Faleceu aos 92 anos

A “Madre Teresa” portuguesa que deixou de ser freira, mas dedicou a vida aos que mais precisavam

| 1 Set 21

teresa granado, foto miguel cotrim

Teresa Granado fundou a Comunidade S. Francisco de Assis, que se assumiu como “a derradeira esperança para muitas crianças e adolescentes que perderam ou nunca tiveram família”. Foto © Miguel Cotrim.

 

“Só há que ter medo de não fazer o outro feliz” e “cada um de nós pode fazer muito mais por quem precisa”. Duas frases de Teresa Granado que resumem e explicam uma vida dedicada aos pobres, aos reclusos, aos mais frágeis e necessitados, e sobretudo às crianças e adolescentes vítimas de maus tratos e abandonados. Madre Teresa, como era conhecida, fundadora da Comunidade Juvenil S. Francisco de Assis, em Coimbra, faleceu esta segunda-feira, 30 de agosto, aos 92 anos, na sequência de um AVC.

Nascida na Covilhã, Maria Teresa Granado pertencia a uma família abastada: o pai era médico (Bissaya Barreto chegou a ser cirurgião na Casa de Saúde de que era proprietário) e a mãe, licenciada no conservatório em piano e harpa, era dona de casa, recorda o jornal Diário das Beiras.

Tirou o curso de Assistente Social em Coimbra e, com 22 anos, partiu como missionária para França, Itália, e Macau, onde trabalhou com os refugiados chineses e os reclusos. Regressou a Portugal para dirigir o antigo Instituto Superior de Serviço Social de Coimbra (hoje Instituto Superior Miguel Torga) e foi nessa altura que decidiu abandonar a vida consagrada, alegando que as regras eram demasiado rígidas e não lhe permitiam fazer o que era preciso ser feito.

Em 1968, fundou a Comunidade S. Francisco de Assis, que, nas palavras do ex-bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho e Pinto, se assumiu como “a derradeira esperança para muitas crianças e adolescentes que perderam ou nunca tiveram família e se sentiram à beira da entrada no mundo da delinquência”.

As cerimónias fúnebres terão início esta quarta-feira, dia 1 de setembro, pelas 10h30, seguidas de romagem ao cemitério da Conchada (Coimbra), onde será sepultada.

 

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This