A origem do mal

| 15 Mai 2021

Furnas, Açores, António José Paulino

“O mal parece existir no nosso mundo, apenas porque o bem não está garantido.” Foto: Furnas, São Miguel (Açores) © António José Paulino.

 

De onde vem o mal, se só a alma é real? De onde vem o mal, se só o Ser é real? O mal parece existir no nosso mundo, apenas porque o bem não está garantido. Quer dizer, no plano humano, o bem exige um luta e conquista permanentes. O nosso mundo, o mundo humano, o mundo que é a existência humana em projeto, está incompleto, inacabado como o próprio ser humano. Mas o sentido é o bem, é sempre essa, em última análise, a intenção, a finalidade do agir humano – sempre um certo bem, como diria Aristóteles. Porque só o bem é real, só o bem é absoluto, fim em si próprio.

O mal será, no máximo, aguilhão para o bem (nunca meio), mas nunca fim em si mesmo. O bem é ser, aquilo que é, natureza e destino do universo (no sentido de totalidade do real ou Todo). O facto de tomarmos consciência do chamado “mal radical”, como por exemplo o Holocausto, paradigma moderno do “mal absoluto”, revela precisamente o cárater hiperproblemático do “mal radical” para o espírito humano. Somos levados à pergunta radical: “como foi possível?”, precisamente porque só o bem nos parece absoluto ou radical, nunca o mal.

No mais fundo das nossas consciências clamamos por justiça, exigimos justiça, para os inocentes de todas as guerras, holocaustos, catástrofes e doenças. Com Kant, queremos acreditar que esta exigência pungente do bem, da justiça em nós (reflexo do Bem Absoluto em nós radicado), implica logicamente uma resolução final, escatológica, em que a justiça necessariamente prevalecerá, no além ou no fim dos tempos. O mal não pode ter a última palavra. Pois, e precisamente evoluímos moralmente porque não acreditamos, nem podemos permitir, que o mal tenha a última palavra – eis a força do bem absoluto que nos motiva. Eis o que pode configurar-se como o sentido de uma vida inteira, de um indivíduo, de uma sociedade ou de uma civilização – a persecução do bem, do justo, do verdadeiro.

De facto, para a existência humana, não há outro bem mais passível de conferir brilho e sentido à vida do que a perseguição do bem, nada tão passível de gerar esperança. Muitas vezes – e tem sido assim ao longo da história do pensamento –, considerou-se o mal como a prova definitiva da inexistência de Deus. É esse o fundamento, para muitos, do ateísmo. Mas não se compreende que o entendimento e a consciência do mal dependem da consciência do bem, e uma consciência “radical” do mal depende, necessariamente, de um radical sentido do bem. E é a origem deste sentido que é preciso valorizar, mais do que o mal. Ora, negar a existência de Deus – i.e. do Absoluto Bem – por causa do mal, é tornar este num ídolo, quer dizer, atribuir-lhe um caráter absoluto que ele não possui.

É que, volto a sublinhar: não tomamos consciência do “mal radical” por causa do “mal radical”, mas por causa do bem – ele sim, de facto, radical – que constitui a nossa natureza e, por isso mesmo, constitui a nossa bitola moral. Tornar o mal num absoluto é gerar um antideus, precisamente quando se pretende refutar Deus. Assim, facilmente se esquece, precisamente, esse bem que se impõe radicalmente a partir de nós, que é o único a priori, e sem o qual a consciência do mal seria impossível. Ou seja, o mal, por mais radical que pareça, não pode refutar absolutamente o absoluto do bem supremo – muito pelo contrário, prova-o pela negativa, do mesmo modo que a existência da noite prova a existência da luz do dia, desde que reconheçamos que, sem o conhecimento da segunda, não chegaríamos ao conhecimento da primeira.

 

Reclamar contra Deus?
Marc Chagall, Jacob e o anjo

Marc Chagall, A luta entre Jacob e o Anjo. Direitos reservados

Podemos continuar a perguntar-nos: mas porque permitiu Deus a existência do mal? Podemos eternamente reclamar contra Ele por causa disso. Mas não podemos, ou não devemos, acusá-lo de ter permitido que o mal tivesse a última palavra. De facto, não tem, ou a vida humana não teria qualquer sentido. Se absolutizarmos o mal e virmos nisso um argumento para o niilismo e o pessimismo, não estamos a fazer mais, com efeito, do que colaborar com o mal. Estamos a torná-lo definitivo, estamos a dar-lhe a última palavra no sentido radical do mundo.

O mal pode chocar-nos, pode paralisar-nos e até tirar-nos toda a esperança. Mas nem por isso o bem foi suprimido da existência. Pelo contrário, ele está sempre presente, sempre em nós, não podemos escapar-lhe. É mais íntimo de nós do que nós de nós próprios. A palavra do bem será sempre a última.

Em síntese, e reformulando, a existência do mal não constitui refutação definitiva do bem. Tal seria absolutizar o mal, o que entraria em contradição com a suposta tentativa “agnóstica” ou “niilista” de refutar Deus, i.e., o bem como absoluto. Pelo contrário, a consciência pungente do mal, sobretudo do chamado “mal radical”, revela o enraizamento e a anterioridade profunda do bem em nós e na realidade. Só o bem surge como radical.

No entanto, é inegável que o mal surge como um mistério, um problema insolúvel, um espinho nas nossas carnes, especialmente se é radical – nomeadamente tudo o que é sofrimento ou morte de inocentes, especialmente crianças. Mesmo que não o concebamos como um absoluto, i.e., como uma realidade autónoma e autossubsistente, mas tão-só como ausência e negatividade – como de resto defendia Santo Agostinho –, tal só por si não o torna menos problemático. Precisamente porque o bem radical que nos habita nos impede de o justificar, de lhe encontrar um lugar coerente e não-contraditório na ordem geral do mundo.

