A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

| 20 Abr 19

Memórias de há um ano, entre a Beira e Nampula, e como renasce a esperança de um povo, após a destruição provocada pelo Idai.

O padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, distribuindo ajuda humanitária às populações da paróquia da Natividade. Foto: Direitos Reservados

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe. Nesta Quinta-Feira Santa, em Roma, pude ver fotos do padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, ido também daqui: nas imagens, ele distribuía ajuda humanitária às populações da ainda recém-criada paróquia da Natividade.

O padre Dimba deve, ele mesmo, recordar-se dos seus tempos de infância quando, durante a cruel guerra civil moçambicana, teve de fugir com os pais para o Malawi, onde viveu em campos de refugiados, acabando por se integrar neste país vizinho. Lá conheceu os Missionários do Espírito Santo e hoje é um dos responsáveis máximos da congregação, trabalhando aqui no conselho geral, em Roma. Optou por viver a Semana Santa e a Páscoa com o povo sofredor de Moçambique sua terra natal.

 

Quinta-Feira Santa alagada, Via-Sacra poeirenta

Há um ano, aterrei na Beira, Moçambique, no sábado de Ramos. Não chovia, o que permitiu uma belíssima procissão e celebração da eucaristia de Domingo de Ramos na Natividade, um dos bairros periféricos que nasceu com a fuga da guerra, com casas pobres ‘plantadas’ nos arrozais do tempo colonial e que era agora uma nova paróquia. Escusado será dizer que bastam umas chuvadas para que tudo fique inundado. Mas não choveu naqueles dias e a celebração foi uma festa enorme, a que tive a honra de presidir, a convite do padre Nicholas, espiritano zambiano que dirige o novo Seminário Espiritano de Moçambique e é pároco desta nova comunidade.

Vieram buscar-me na segunda feira e fui até à Missão de Inhazonia, 160 kms depois do Chimoio, já na fronteira com o Zimbabwe. Ali está uma comunidade Espiritana numa área por onde a guerra civil passou e deixou marcas que o tempo não consegue apagar. A área da missão é enorme, com comunidades a mais de 200 quilómetros, que têm de ser feitos em terra batida. Dali fui até ao Chimoio para a Terça-Feira Santa, dia da Missa Crismal, com a consequente reunião de todos os padres da diocese á volta do seu bispo, o jovem D. João Carlos. E regressei à Beira para ali começar o meu Tríduo Pascal.

Chovera entretanto e o acesso à Igreja da Natividade, ali nas áreas pantanosas, tornou-se impossível a pé enxuto. Mas lá fomos nós para a celebração de Quinta-Feira Santa, com uma belíssima cerimónia do Lava-Pés. A maioria das pessoas – há que dizê-lo com algum humor – chegou ali com os pés bem lavados: para entrar na igreja, havia alguns centímetros de água no caminho de terra batida. Eu fui levado de jipe até à porta da sacristia e escapei a “lavar os pés” com aquela lama! Mas nem a pobreza nem o mau tempo impediram as pessoas de participar numa celebração que durou horas a cantar, a dançar e a meditar no silêncio.

A Sexta-Feira Santa acordou-me cedo, pois fui levado à catedral da Beira para a oração da manhã com o bispo e uma multidão de povo. Dali segui para Nampula, onde presidi a uma Via-Sacra poeirenta pelos caminhos da paróquia de S. João de Deus, nas periferias da cidade. Seguir-se-ia uma longuíssima celebração da Paixão de Cristo, com mais de uma hora para que o muito povo pudesse adorar a Cruz.

Sábado Santo e Domingo de Páscoa seriam vividos em Itoculo, no interior pobre da diocese de Nacala, com celebrações muito vivas onde se realizaram dezenas de baptismos de jovens e adultos, a provar que as comunidades católicas estão em franco crescimento.

Isto foi no ano passado, longe de imaginar que um ano depois, pela fúria do Idai, a Beira seria destruída.

 

Do terrível ciclone ao risco pelos outros

As primeiras notícias foram de arrepiar. As imagens que os media divulgaram faziam doer o coração e eu tentava, a cada momento, rever as imagens e olhar os rostos daquele povo que tão bem me acolhera e estava tão feliz – sobretudo as crianças e os jovens que insistiram para fazer fotografias comigo.

Um ano depois, a intempérie não poupou esta pobre gente. Ninguém se lembra de nada parecido na história do país. Pessoas morreram, muitíssimas estão desalojadas e com fome.

O padre Albert Wulfu, missionário espiritano na Beira, partilhou o drama que se viveu na região nos dias 14 e 15 de março (e que se continua a viver):

“Foi uma noite barulhenta, tensa e longa. O vento começou por volta das 9 horas de quinta-feira, 14 de março. Quando o vento aumentou, pelas 19 horas, já estava tudo na escuridão e sem meios de comunicação. As pessoas cujas casas começaram a desabar correram para um local seguro, algumas das quais com ferimentos. À meia-noite, o tempo acalmou, mas por pouco tempo. Ouviam-se os gritos daqueles que pensavam que era o fim. Pela uma hora da manhã, o vento atingiu o máximo, com velocidade de 220 km/h, de acordo com os meteorologistas. Neste ponto, casas foram abaladas, árvores caíram e vidros quebraram, as telhas voaram e edifícios ruíram. Na minha vida, foi a primeira vez que tive uma catástrofe natural de tal magnitude, e foi de fato desastrosa’.”

Dias depois, o padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, a residir em Nampula, conseguiu chegar à Beira com apoio financeiro. Também ele descrevia a tragédia:

O padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, com um grupo de desalojados do ciclone Idai. Foto: Direitos Reservados

 

Percorrendo a cidade e o bairro onde se encontra a nossa Paróquia, vi casas completamente arrasadas pelo ciclone… árvores caídas, postes de eletricidade no chão, movimento de pessoas a apanhar metades de chapas de zinco para cobrir as suas casas, paredes caídas. No bairro onde está a nossa Paróquia vi ainda situações tristes e dramáticas de gente que precisa com urgência de alimentos e de um lugar digno para reclinar a cabeça. A nossa Igreja Paroquial não foi poupada. Muitas chapas que cobriam a Igreja foram levadas pela fúria do ciclone’.”

Mas, no meio da tragédia, o padre Alberto descrevia igualmente como renascia a esperança:

“Os colegas padres estão vivos e passam horas a fio a identificar e alistar as pessoas que precisam urgentemente de assistência. Eles levaram-me a um centro de acolhimento de pessoas afetadas pelo ciclone que fica na Escola Primária de Inhamizua, perto da nossa casa. Aqui tive a oportunidade de ver as pessoas que ficaram sem tecto e sem pão, completamente entregues ao cuidado das ONGs [Organizações Não-Governamentais]e de algumas pessoas singulares que trazem alguma coisa para ajudar os mais necessitados’.”

Feliz Páscoa!

(Na foto de abertura: o padre Tony Neves com um grupo de crianças e jovens, no Domingo de Ramos de 2018, em Moçambique; Tony Neves é padre católico e responsável do Departamento da Justiça e Paz dos Missionários do Espírito Santo (Espiritanos), de cuja congregação é membro.)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco