A “Laudate Deum” e a Inteligência Artificial

| 20 Out 2023

Inteligência artificial. IA

«A inteligência artificial e os recentes progressos tecnológicos baseiam-se na ideia dum ser humano sem limites, cujas capacidades e possibilidades se poderiam alargar ao infinito graças à tecnologia. Assim, o paradigma tecnocrático alimenta-se monstruosamente de si próprio.» (LD 21). Foto © Gerd Altmann / Pixabay

 

Um estudo publicado no passado dia 10 de outubro discute a crescente pegada energética da inteligência artificial (IA) e seu potencial impacte ambiental. A rápida expansão e ampla aplicação da IA nos últimos anos, especialmente com o lançamento do ChatGPT da OpenAI, aumentou a preocupação sobre o consumo excessivo de eletricidade para suportar estas ferramentas. Alex de Vries, o estudante de Doutoramento que realizou este estudo, receia que o aumento da eficiência da IA como ferramenta leve a um efeito de ressalto (rebound). Isto é, desenvolvemos a tecnologia para que se torne mais eficiente no consumo de energia e, por causa disso, as pessoas usam mais a ferramenta e todo o trabalho de investigação realizado para diminuir o consumo acaba por voltar à estaca zero. Se se questionam o que é o paradigma tecnocrático de que fala o Papa Francisco na Laudate Deum (LD), é isto.

«A inteligência artificial e os recentes progressos tecnológicos baseiam-se na ideia dum ser humano sem limites, cujas capacidades e possibilidades se poderiam alargar ao infinito graças à tecnologia. Assim, o paradigma tecnocrático alimenta-se monstruosamente de si próprio.» (LD 21)

A razão que prende muitas pessoas às redes sociais deve-se à dopamina libertada no nosso cérebro com a gratificação instantânea, mas uma das coisas que contribui para isso são os murais infinitos de conteúdo e os algoritmos que se ajustam mediante o crescente aumento do tempo de ecrã. Com esse aumento do tempo de ecrã, maior é a probabilidade de alguém ver a sua atenção captada por um anúncio em particular e atingir o objectivo verdadeiro pretendido: consumir. Não tanto conectar pessoas. O paradigma tecnocrático está nas mãos daqueles que geram toda uma economia da atenção com a promessa de conexão e de uso gratuito de ferramentas que nos mantêm a par da vida uns dos outros, ou facilitam a comunicação entre nós. Não é mentira, mas não é toda a verdade.

Quando colocamos os nossos dispositivos em modo de stand-by pensamos que não estão a consumir energia, mas há algum tempo que sabemos como isso não é verdade. E com o crescente impacte que as ferramentas de Inteligência Artificial têm sobre a tecnologia que utilizamos, por exemplo, sempre ligadas para serem sentinelas do nosso bem-estar 24/24h, 365 dias por ano, de modo a se adaptarem ao nosso modo de expressar desejos, monitorizarem a nossa saúde e fazer os ajustes necessários para estarmos sempre confortáveis e em cima do conhecimento, o preço pago será um aumento exponencial do consumo de energia. É problemático? Não porque, na verdade, esse consumo é coberto pela energia que recebemos do Sol e sobra ainda muito, mas como a fonte mais imediata de conversão de energia para alimentar os nossos computadores continua a ser a energia fóssil, o compasso de espera para desenvolver a transição energética definitiva para fontes renováveis de energia, torna-se incompatível com o desejo insaciável de consumo energético que têm as ferramentas de Inteligência Artificial.

«Deus uniu-nos a todas as suas criaturas. Contudo o paradigma tecnocrático pode isolar-nos daquilo que nos rodeia e engana-nos fazendo esquecer que o mundo inteiro é uma “zona de contacto”.» (LD 66)

Aquilo a que assistimos hoje é que a “zona de contacto” que o Papa refere na Laudate Deum e apela a recordar como estamos ligados ao mundo que nos rodeia através dos relacionamentos, essa zona de contacto é, hoje, mediada, essencialmente, pelos nossos ecrãs e daí o isolamento. Mas, e se não houvesse ecrãs? Isso é o que o casal Imra Chaudhri e Betany Bongiorno, que trabalharam pouco mais de 20 anos na Apple, quiseram fazer quando fundaram a HUMANE para criar um dispositivo que nos fizesse sentir como a tecnologia pode tornar-se invisível usando Inteligência Artificial. Dispositivos que interagem com o mundo do modo como nós interagimos com o mundo. Dispositivos que não têm ecrã, não se notam e possuem uma sensibilidade apurada ao mundo que nos rodeia.

Tudo maravilhoso, mas suportado pela Inteligência Artificial que precisa de uma enorme quantidade de energia para fazer o que esperamos que faça. Será que o melhor é fazer a tal pausa prolongada que muitos milionários pediram para tomarmos melhor consciência do paradigma tecnocrático em que vivemos e fazer alguma coisa para dele sair?

O Papa procura, na Laudate Deum, abrir a nossa mente à possibilidade de haver esperança de que a vida humana consiga sobreviver à crise climática com um renovado relacionamento com o mundo natural que a sustenta. Porém, a história de como isso acontecerá está longe de ter um fim à vista e o dilema que a Inteligência Artificial abre não se deve perder de vista da nossa reflexão.

 

Miguel Panão é professor na Universidade de Coimbra, autor do livro palavras (publicação de Autor); pode acompanhar o que escreve pela sua newsletter Escritos em https://tinyletter.com/miguelopanao

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This