Cenário imaginado em Luanda

A loucura dos humanos quando vistos de outra galáxia

| 6 Out 2023

criança escuta planeta terra foto ridvan celik

“Mesmo tendo consciência dos perigos que advêm das ações que prejudicam a natureza”, o ser humano não consegue reverter o caminho percorrido. Foto © Ridvan Celik.

 

Se o observador de uma galáxia distante estudasse os seres humanos, colocar-se-ia a seguinte questão: “porque é que o ser humano não para de explorar o planeta, se põe a sua vida em perigo todos os dias?”.

A pergunta foi colocada esta quarta-feira, 4 de outubro, pelo padre jesuíta Celestino Palanca, na sua qualidade de diretor nacional da Comissão Justiça e Paz da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe (CEAST), numa conferência de imprensa que organizou em Luanda a propósito da evocação de S. Francisco de Assis.

Segundo relata o jornalista João Vissesse no site da ACI África, a dificuldade da resposta advém, para quem colocou a pergunta, da incapacidade de travar ou inverter o caminho percorrido, “mesmo tendo consciência dos perigos que advêm das ações que prejudicam a natureza”.

A explosão demográfica, a camada de ozono e o efeito de estufa, o conflito de interesses entre os países desenvolvidos e os países pobres, as guerras, a exploração dos recursos naturais e os graves danos causados à esfera ecológica são, para o padre Palanca, “sinais de que a humanidade está seriamente comprometida”. Por isso exortou os angolanos a “saírem do seu egoísmo e agirem em favor do planeta, para evitar a extinção da raça humana”.

Como Igreja, “vamos fazer a nossa parte, levando esta mensagem a todos os homens e mulheres de boa vontade, convidando-os a trabalhar para salvar o planeta Terra, a trabalhar para salvar a humanidade”, apelou o diretor nacional da Comissão Justiça e Paz.

“A humanidade – acrescentou – está em risco por causa da nossa ação, ação humana que vai contra a vontade do Criador, que quer que os homens e as mulheres tenham vida e vida em abundância, para que todas as criaturas o louvem”, disse o padre Palanca.

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This