A obra de arte de Alan Turing

| 1 Ago 19 | Entre Margens, Newsletter, Últimas

Foram os resquícios da mentalidade vitoriana que levaram a Inglaterra a sacrificar cruelmente um dos seus maiores. E um certo rasto puritano pontificou durante séculos em terras de Sua Majestade

 

Em 1952 a homossexualidade ainda era proibida no país, o que levou o cientista Alan Turing a ser processado, aos quarenta anos de idade, e condenado por “indecência grosseira”. Entre ficar preso ou submeter-se à castração química, à força de estrogénio, optou por esta, mas foi igualmente banido da vida académica, tendo sido ostracizado pela sociedade e pela academia. Impedido de viajar, leccionar ou fazer investigação, não aguentou e passados dois anos suicidou-se, comendo uma maçã na qual injectara previamente cianeto.

A perseguição e tortura que sofreu não foram diferentes das de qualquer outro cidadão britânico homossexual. Apesar disso, esta foi a mente brilhante que conseguiu decifrar o complicado código nazi Enigma, permitindo que as tropas aliadas pudessem interceptar as mensagens alemãs e localizar os respectivos submarinos durante a Batalha do Atlântico, nos anos da II Guerra Mundial. Estima-se que a sua acção tenha encurtado o conflito em dois anos e poupado 14 milhões de vidas humanas.

De resto, foi a equipa de Turing que conseguiu desmascarar um espião português ao serviço dos alemães – Gastão Crawford de Freitas Ferraz, natural do Funchal, e funcionário da Marconi – aliciado em Lisboa a troco de 1500 escudos mensais, quatro vezes mais do que o salário médio em Portugal na altura, e que se alistou no navio-hospital Gil Eanes como radiotelegrafista.

Segundo José António Barreiros, que tem obra publicada sobre a espionagem na II Guerra Mundial: “A sua localização foi concebida graças à radio-escuta das comunicações alemãs, que apesar de criptografadas pela máquina Enigma, foram descodificadas em Bletchley Park por uma equipa de que o mais proeminente elemento foi Alan Turing. Tratava-se de informação de tal modo secreta que a sua fonte era indicada nos documentos que se produzissem como ULTRA”. Alertados os serviços secretos britânicos, a Royal Navy deteve o espião português em alto mar e fê-lo desembarcar em Freetown (Canadá) a 1 de Novembro de 1942, desconhecendo-se o seu destino posterior.

Só em 1967 foram descriminalizadas as relações entre homens adultos em Inglaterra e no País de Gales, a que se seguiu a Escócia, em 1980, e a Irlanda do Norte em 1982.

Mark Carney, actual governador do Banco de Inglaterra, referiu o trabalho do cientista: “Alan Turing foi um excelente matemático cujo trabalho teve um enorme impacto na forma como hoje vivemos. Como pai da ciência da computação e inteligência artificial, bem como herói de guerra, as contribuições de Alan Turing foram muito variadas e inovadoras. É um gigante em cujos ombros estamos tantos”. De facto, Turing desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento dos primeiros computadores, tanto no âmbito do Laboratório Nacional de Física como depois na Universidade de Manchester, sendo por isso considerado o grande pioneiro da computação moderna.

O puritanismo marcou a Inglaterra durante séculos, e a mentalidade vitoriana permaneceu presente na sociedade até ao século XX. A supremacia europeia, a pulsão imperial e uma religião ao serviço do poder moldaram toda uma sociedade, que só a Modernidade veio questionar.

A mais do que justa reabilitação de Alan Turing chegou apenas em 2014 através dum “perdão real”, sendo agora o matemático um herói oficial da coroa britânica. A mesma Inglaterra que o amaldiçoou vai andar no bolso com ele, a partir de 2021, nas novas notas de 50 libras, que exibirão o seu rosto e uma frase que revela a sua genialidade: “Esta é apenas uma antecipação do que está por vir, e apenas a sombra do que será” (retirada da entrevista concedida ao The Timesem 1949). A justificação do decisor desta escolha histórica é o desejo e a necessidade de representar “todos os aspectos da diversidade dentro do país, de raça, religião, credo, orientação sexual, deficiência e além.”

Até agora só o símbolo da tecnológica Apple, uma maçã com um pedaço a menos, homenageava Alan Turing como o pai da informática, numa referência clara à sua morte, e mais recentemente a obra de Andrew Hodges Alan Turing: The Enigma, entretanto adaptada ao cinema em 2014 e que ganhou o Óscar de Melhor Argumento Adaptado.

Zygmunt Bauman (A Arte da Vida, Lisboa: Relógio D´Água, 2017) diz com razão: “As nossas vidas, quer o saibamos ou não e quer o saudemos ou lamentemos, são obras de arte”.Foi o caso de Alan Turing, apesar de as pinceladas negras da perseguição e da tragédia fazerem parte do quadro.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós novidade

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco