A Morte: leituras da humana condição – um congresso em Guimarães

| 7 Fev 19 | Sociedade, Últimas

Reflectir sobre o tema da morte convocando os saberes e as experiências da antropologia, das artes, ciências da saúde, comunicação, direito, ecologia, economia, filosofia, história, política, psicologia, sociologia, teologia, urbanismo e outros campos é o objectivo do I Congresso Internacional A Morte: Leituras da Humana Condição, que se realiza entre 21 e 24 de Fevereiro, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

O Instituto de Estudos Avançados em Catolicismo e Globalização (IEAC-GO), que organiza o congresso em parceria com Câmara Municipal de Guimarães, afirma pretender que a iniciativa ajude a equacionar o que pode acontecer a uma sociedade “em que a morte passa do estatuto de fundamento ontológico (um fenómeno natural) ao de simples contingência histórica (um evento a evitar a todo o custo)”.

Os cerca de setenta oradores – entre os quais muitos académicos, jornalistas e religiosos – apresentarão as mais distintas perspectivas sobre o tema, a começar por “as definições de morte”, estabelecidas por Sofia Reimão, professora de Imagiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e “morte e humor”, título da intervenção do humorista Ricardo Araújo Pereira, que intervirão na sessão plenária inaugural, até “a morte entre os povos Bantu de Angola – uma perspetiva antropossociológica”, assunto a tratar na conferência de encerramento por Victor Kajibanga, professor da Universidade Agostinho Neto, em Luanda, e presidente da Sociedade Angolana de Sociologia. Pelo meio, Luciano Manicardi, prior da comunidade monástica de Bose, em Itália, outro dos convidados estrangeiros, falará sobre “memória do limite: a condição humana na sociedade pós-mortal”.

O Congresso incluirá ainda três noites culturais, no auditório do Centro Cultural Vila Flor: no dia 21 passa o filme Wit – Uma lição de vida, com um debate coordenado pelo crítico Paulo Miguel Martins; dia 22, João Gil, Luís Represas e Manuel Rebelo interpretam a Missa Brevis; dia 23, será gravado o programa de rádio E Deus Criou o Mundo, da Antena 1. O dia 24 completa este âmbito, com três itinerários (histórico, ambiental e arquitectónico) de visitas culturais propostos pela câmara.

Programa completo e outras informações complementares podem ser encontradas aqui

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Fale connosco