A nuvem do não-saber: “Quanto mais o leres, melhor o compreenderás”

| 22 Ago 2020

“O conhecimento mais divino de Deus é o que se alcança pela ignorância.”
(Pseudo-Dionísio Areopagita)

“Débil e miserável, ergue o teu olhar e repara no que és (…) nunca te julgues nem mais santo nem melhor; antes mais desgraçado e maldito.”

No Prólogo, o Autor anónimo desta obra enumera quem não deve ler o livro: “os bajuladores, os tagarelas carnais, os linguareiros, os detractores, os que espalham boatos, e toda a espécie de críticos e de curiosos”. Exceptuam-se “os activos (…) tocados pelo espírito de Deus”.

Antes de se aplicar ao “trabalho” da contemplação, a pessoa deverá “seguir os preceitos da Igreja e ser aconselhada por um director espiritual: (…) se alguém pretender chegar à contemplação sem antes passar muitas vezes por doces meditações sobre a própria miséria, sobre a Paixão, sobre a bondade, a grande benevolência e a dignidade de Deus, cometerá certamente um erro e falhará no seu propósito. (…) Deus me livre de separar o que Ele uniu, ou seja, o corpo e o espírito. Deus quer que O sirvamos de corpo e alma, como é nossa obrigação. (…) Vida activa e contemplativa praticam-se mutuamente. A primeira são as práticas da caridade e da misericórdia”; a segunda são “as meditações espirituais salutares”. “Busquemos a Deus de todo o coração.”

O autor pede ao praticante da contemplação que louve Deus em silêncio, “no próprio ser nu de Deus” (Nota do Tradutor: “Deus desprovido de imagens e conceitos”) e que siga “fervorosamente o impulso humilde” do seu coração.

Se o “impulso” para praticar a contemplação é frequente, “então poderás dedicar-te à contemplação”. Interessa que a “chamazinha” não esmoreça: “os desejos santos aumentam com o afastamento; mas se com este diminuem, nunca foram desejos santos” (S.Gregório).

Quem inicia esta prática encontra “escuridão”, como que “uma nuvem de desconhecimento”, isto é, “nuvem de não-saber”, “de ignorância entre ti e o teu Deus”. Citando Lino Moreira, O.S.B. (baseando-se nesta obra e noutras congéneres, na conferência proferida pelo tradutor no decurso da XXXI Semana de Estudos Monásticos, Salamanca, 2007), o praticante deverá permanecer na escuridão, “o mais que puderes, clamando sempre por Aquele que amas. (…) Assim como tal nuvem se encontra em cima, entre ti e o teu Deus, assim deves colocar em baixo uma nuvem de esquecimento, entre ti e todos os seres criados. (…) Numa palavra, todas as coisas se devem ocultar sob a nuvem do esquecimento. O contemplativo deve, pois, renunciar a todo o pensamento analítico, mesmo aquele que tenha Deus por objecto.” Diz o anónimo: “…Tudo aquilo em que pensas está por cima de ti, no momento de o pensares, interpondo-se entre ti e o teu Deus, e assim tu estás longe d’Ele na mesma proporção em que houver na tua mente alguma coisa mais para além d’Ele.”

Se se continua a praticar, “é Deus” que “incita, é a sua Graça” e não o esforço intelectual do praticante.

É natural que os pensamentos venham à tona durante a prática – sobretudo no início. Por isso é importante a humildade, a paciência, a insistência. Para os afastar, o autor anónimo diz para se murmurar com os lábios ou só com o pensamento uma pequeníssima palavra: “Deus, Amor”, por exemplo, “com muito fervor e humildade” e lentamente se regressará à concentração. “Prende esta palavra ao coração (…) é o teu escudo, a tua lança, na paz e na guerra”. Pouco a pouco, “ligando-te a Ele pelo amor e pela fé”, repousar-se-á facilmente. Mas se mesmo assim não se conseguir, “cai prostrado diante deles [pensamentos] como pobre cobarde vencido em batalha.” Entregar-se a Deus, ter consciência da nossa “miserável condição”, é fundamental. Então poderá acontecer que Deus envie ao praticante “um raio de luz que trespasse a nuvem do não-saber interposta entre tu e Ele. Mas quanto a isto, o autor “não ousa pronunciar-se”.

