Estudo da Universidade Católica

A maioria dos jovens é religiosa, mas só um terço “pratica” e quase metade está em desacordo com regras

| 6 Jul 2023

jovens por do sol foto pixabay (1200 × 612 px)

“A religiosidade é uma dimensão importante da vida dos jovens em Portugal”, assegura o relatório do estudo desenvolvido pela Universidade Católica Portuguesa. Foto © Pixabay.

 

A maioria dos jovens portugueses (56%) assume-se como religiosa e quase metade (49%) afirmam-se católicos, mas apenas um terço do total diz ser praticante. Entre os “não praticantes”, 44% dos que têm entre 18 e 30 anos justificam-no pelo facto de estarem em “desacordo com algumas normas dessa prática”. Estas são conclusões do estudo “Jovens, Fé e Futuro”, que o Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa (CEPCEP), da Universidade Católica Portuguesa, desenvolveu para a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), e que foi apresentado esta quinta-feira, 6 de julho, em Lisboa.

“A religiosidade é uma dimensão importante da vida dos jovens em Portugal” – afirma o relatório do estudo, ao qual o 7MARGENS teve acesso – e “cerca de 90% dos que se afirmam religiosos são católicos”. Estes são números “significativos”, se considerarmos “a perceção, mais ou menos generalizada, de que vivemos numa sociedade dessacralizada”, refere o documento nas suas conclusões.

“A reforçar esta constatação, um terço do total dos jovens (34%) diz-se não só religioso como praticante, orando regularmente, participando em celebrações ou estando integrado em grupos da sua comunidade religiosa”, afirma o relatório. A percentagem é bastante superior aos 18% encontrados por outro estudo recente, da Fundação Francisco Manuel dos Santos. “Mas a conjugação dos dois [números] permite-nos dizer com elevado grau de segurança que um número significativo de jovens em Portugal são católicos praticantes”, afirma o CEPCEP.

O estudo foi realizado a partir de um questionário online, disponibilizado entre abril e outubro de 2022, e contou com 2480 respostas de jovens entre os 14 e os 30 anos de idade (43% dos quais residentes no distrito de Lisboa), tendo considerado como “praticantes” (categoria que tem sido posta em causa por recentes estudos sociológicos) aqueles que “participam em serviços religiosos pelo menos uma vez por mês”.

Relativamente aos motivos apresentados pelos que declararam ter uma religião para não serem praticantes, “em geral, destaca-se a ‘falta de compromisso e empenho'” como a resposta prevalecente. “No entanto, observam-se algumas diferenças entre os dois grupos etários considerados, pois se os jovens mais novos [14-17 anos] estão alinhados com esta resposta (44%) e indicam também “falta de tempo” (33%), o principal motivo para a não-prática entre os jovens mais velhos (44%) é o ‘desacordo com algumas das normas da prática religiosa’, revelando uma reflexão mais aprofundada sobre a sua posição relativamente à dimensão espiritual da vida”. De destacar que, nesta faixa etária, há também 28% de jovens que dizem não participar nas atividades religiosas por observarem “demasiadas atitudes e comportamentos negativos noutros praticantes”.

 

Apenas 35% deverão participar na JMJ

Foto promocional da JMJ Lisboa. Foto © JMJ Lisboa 2023

Se tivermos em consideração apenas os jovens que se dizem católicos, 75% pretendem participar na Jornada Mundial da Juventude. Foto © JMJ Lisboa 2023.

 

Sobre a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que terá lugar em Lisboa entre os próximos dias 1 e 6 de agosto, e que constituiu uma das motivações para a realização do estudo, este concluiu que “a intenção de participação é baixa, sendo que apenas 13% declararam certeza relativamente à sua participação e 22% consideram que ‘provavelmente’ irão participar”.

Entre os jovens que se dizem religiosos, 32% responderam que não tinham conhecimento sobre o evento e o mesmo acontecia em 14% dos que se afirmam católicos. A percentagem sobe para 53% no caso dos “não católicos”.

Se tivermos em consideração apenas os jovens que se dizem católicos, 75% pretendem participar. E “é interessante que mais de metade dos não praticantes (51,17%) manifesta intenção de participar, o que é indicativo da capacidade mobilizadora de eventos desta natureza, e em particular da presença do Papa”, sublinha o relatório. No caso dos não religiosos, a esmagadora maioria (86%) não quer participar.

A prática religiosa, destaca ainda o documento, ” é acompanhada de bastante tolerância em relação a diferentes manifestações de religiosidade”, sendo que “51% dos jovens considera haver verdade em todas as religiões”. Só uma minoria (5%) afirma que só a sua religião é verdadeira, ou mais verdadeira do que as outras (12%).

Ainda assim, 18% dos jovens afirmam já ter sofrido “alguma discriminação” por causa da sua posição religiosa, maioritariamente entre amigos e na escola ou universidade .

 

Guerra, alterações climáticas e discriminação são as grandes preocupações

Mais de 70% dos jovens acham que “a vida como a conhecemos no nosso planeta se degradará por força da irreversibilidade das alterações climáticas”. Foto © Greve Climática Estudantil.

 

O estudo pretendia não só “compreender como os jovens vivem a dimensão espiritual das suas vidas”, mas também “conhecer as perceções dos jovens dos 14 aos 30 anos quanto aos principais desafios para o futuro”, tendo revelado que as maiores preocupações nesta faixa etária são a guerra ((63%), as alterações climáticas (55%) e a equidade
e discriminação (54%). A família só surge no lugar seguinte da tabela, embora seja uma das principais preocupações quando considerados apenas os jovens religiosos.

Para serem felizes, ambos (religiosos e não religiosos), valorizam os mesmos fatores: ter um trabalho estável, que os faça sentir realizados, e contribuírem para uma sociedade que tenha mais equidade e onde não haja discriminação. Contudo, se para os não religiosos não é importante constituírem uma família que inclua filhos, este objetivo é importante
para os religiosos, que, por seu lado, “não valorizam tanto poderem fazer as escolhas que quiserem, independentemente da pressão da família ou da sociedade”.

De um modo geral, os jovens “antecipam um quadro social futuro complexo e desafiante”, sendo que 80% acreditam que o avanço da ciência lhes permitirá viver mais tempo, mas 73% acham que “a vida como a conhecemos no nosso planeta se degradará por força da irreversibilidade das alterações climáticas” e 72% preveem que haverá novas pandemias.

Assim, não admira que, quando questionados sobre qual seria a sua prioridade “se pudessem mudar o futuro”, 64% tenham respondido que tratariam da sustentabilidade do planeta, seguidamente dos problemas de equidade(38%), de saúde (34%) e de educação (34%).

Mas quanto ao “grau de envolvimento dos jovens na construção do futuro”, se por um lado “a grande maioria dos jovens afirma procurar ser bondoso e agir corretamente no dia a dia (76%), bem como ser participativo em termos de cidadania (73%)”, por outro o estudo revela que “os jovens não são muito participativos em termos de ativismo (15%) ou voluntariado (26%)”.

“No agregado, os dados parecem denotar algum individualismo”, conclui o relatório. “Se cada um agir bem na sua esfera e o nosso planeta for protegido, o mundo será melhor.”

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This