas sanções económicas, o desenvolvimento da indústria de energia nuclear na Arábia Saudita e o envolvimento do país nos conflitos da região reverteram a situação, ao mesmo tempo que as sanções provocavam uma crise no regime pelo enfraquecimento da moeda, crescimento da inflacção, queda da economia interna, aumento de preços, desemprego e repressão política sobretudo sobre os mais jovens. O petróleo iraniano garante mais de metade das exportações, daí os incidentes frequentes que envolvem petroleiros.

É o velho ressentimento contra os povos ditos cristãos que mantém o regime de pé, a ira do Irão. Por agora ainda não se entende bem qual a estratégia da nova administração americana, mas sente-se a pressão de Israel, que teme um Irão nuclear, e dos sauditas, com quem os iranianos disputam a hegemonia regional, enquanto a população jovem vê o futuro hipotecado por um regime de características medievais.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This