A minha vida daria um livro

| 30 Mai 2023

Estantes de livros. Foto © José Alves Jana.

“Nunca digam a um escritor que a vossa vida daria um livro.” Foto © José Alves Jana.

 

“A minha vida daria um livro” é a mais cómica das frases que se pode dirigir a um escritor.

Há dias, apanhei o Uber de Copacabana para a Barra Da Tijuca – para quem não conhece o percurso, posso esclarecer que demora, dependendo do trânsito, aproximadamente uma hora.

O condutor, para quebrar o silêncio da demorada viagem, perguntou que exposição ou filme eu ia ver à Cidade das Artes; respondi-lhe que ia para a apresentação do meu livro na biblioteca do recinto.

Depois de alguns comentários de admiração, perguntou-me se não queria escrever um livro sobre a sua vida.

Começou por me contar episódios da infância no México, da dificuldade que foi chegar ao Brasil e lutar para não morrer de fome, ou cair na vida do crime. Ouvi-o.

Quando, finalmente, parámos na Cidade Das Artes e saí do veículo despedindo-me, o senhor insistiu para que trocássemos números de telemóvel, e para que eu “pensasse bem”, que a sua vida daria um best-seller. Agradeci, sorri e fechei a porta.

Quem nunca disse “a minha vida daria um livro”? Os escritores e os leitores. Esses sabem que nenhuma vida, por mais esplendorosa que seja, se assemelha à literatura. E é para isso que existem os livros, para colorir o cinza.

Os escritores escrevem porque não lhes basta a sua própria história, porque cada um, por si só, é tão pouco comparado à imaginação de um mundo inteiro; os leitores leem porque a realidade não provoca o sonho, e viver sem sonhar é estar morto.

As vidas não dão livros, as vidas são esqueletos que a literatura vai pondo de pé página após página, nutrindo até ao fixar da carne e à formação de um corpo orgânico.

Todas as vidas dariam um livro se cobertas de imaginação para além do óbvio; a vida é superficial e finita, a literatura é profunda e permanente. Nenhuma biografia acontece sem ficção.

Nunca digam a um psicólogo que daria um bom psicólogo só porque gosta de conversar. Nunca digam que podiam ter sido médicos só porque conhecem as bulas de cor. Nunca digam a um advogado que daria um bom advogado só porque grita a favor dos injustiçados. E, acima de tudo, nunca digam a um escritor que a vossa vida daria um livro: correm o risco de cair em presunção e pôr a nu a ignorância literária.

A vida é para viver… a imaginação é para escrever.

Ana Sofia Brito começou a trabalhar aos 16 anos em teatro e espetáculos de rua; depois de dois anos na Universidade de Coimbra, estudou teatro, teatro físico e circo em Barcelona, Lisboa e Rio de Janeiro, onde actualmente estuda Letras.

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This