A pacifista Mafalda e as armas nucleares

| 22 Jan 2021

As armas nucleares foram um sério e persistente motivo de preocupação para Mafalda, a menina criada por Quino. Em várias circunstâncias, a pacifista Mafalda partilha um medo mundialmente vivenciado durante o período da Guerra Fria, mostra a irracionalidade da escalada armamentista e enaltece a paz.

O relevante papel de Mafalda – ou, se se preferir, da tomada de posição de Quino – para a construção de uma consciência comum contra o belicismo é amplamente reconhecido e foi objecto de diversos trabalhos universitários.

A aparente inocência infantil de Mafalda dissimula uma argutíssima observadora das pequenas questões quotidianas e dos grandes problemas do mundo. Com uma sofisticada ironia, a simpática Mafalda, que não gosta de comer sopa, fala-nos ainda hoje de grandes temas como, por exemplo, a discriminação da mulher, os abusos do poder, designadamente político, ou os malefícios do capitalismo.

Perante cada problema, Mafalda oferece uma receita simples para o resolver. Esse apelo à simplicidade e ao bom senso é ainda hoje um modo avisado de promover o bem comum e de resistir a tudo o que o possa prejudicar ou impedir.

 

No final de uma semana em que o 7MARGENS dedicou vários textos à questão das armas nucleares, e que incluiu uma entrevista ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a propósito da entrada em vigor do Tratado de proibição das Armas Nucleares, nada melhor que encerrar a série com a referência às mensagens aparentemente infantis de Mafalda e dos seus apelos a um mundo sem armas.

Imagens extraídas de O medo e o risível da guerra fria representados nas tiras de Mafalda e no filme Dr. Strangelove, trabalho de Rafael Cardoso Rodrigues, apresentado na Universidade Estadual de Londrina.

 

Pena de morte volta a matar em 2021

Relatório da Amnistia Internacional

Pena de morte volta a matar em 2021 novidade

Em 2021 a Amnistia Internacional (AI) confirmou 579 execuções de pessoas condenadas à morte pelo sistema judicial de 18 países. De acordo com a documentação da AI enviada ao 7MARGENS no dia 23 de maio, aquele número representa um crescimento de 20 por cento em relação ao registado no ano anterior. Contudo, graças à pandemia, em 2021 o número de execuções certificadas continua baixo, sendo o segundo menor desde 2010.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Igreja no apoio às vítimas das cheias

Bangladesh e Índia

Igreja no apoio às vítimas das cheias novidade

Os católicos indianos juntaram-se aos esforços de socorro e resgate organizados por ONG e agências governamentais, na sequência daquilo que os especialistas já consideram ser as piores cheias dos últimos 20 anos, já que o número de mortos pelas inundações em Assam chegou a 24 no estado do nordeste.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This