“Cuidado com o orgulho!”. Deus é que labora, não o praticante. A alguns é concedido mais rápido do que a outros, “furar” um pouco a nuvem, mas Deus é que sabe. “O amor casto são as consolações – doces sentimentos e lágrimas.”. “Mas só Ele é que sabe, não eu”, repete o autor.

“Esforça-te, pois, por laborar no nada… Rejeita os teus sentidos externos. (…) Aplica-te ao trabalho de que falo, sem pausa nem discrição… liberta-te sobretudo da consciência de ti mesmo. Todavia, sem uma graça muito especial concedida por Deus e sem capacidade para receber essa graça, nunca chegarás a destruir a consciência de ti mesmo.”

Citando novamente Lino Moreira, na conferência já referida: “Mas em que consiste esse esforço? (…) calcar aos pés a memória de todas as criaturas de Deus, mantendo-as sob a nuvem do esquecimento. (…) Podemos concluir, então, que na óptica do seu autor, a contemplação é perfeito esquecimento de si e perfeita caridade. Com efeito, ao chegar aos mais altos cumes da contemplação, o orante já nem sequer está consciente da sua própria essência individual e a sua vontade encontra-se inteiramente livre, para que Deus suscite nela uma cadeia ininterrupta de impulsos de amor. Tais impulsos, por seu lado, constituem a mais perfeita forma de caridade, pois em cada um deles o contemplativo nada mais faz do que amar a Deus por Ele mesmo, sobre todas as criaturas, e amar o próximo como a si mesmo, por causa de Deus.”

Segundo o tradutor, que tenho vindo a citar, a “discrição é a via para se chegar à contemplação. (…) em sentido espiritual, [aquela] é o juízo da razão a respeito do bem e do mal. (…) Existem na alma vários afectos: amor e ódio, alegria e tristeza (…) a discrição – como diz Cassiano – é a geradora, a guarda e a moderadora de todas as virtudes”, pois é ela que transforma os afectos em virtudes e os faz permanecer como tais. “Para alcançar a discrição, duas coisas são necessárias: (…) praticar durante muito tempo cada uma das virtudes (…) e por outro, submeter-se à direcção espiritual. (…) A [discrição] é uma espada afiada que serve para abater os maus impulsos (…) e para isso é necessário discernir a origem dos pensamentos”. Ou seja, analisar se estes são inspirados por Deus ou pelo “espírito do mal”. “(…) À medida que a alma vai triunfando dos maus impulsos, que tem origem nos pensamentos, o fruto que se obtém é o auto-conhecimento.” Por isso se diz que “a discrição é a via para chegar à contemplação, uma vez que é pelo conhecimento de si mesmo que o homem chega ao conhecimento de Deus.”.

O que aqui fica escrito, por mim, é muito incompleto e é fundamental ler toda a obra com muita atenção. O autor da Nuvem do Não-Saber aconselha a ler o livro várias vezes, aos que se interessarem pelo seu conteúdo: “Quanto mais o leres, melhor o compreenderás”. Siga-se, pois, este conselho.

No Prólogo, escreve-se que esta obra não deve ser lida nem transcrita a ninguém. Espero que o autor me perdoe. Os meus agradecimentos ao tradutor, Lino Moreira, monge da Ordem de São Bento (O.S.B.) que muito me elucidou, através da conferência citada, acerca desta obra complexa.

 

A Nuvem do Não-Saber
(Autor anónimo, inglês, dos fins do séc. XIV)
Tradução e notas de Lino Moreira, O.S.B.
Ed. Documenta, 192 pág.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This