A Noite Escura da Fé: Luz de Inverno, de Ingmar Bergman

| 15 Jan 19

Luz de Inverno (Nattvardsgästerna, 1963) costuma ser agrupado com Em Busca da Verdade (Såsom i en spegel, 1961) e O Silêncio (Tystnaden, 1963), todos dirigidos por Ingmar Bergman. São três dramas espirituais que lidam com o silêncio de Deus. A narrativa de Luz de Inverno começa com a Oração Eucarística. O pastor luterano dirige-se ao altar de costas voltadas para a congregação. Ouve-se o “Pai Nosso” e vê-se a paisagem lá fora. As imagens são planimétricas, frontais ou de perfil, com mudanças de 180 ou 90 graus na posição de câmara. Mas vão deixando de ser. A deslocação do ponto de vista reflecte o contraste e a mistura entre a ordem do ritual religioso e a desordem da vida humana. Durante a celebração, uma criança olha o tecto, enfastiada, e a avó diz-lhe para olhar em frente e fechar as mãos. Também o organista consulta o relógio. A vivência da fé cristã parece ter-se transformado numa rotina sem significado.

Depois da Eucaristia, o pastor Tomas Ericsson (Gunnar Björnstrand) recebe o casal Persson (Max von Sydow e Gunnel Lindblom). Jonas Persson está preocupado e sente-se perdido, à beira do suicídio. “Devemos confiar em Deus”, diz o guia espiritual sem convicção e acaba por admitir que Deus parece estar longe, que não sabe o que dizer. Tomas está fraco, doente, talvez tenha gripe. A professora Marta Lundberg (Ingrid Thulin) oferece-se para o ajudar, mas ele parece incomodado com a oferta. Ela explica-lhe que comungou porque queria participar na festa do amor. Ele ainda não leu a carta que ela lhe enviou, nem parece querer casar com ela. Os relógios vão marcando a passagem do tempo, assinalando o “silêncio de Deus” que se prolonga e o aflige. “Deus não fala porque Deus não existe”, afirma Marta. A aflição dela não é menos visível do que a dele. Ela aconselha-o a aprender a amar. Ele pergunta-lhe se ela lhe pode ensinar isso. Não.

Finalmente, Tomas lê a carta. Ouvimo-la quase toda da boca de Marta numa posição frontal. Ela questiona se ele acredita no poder da oração. No Verão passado, ela tinha as mãos em ferida por causa de uma comichão terrível e disse-lhe para ele rezar. Mas as feridas assustaram-no. Foi ela que rezou intensamente sobre a sua situação para lhe encontrar sentido e ter claridade mental. E assim foi. Viviam juntos sem amor. A comichão alastrou e ele afastou-se. Ela nunca partilhou a fé que ele dizia que tinha nem percebeu a indiferença dele em relação a Jesus Cristo.

Tomas é viúvo há quatro anos. A vida dele só continua porque ainda sente que é útil para os outros, embora a realidade não o confirme. Na segunda conversa com Jonas, ele confessa o seu egoísmo: o amor que tem por si próprio é maior do que o amor que tem à humanidade. Imaginou um deus protegido dos problemas da vida para que a divindade não se tornasse monstruosa. As reflexões em voz alta do pastor são insuportáveis: “Se Deus não existe faz alguma diferença? A vida torna-se compreensível. Que alívio! E a morte será apenas o abandono da vida. A dissolução do corpo e da alma. Crueldade, solidão, e medo – todas estas coisas seriam evidentes e transparentes. O sofrimento é incompreensível. Não precisa de explicação. Não há criador. Nenhum sustentador da vida. Nenhum desenho.” Jonas engole em seco e sai, desesperado, anunciando a tragédia. A luz que ilumina a parede de fundo ganha intensidade e recorta o rosto carregado de Tomas que ocupa todo o ecrã. “Deus, porque me abandonaste?”, pergunta ele (como em Mateus 27,46 e Marcos 15,34, a partir do Salmo 22). A crise existencial e de fé dele é assim colocada em paralelo com o percurso de Cristo. Marta consola-o junto ao altar enquanto o beija.

 

Melhor com gemidos do que com palavras

Mais de metade de Luz de Inverno passa-se dentro da igreja, até Tomas se dirigir ao local onde Jonas se matou e acompanhar Marta à escola onde ela trabalha. Numa sala de aula, ele evita a atenção dela. Quer estar sozinho. Sente-se humilhado pelos boatos e rejeita-a com crueldade. Marta observa que Tomas tem uma relação de ódio consigo mesmo, mas ele não a quer ouvir. Esmagado entre o amor e o ódio por si próprio, Tomas visita Karin Persson para lhe dar a má notícia. Acentua-se um padrão comum a todas as personagens: em vez de olharem olhos nos olhos, atiram solitariamente o seu olhar para longe, para fora do campo. Quando, logo a seguir, o pastor regressa à igreja, desenrola-se uma das cenas mais importantes do filme.

