A minha paróquia está morta

| 16 Jun 2023

Homem a rezar numa igreja. Foto © Stefan Kunze / Unsplash

“Sr. bispo e caros padres, a minha paróquia está morta. Para quê tantos discursos e reuniões quando a minha paróquia, volto a dizer, está morta.” Foto © Stefan Kunze / Unsplash

 

Há dias, numa assembleia de vigararia duma determinada diocese de Portugal, onde estava o bispo diocesano, alguns párocos e membros do povo de Deus, faziam-se grandes reflexões sobre como viver hoje a fé e como dinamizar a nossa Igreja. Entre bonitos discursos e palavras de ocasião, tentava-se olhar para o futuro e ver o que se podia melhorar.

Depois de quase duas horas de bons discursos e de algumas conclusões, há uma senhora da assembleia que pede a palavra, para, com voz forte, dizer o seguinte: “Sr. bispo e caros padres, a minha paróquia está morta. Para quê tantos discursos e reuniões quando a minha paróquia, volto a dizer, está morta.” Todos ficaram caladinhos por uns instantes e um silêncio gélido tomou conta da assembleia.

Aqui está a pura verdade da nossa Igreja em Portugal. Não vale a pena andarmos de reuniões em reuniões a bater no mesmo, a procurarmos soluções onde estas já estão gastas e bolorentas. A querermos insistir numa pastoral de manutenção e de cuidados mínimos. A resumir a vida paroquial à celebração de missas, sem chama e sem vida, a sacramentos por sacramentos e a enterrar os mortos. E com imensas reuniões que não saem da cepa torta. Toda a gente está farta e cansada deste tipo de vida cristã e de pastoral.

Andamos em caminhada sinodal, a fazerem-se reuniões para se chegarem a umas determinadas conclusões e sugestões sem termos a coragem de ir ao fundo da questão.

Bispos, padres e leigos já não sabem mais o que fazer. E quando assim é, vai-se inventando aqui e acolá a ver se aguentamos o que resta.

O que fazer então?

Primeiramente é preciso ter muita humildade e coragem em assumir o estado de coisas a que chegou a nossa Igreja, sem rodeios e sem saudosismos. Depois, é preciso fazer o essencial: que se evangelize. Que haja coragem de incrementar uma nova evangelização nos conteúdos e nos meios. Apostar fortemente na reforma de muitas dimensões da nossa Igreja. Não queiramos continuar a teimar em colocar uma nova evangelização com meios velhos. Vinho novo em odres novos!

Precisamos de deixar esquemas que já estão ultrapassados pelo tempo e pela actualidade. Precisamos de levar o altar ao mundo dos homens de hoje. Deixarmos os nossos palcos e mordomias clericais e não ter medo de sujar as mãos e os pés junto do povo que caminha.

A exortação apostólica do Papa Francisco A Alegria do Evangelho, que tanta esperança trouxe para uma nova etapa missionária da Igreja, já foi arrumada numa gaveta e hoje cada paróquia navega à sua maneira.

Aconselho os que ainda acreditam numa renovação profunda da Igreja Católica, e sobretudo os nossos bispos e párocos que leiam e meditem o livro do padre canadiano James Mallon Uma Renovação Divina: de uma paróquia de manutenção a uma paróquia missionária.

Dizia a tal senhora: A minha paróquia está morta. E a tua?

 

Nuno Miguel Rodrigues é padre católico, da Congregação dos Missionários do Espírito Santo (Espiritanos)

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This