Festival em Arraiolos

A obra de arte total, a herdade sustentável e o quarteto de cordas para o fim de semana

| 30 Jun 21

QuartetAlfama_créditos Jessica Hilltout

Quatuor Alfama, um agrupamento de cordas belga, fundado em Bruxelas, em 2005. Foto © Jessica Hilltout.

 

Da “obra de arte total” que é a Igreja da Misericórdia de Arraiolos a uma resposta sustentável às alterações climáticas, com a música de Haydn e Schubert a servir de banda sonora, o festival Terras sem Sombra apresenta mais um fim de semana com uma programação que pretende revelar “o melhor do Alentejo”.

No sábado, 3, e domingo, 4 de julho, a proposta para Arraiolos inicia-se (às 15h00 de sábado) por uma visita guiada à Igreja da Misericórdia, que é um “expoente do Maneirismo e do Barroco no Alentejo”, e descobrir-lhe “as minúcias e peculiaridades” desta igreja, pela mão do historiador Rui Lobo e do historiador de arte José António Falcão.

O Cineteatro de Arraiolos abre as portas a um concerto de entrada livre, na noite de sábado (21h30), e com um programa inteiramente dedicado a Haydn e a Schubert, pelo Quatuor Alfama, um agrupamento de cordas belga, fundado em Bruxelas em 2005, e que a organização apresenta como tendo “um amplo e fecundo curriculum no âmbito da exploração e do aprofundamento de distintos repertórios, que se estendem do universo da música clássica às vanguardas contemporâneas”.

Pela manhã de domingo (9h00), o festival preparou uma atividade de “salvaguarda da biodiversidade”, com a apresentação de um caso na agricultura tradicional alentejana, inserido nos “sistemas de agricultura mediterrânica”, e que, neste caso da Herdade das Oliveiras, respondem de forma sustentável às alterações climáticas.

A informação mais detalhada sobre esta programação pode ser lida na página de Facebook do festival.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This