Aliás, o bem exige que não justifiquemos o mal radical. E talvez isso mesmo esteja bem, quer dizer, talvez seja isso mesmo que uma ordem justa do mundo deva ser. É que tal possibilidade de justificação tiraria ao mal a sua problematicidade, normalizando-o, neutralizando assim a pulsão humana oposta, que é a da realização do bem. A evolução ética da humanidade, que depende em parte deste movimento de resistência e superação do mal, ficaria assim comprometida e estagnada. O mal não tem de ser explicado, apenas combatido. O mal não tem de ser compreendido, apenas superado (refiro-me ainda e sempre ao “mal radical”).

O mal (algo nos diz) não é natural. Ou noutras palavras, não é humano. Daí a radical e gritante problematicidade do inumano. E no entanto, ele obriga-nos a tomar consciência, a refletir, a despertar para a profundidade do humano. Se não se pode explicar o mal, contorná-lo ou simplesmente suprimi-lo, tem de se ir mais fundo, à própria raiz do humano, aprofundando a sua compreensão. É preciso resgatar a alma do Homem das profundezas (ou das alturas, que é o mesmo) onde se encontra. É que está em jogo nada mais nada menos do que o sentido último da existência.

 

A existência incompleta, inacabada da vida humana
Auschwitz; Holocausto

“Porque permite Deus o mal? Pergunta à qual não sabemos responder…” Foto: óculos das pessoas assassinadas no campo de extermínio de Auschwitz Birkenau (1941-1945). © Paweł Sawicki, Auschwitz Memorial

 

Poderíamos até, racionalmente, conceber o mal como natural, ou pelo menos como integrando a coerência global da ordem do mundo. Mas este esforço estóico – em todos os sentidos – de adequação racional, embora possa ajudar a suportar o mal, sobretudo o mal pessoal, não nos liberta completamente do sentimento radical de injustiça e da perceção do inumano como inumano, i.e., como contradição não-natural. É, na verdade, um lenitivo muito fraco.

Metafisicamente, abstenhamo-nos pois de tentar explicar o mal, visto que não temos acesso ao ser metafísico (não, pelo menos, com um nível normal de consciência); e muito menos podemos esperar que a nossa lógica possa, só por si, abarcar toda a circulatura racional do universo, para assim desatar a contradição essencial. Procuremos antes explicar o bem, aprofundar a sua compreensão, ter uma visão dele cada vez mais clara, para que estejamos cada vez mais habilitados a cumprir o nosso destino de acordo com o infinito que nos habita. Se o mal não existe para ser explicado, e muito menos justificado, é porque o que é verdadeiramente essencial não é justificar o mal, mas antes tornar o bem cada vez mais explícito e real nas nossas existências. Porque esse constitui o caminho da nossa realização.

Porque quis Deus assim? Porque permite Ele o mal? Velhas questões às quais não sabemos responder, e provavelmente não temos de saber. A existência incompleta, inacabada da vida humana é feita da massa do sofrimento, mas também da alegria e da esperança. Quanto mais sabemos, quanto mais aprofundamos a consciência acerca do universo e do mistério radical que a própria existência constitui (não só pessoal, mas da totalidade do Ser), não é o mal que nos fascina, mas o bem, através da beleza inefável desse mistério.

Tudo o que é realmente belo, tudo o que nos espanta e assombra, tudo o que é sublime, nos fala de esperança. O mal, se absolutizado, conduz-nos, como problema, a um beco sem saída. Nele não há nenhuma esperança, nem nenhuma virtude, a não ser a de apontar para o verdadeiro problema e único mistério verdadeiramente radical, situado no limite da interrogação – o da própria existência e o seu sentido. Pela recondução a este problema realmente essencial e interessante para nós, há de facto lugar para a esperança que sempre emerge da contemplação de um Mistério radical.

Quando levamos a interrogação ao limite do possível, ao limite do próprio fundamento, razão e sentido do existir enquanto tal (i.e., do haver algo em vez de nada), a interrogação torna-se, de certa forma, também uma resposta. Precisamente porque, ao conferir mistério a todas as coisas, tornando-as problemáticas até ao limite do possível, nos diz que o dado, o “normal”, e, em boa verdade, tudo aquilo que julgamos absoluto embora seja meramente relativo, não têm nem podem ter a última palavra – daí um novo olhar sobre o mundo e uma esperança renovada.

O grande problema não é, enfim, o de justificar o mal, o que talvez não seja nem possível, nem desejável, como vimos, mas o de justificar a vida. Aqueles que julgam que podem declarar a morte de Deus por causa do mal “absoluto” deitam fora a possibilidade de justificar a vida. No final, resta-lhes ainda o mal como absoluto (apesar de terem declarado a morte do Absoluto por excelência), mas todo o bem lhes parece relativo. E assim, o mal vence. Só este lhes parece real, roubando-lhes a esperança de encontrar um bem positivo, afirmativo, para a vida.

A atitude que devemos seguir é esta: o mal é real, mas o bem é mais real ainda. O mal existe, mas o bem é a própria Existência. O mal não tem justificação, mas há Algo que, em absoluto, tudo justifica. Não é o mal que temos de compreender, mas a vida. O mal só exige uma resposta verdadeiramente humana – o bem. O bem, apesar de não explicar o mal e a sua origem, dá sentido à existência. Quanto maior e mais profundo for o bem, maior o sentido – e também maior a liberdade. Este é o verdadeiro destino da nossa evolução ética, indissociável da evolução da própria consciência, cada vez mais profunda e capaz de uma visão desimpedida do Bem.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This