A noite é dia para tanta gente

| 29 Ago 2023

Rapariga bebendo

“(…) às tantas agradeço o volume da música porque é da maneira que ninguém mete conversa – gosto de conversar, mas o barulho da noite rouba-me a paciência para conhecer gente.” Foto © Foundry Co / Pixabay

 

A noite é dia para tanta gente; até para mim, amante de manhãs cedo e despertares preguiçosos.

Mas foi a madrugada que me escolheu a profissão; as paredes negras, as luzes de fundo a desmentir o escuro das pistas, o fumo a fingir-se de nuvem como que para esconder quem dança mal, e a música alta, ah… altíssima como se de um bando de surdos se tratasse, em plena pista.

Danço sob o transe que é tudo isso; as pessoas aplaudem, gostam e admiram-se. O álcool ajuda na boa impressão que causo ao dançar entre as luzes, acompanhada por bolas, bastões, correntes, etcétera. Depois peço mais um Gin e sento-me no canto do bar, às tantas agradeço o volume da música porque é da maneira que ninguém mete conversa – gosto de conversar, mas o barulho da noite rouba-me a paciência para conhecer gente.

Por isso estou sozinha na mesa do canto, de admiração posta na cabine do Dj, os fones mal colocados como se tivessem a capacidade de escutar uma música diferente em cada tímpano, enquanto a cabeça balança e os dedos bailam sobre a imensidão confusa dos botões.

Termino o gin, olho o palco na frente da cabine, procuro a adrenalina necessária para mais uma sessão. Fecho os olhos e imagino que sou uma marioneta na mão do DJ – não gosto da música, mas é como se gostasse.

Não sei se gosto daquilo tudo, mas é como se gostasse. Os dançantes querem mais, em vão, o bar acende a luz, tudo acaba.

Depois chego a casa – feliz por não ter apanhado nenhuma operação Stop a caminho – e são cinco da manhã; a água do banho está quente e imagino que a adrenalina me escorre em jato pelas pernas abaixo rumo ao ralo; percebo que estou bêbeda e que trouxe comigo o volume da música dentro da cabeça. Olho a janela, o sol vai aparecer não tarda nada, o mar quieto vem esbranquiçar a areia no confronto com a praia, e adormece-me o barulho dentro da cabeça. Um homem passa na calçada, de cigarro aceso, deve ser um dos meus; parece que ele não gosta, mas é como se gostasse.

Do lado esquerdo da cama, o meu amor dorme há muito; resta-me olhar o escuro do quarto à espera do sono. Enquanto isso, vou-me perguntando por que carga d’água é que há gente que teima em tornar as noites em hipotermia.

Estou bêbada e cansada, não gosto, mas é como se gostasse. Ligo baixinho o rádio da cabeceira, enfio um fone no ouvido que dorme virado para cima e a Lacrimosa, de Mozart, devolve-me à sobriedade. O coração, aliviado, reconhece o peito em que se instala. Adormeço. A cidade desperta em breve e eu vou perder a manhã cedo.

 

Ana Sofia Brito começou a trabalhar aos 16 anos em teatro e espetáculos de rua; Depois de dois anos na Universidade de Coimbra estudou teatro, teatro físico e circo em Barcelona, Lisboa e Rio de Janeiro, onde actualmente estuda Letras. Autora dos livros “Em breve, meu amor” e ” O Homem do trator”.

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This