Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

| 14 Jan 2022

Carta a Filémon Adrien Candiard

O leitor, com a Epístola a Filémon ao lado, encontrará aqui reflexões e pistas bem nutridas sobre o seu caminho batismal, que trilha nos passos mais exigentes e fecundos da sua vida.

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

A angustiante experiência da escravatura – na qual o tecido económico da sociedade mediterrânica do primeiro século assentava, tal como o nosso – é o mote para um percurso que envolve o encontro com outros episódios do Novo Testamento, como a “conversão” de Paulo, o diálogo de Jesus com Marta e Maria ou a prece sobre o perdão das dívidas. A questão de fundo é a saída de uma visão da vida cristã enquanto observância de preceitos e restrições, visão alimentada por muita da nossa prática pastoral. A radical novidade cristã assenta no absurdo de um escravo e o seu senhor poderem partilhar uma mesma vida digna, o mesmo pão eucarístico, a mesma liberdade no seu interior e no seu exterior. E, como bem percebeu a filosofia e a literatura do século XX, de nada serve a luta pelo fim das estruturas sociais injustas se cada ser humano não se deixar recriar na sua liberdade. O leitor, com a Epístola a Filémon ao lado, encontrará aqui reflexões e pistas bem nutridas sobre o seu caminho batismal, que trilha nos passos mais exigentes e fecundos da sua vida.

«Não existe, na fé cristã, vida moral sem vida espiritual. Porque é a amizade com Cristo, é a presença de Deus em nós – a que damos o nome de Espírito Santo – que pode, simultaneamente, esclarecer-nos sobre o que é bom, dar-nos desejo de o cumprir e libertar-nos, pacientemente, de tudo o que nos retém. É a frequência de Deus, a familiaridade com Deus a única a libertar-nos do pecado que nos impede de fazer o que queremos, que destrói a nossa liberdade».

 

Carta a Filémon, de Adrien Candiard
Edição: Apostolado da Oração
88 páginas, 11 euros

(Texto publicado inicialmente no número de Janeiro 2022 da revista Mensageiro de Santo António)

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This