Algot (Allan Edwall), um padecente sacristão, esteve a ler os evangelhos de forma devota e pergunta a Tomas se o foco no sofrimento de Cristo, a ênfase na dor física, não é errado. Segundo ele, o tormento deve ter sido breve, não durando mais do que quatro horas. Algot sente que Cristo se sentiu atormentado de outra maneira. No Getsémani, os discípulos adormeceram sem ter percebido o sentido da última ceia e, quando apareceram os guardas, Pedro negou-o, e fugiram, e todos o deixaram. Isso deve ter sido muito doloroso. Pendurado, Cristo disse “Deus, Deus porque me abandonaste?”, chorando o mais alto que conseguiu. Pensou que tinha sido abandonado. Pensou que tudo o que tinha dito era mentira. Momentos antes da sua morte, Cristo foi assaltado pela dúvida. A maior dor dele foi o silêncio de Deus. Compenetrado, o pastor concorda.

O cinismo do discurso sobre o amor do embriagado organista Fredrik (Olof Thunberg) contrasta com os sentimentos profundos de Marta na sequência final. Ambos estão sentados num banco da igreja. Quando ela fica sozinha, ajoelha-se e reza: “Se nos sentíssemos seguros e ousássemos mostrar ternura um pelo outro. Se tivéssemos alguma verdade para acreditar. Se conseguíssemos acreditar.” Esta última frase é rezada sobre o rosto fechado e pensativo de Tomas, que depois abre os olhos e levanta a cabeça. Que força esta que lhes permite acreditar que podem acreditar? A celebração começa com as quatro pessoas presentes, vulneráveis, feridas, crentes porque presentes.

A tradução literal do título original seria “Os Comungantes”. A participação na comunhão é o centro do filme, vista no princípio e antecipada no fim. Na “Carta a Proba”, Santo Agostinho escreveu que “muitas vezes o fruto da oração alcança-se melhor com gemidos que com palavras, mais com lágrimas que com discursos. Como diz o salmo, Deus recolhe as nossas lágrimas e não Lhe são ocultos os nossos lamentos.” A relação entre a fé e o sofrimento incorpora o pensamento e a vivência de Deus na vida quotidiana e concreta. Como diria São João da Cruz, estas personagens movem-se do conhecido para o desconhecido, da luz do dia para a noite escura da fé.

 

Sérgio Dias Branco é professor de Estudos Fílmicos na Universidade de Coimbra e leigo dominicano

Breves

Boas notícias

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Encontro de Taizé em Rostock

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Mário Reis nunca tinha ouvido um aplauso tão longo em toda a sua vida, em nenhum dos concertos aos quais foi até hoje, em nenhuma das peças de teatro às quais assistiu, nem tão-pouco no final de algum discurso que tenha escutado. No dia em que ouviu esse aplauso, ou melhor, nessa noite, Mário não estava em nenhum espetáculo ou conferência inspiradora: estava numa oração ecuménica, mais propriamente no Encontro Europeu de Taizé, que decorreu de 28 de dezembro a 1 de janeiro na cidade de Rostock, numa das regiões mais secularizadas da Alemanha.

Outras margens

Cultura e artes

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Dia 28, em Lisboa

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Será um concerto que cruza o canto gregoriano com música portuguesa do século XVII, mas que pretende preparar também uma visita de estudo a Roma: no próximo sábado, 28, às 17h, na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, 22 alunos da Escola Artística e do Consort de Flautas de Bisel do Instituto Gregoriano de Lisboa (IGL) cantarão gregoriano e executarão obras de compositores como Manuel Rodrigues Coelho, António Carreira, Pedro de Araújo ou Pedro de San Lorenzo, transcritas para flauta.

Pessoas

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos

Ouellet sai prestigiado e ferido

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos novidade

Depois de 12 anos à frente do poderoso Dicastério para os Bispos, o cardeal canadiano Marc Ouellet acaba de ser substituído no cargo de prefeito por Robert Francis Prevost, um missionário da Ordem de Santo Agostinho e desde 2015 bispo da diocese de Chiclayo, no Peru.

Sete Partidas

O livro que ele não escolheu

O livro que ele não escolheu

E esse homem que lê o livro que não escolheu. Derrama a imaginação no sarcasmo do travesseiro que é degrau de livraria. Então eu sei que o livro é pai e mãe, e voz serena para embalar quem vai dormir. Só que o sono não chega porque a serenidade não cabe nas páginas de quem continua preta.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Não esqueço de modo nenhum o tempo de companheirismo de ano e de turma, desde a idade dos 14/15 anos, no seminário de Almada prolongando-se depois pelo dos Olivais, ao todo num período de nove anos. O Luís evidenciava-se pela inteligência, sem nunca fazer disso pedestal para sobressair; sempre a cumplicidade alegre, brincalhona e solidária com todos os colegas. E assim foi crescendo, evidenciando-se sempre sem nunca deixar de ser o mesmo.

Eutanásia numa sociedade pluralista

Eutanásia numa sociedade pluralista

A eutanásia nada mais é do que o cumprimento da vontade soberana do indivíduo de querer pôr termo a uma vida que, pelas mais variadas razões, considera destituída de sentido. A legalização da eutanásia revela tão-só o respeito do Estado pela autonomia individual e a garantia de que o indivíduo terá todo o apoio necessário para que a sua vontade soberana se possa cumprir.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This