A máscara – espelho da alma

| 15 Jan 21

A publicação de dois volumes de Contos e Lendas Transmontanos (ed. LeYa), no final de 2020, foi o culminar de um projeto iniciado em 2017 e que consistiu na recolha exaustiva de contos e lendas dos concelhos de Bragança e Vinhais, concretizada na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), e de que resultou o resgate de 99 narrações da tradição oral daqueles dois concelhos.
Desenvolvido em parceria com a Direção Regional de Cultura do Norte, as comunidades escolares dos dois municípios e a Academia Ibérica da Máscara, o projeto selecionou os dois concelhos, por serem considerados os mais ricos do país em património cultural imaterial vivo. Os contos foram também interpretados graficamente pelas crianças do 1º e 2º ciclos do ensino básico das escolas de Bragança e Vinhais. A edição tem um prefácio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
Capas Contos e Lendas Transmontanos

As capas dois volumes publicados de Contos e Lendas Transmontanos.

 

A propósito da recolha, compilação e publicação de alguns contos e lendas do concelho de Bragança, todos eles belíssimos e inspiradores, resolvi escrever sobre um deles (A Máscara de Ouro), por três razões principais: a primeira razão prende-se com o facto de unir a memória e o território, na figura do Abade de Baçal, patrono do meu Agrupamento de Escolas; uma segunda razão deve-se ao facto de ser um conto que faz pedagogia do simbolismo dos ritos de passagem; e a terceira porque, numa abordagem metafórica, nele subjaz a importância, tão atual e tão oportuna, do uso e simbolismo da máscara.

A toponímia ligada aos patronos das escolas e agrupamentos de escolas é, no meu entender, um grande e precioso motivo para conhecermos mulheres e homens que, pelo que fizeram e pelo que foram, mostraram ser credores do nosso interesse e admiração. Lembrá-los, enquanto exercício de memória, é reatualizar os seus feitos e aprender com eles as maneiras de habitarmos e tornarmos este mundo cada vez melhor; o Abade de Baçal é, seguramente, um desses exemplos.

Os ritos de passagem, a que o conto faz alusão, têm sido, desde sempre, a expressão comunitária de integração na idade adulta, e por via disso, na assimilação dos valores de plena cidadania. Pontuam o passar dos tempos e fazem memória comunitária das gerações naquilo que foi, que é e que será. Tornam a vida compreensível e plausível. Os ritos de passagem remetem para o fim e o recomeço e, na sua carga simbólica, transportam para o sagrado e o transcendente, marcando sempre a entrada numa nova vida. Rompem e marcam um corte no quotidiano, são um momento extraordinário na vida de cada um, pelo caráter único, festivo e fundamental. A memória destes ritos, faz a tradição, sem a qual não há corrente que ligue cada um de nós ao todo que nos rodeia.

Qualquer que seja o costume ancestral, dos sacramentos de iniciação cristã aos bar e bat mitzvah judeus (rituais solenes de assunção do vínculo filial e reconhecimento da aliança no espaço sagrado religioso), aos atos de coragem física das tribos africanas, passando pelos bailes debutantes da aristocracia e burguesia europeias (entrada na sociedade) ou viajando ao costume genuinamente transmontano da Festa dos Rapazes, desde sempre estes ritos tiveram uma extraordinária carga simbólica, envolvida num cerimonial grandioso e sublime.

Muitos desses ritos de passagem estabelecem uma simbiose profunda com a própria criação, num gesto que apela à contemplação e à gratidão, conferindo a cada um dos elementos uma função mediadora no espaço sagrado, como acontece com a água, elemento fundamental no conto: além da sua importância profunda no ato de purificação, torna-se o elo de ligação ao espaço interdito e regenerador. A fonte foi sempre um lugar ritualizado, desde o banho purificador à eternidade dada pela água sempre nova e sempre outra. A água une, vivifica e transforma.

A viagem a este conto, confronta-nos com um outro elemento de elevada importância simbólica: a máscara. O uso da máscara imprime ao rito o caráter misterioso e interdito. A máscara esconde ao mesmo tempo que revela. Por detrás da máscara mantemos a nossa individualidade e a nossa interioridade. Somos nós e mais ninguém. Talvez por isso o cristianismo tenha encontrado neste elemento o simbolismo supremo para o aprofundamento da noção de pessoa. Vivemos o tempo da máscara, porventura para nos fazer refletir que, mais do que nunca, devemos viver o tempo do “ser pessoa” (em todo o seu mistério, dignidade e transcendência).

Todos vivenciámos, nestes dias tão peculiares, a importância do olhar, agora feito protagonista. Estando a expressão facial escondida, o olhar assume-se, verdadeiramente, como o espelho da alma, porque não dissimula, não mente, mostrando com verdade o nosso ser e todo o nosso sentir. Com a máscara somos, paradoxalmente, mais verdadeiros e mais humanos, porque mostramos verdadeiramente quem somos.

 

Dina Pinto é professora de Educação Moral e Religiosa Católica no Agrupamento de Escolas Abade de Baçal, de Bragança.

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This