A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

| 20 Abr 19 | Destaques, Newsletter, Sete Partidas, Últimas

Memórias de há um ano, entre a Beira e Nampula, e como renasce a esperança de um povo, após a destruição provocada pelo Idai.

O padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, distribuindo ajuda humanitária às populações da paróquia da Natividade. Foto: Direitos Reservados

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe. Nesta Quinta-Feira Santa, em Roma, pude ver fotos do padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, ido também daqui: nas imagens, ele distribuía ajuda humanitária às populações da ainda recém-criada paróquia da Natividade.

O padre Dimba deve, ele mesmo, recordar-se dos seus tempos de infância quando, durante a cruel guerra civil moçambicana, teve de fugir com os pais para o Malawi, onde viveu em campos de refugiados, acabando por se integrar neste país vizinho. Lá conheceu os Missionários do Espírito Santo e hoje é um dos responsáveis máximos da congregação, trabalhando aqui no conselho geral, em Roma. Optou por viver a Semana Santa e a Páscoa com o povo sofredor de Moçambique sua terra natal.

 

Quinta-Feira Santa alagada, Via-Sacra poeirenta

Há um ano, aterrei na Beira, Moçambique, no sábado de Ramos. Não chovia, o que permitiu uma belíssima procissão e celebração da eucaristia de Domingo de Ramos na Natividade, um dos bairros periféricos que nasceu com a fuga da guerra, com casas pobres ‘plantadas’ nos arrozais do tempo colonial e que era agora uma nova paróquia. Escusado será dizer que bastam umas chuvadas para que tudo fique inundado. Mas não choveu naqueles dias e a celebração foi uma festa enorme, a que tive a honra de presidir, a convite do padre Nicholas, espiritano zambiano que dirige o novo Seminário Espiritano de Moçambique e é pároco desta nova comunidade.

Vieram buscar-me na segunda feira e fui até à Missão de Inhazonia, 160 kms depois do Chimoio, já na fronteira com o Zimbabwe. Ali está uma comunidade Espiritana numa área por onde a guerra civil passou e deixou marcas que o tempo não consegue apagar. A área da missão é enorme, com comunidades a mais de 200 quilómetros, que têm de ser feitos em terra batida. Dali fui até ao Chimoio para a Terça-Feira Santa, dia da Missa Crismal, com a consequente reunião de todos os padres da diocese á volta do seu bispo, o jovem D. João Carlos. E regressei à Beira para ali começar o meu Tríduo Pascal.

Chovera entretanto e o acesso à Igreja da Natividade, ali nas áreas pantanosas, tornou-se impossível a pé enxuto. Mas lá fomos nós para a celebração de Quinta-Feira Santa, com uma belíssima cerimónia do Lava-Pés. A maioria das pessoas – há que dizê-lo com algum humor – chegou ali com os pés bem lavados: para entrar na igreja, havia alguns centímetros de água no caminho de terra batida. Eu fui levado de jipe até à porta da sacristia e escapei a “lavar os pés” com aquela lama! Mas nem a pobreza nem o mau tempo impediram as pessoas de participar numa celebração que durou horas a cantar, a dançar e a meditar no silêncio.

A Sexta-Feira Santa acordou-me cedo, pois fui levado à catedral da Beira para a oração da manhã com o bispo e uma multidão de povo. Dali segui para Nampula, onde presidi a uma Via-Sacra poeirenta pelos caminhos da paróquia de S. João de Deus, nas periferias da cidade. Seguir-se-ia uma longuíssima celebração da Paixão de Cristo, com mais de uma hora para que o muito povo pudesse adorar a Cruz.

Sábado Santo e Domingo de Páscoa seriam vividos em Itoculo, no interior pobre da diocese de Nacala, com celebrações muito vivas onde se realizaram dezenas de baptismos de jovens e adultos, a provar que as comunidades católicas estão em franco crescimento.

Isto foi no ano passado, longe de imaginar que um ano depois, pela fúria do Idai, a Beira seria destruída.

 

Do terrível ciclone ao risco pelos outros

As primeiras notícias foram de arrepiar. As imagens que os media divulgaram faziam doer o coração e eu tentava, a cada momento, rever as imagens e olhar os rostos daquele povo que tão bem me acolhera e estava tão feliz – sobretudo as crianças e os jovens que insistiram para fazer fotografias comigo.

Um ano depois, a intempérie não poupou esta pobre gente. Ninguém se lembra de nada parecido na história do país. Pessoas morreram, muitíssimas estão desalojadas e com fome.

O padre Albert Wulfu, missionário espiritano na Beira, partilhou o drama que se viveu na região nos dias 14 e 15 de março (e que se continua a viver):

“Foi uma noite barulhenta, tensa e longa. O vento começou por volta das 9 horas de quinta-feira, 14 de março. Quando o vento aumentou, pelas 19 horas, já estava tudo na escuridão e sem meios de comunicação. As pessoas cujas casas começaram a desabar correram para um local seguro, algumas das quais com ferimentos. À meia-noite, o tempo acalmou, mas por pouco tempo. Ouviam-se os gritos daqueles que pensavam que era o fim. Pela uma hora da manhã, o vento atingiu o máximo, com velocidade de 220 km/h, de acordo com os meteorologistas. Neste ponto, casas foram abaladas, árvores caíram e vidros quebraram, as telhas voaram e edifícios ruíram. Na minha vida, foi a primeira vez que tive uma catástrofe natural de tal magnitude, e foi de fato desastrosa’.”

Dias depois, o padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, a residir em Nampula, conseguiu chegar à Beira com apoio financeiro. Também ele descrevia a tragédia:

O padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, com um grupo de desalojados do ciclone Idai. Foto: Direitos Reservados

 

Percorrendo a cidade e o bairro onde se encontra a nossa Paróquia, vi casas completamente arrasadas pelo ciclone… árvores caídas, postes de eletricidade no chão, movimento de pessoas a apanhar metades de chapas de zinco para cobrir as suas casas, paredes caídas. No bairro onde está a nossa Paróquia vi ainda situações tristes e dramáticas de gente que precisa com urgência de alimentos e de um lugar digno para reclinar a cabeça. A nossa Igreja Paroquial não foi poupada. Muitas chapas que cobriam a Igreja foram levadas pela fúria do ciclone’.”

Mas, no meio da tragédia, o padre Alberto descrevia igualmente como renascia a esperança:

“Os colegas padres estão vivos e passam horas a fio a identificar e alistar as pessoas que precisam urgentemente de assistência. Eles levaram-me a um centro de acolhimento de pessoas afetadas pelo ciclone que fica na Escola Primária de Inhamizua, perto da nossa casa. Aqui tive a oportunidade de ver as pessoas que ficaram sem tecto e sem pão, completamente entregues ao cuidado das ONGs [Organizações Não-Governamentais]e de algumas pessoas singulares que trazem alguma coisa para ajudar os mais necessitados’.”

Feliz Páscoa!

(Na foto de abertura: o padre Tony Neves com um grupo de crianças e jovens, no Domingo de Ramos de 2018, em Moçambique; Tony Neves é padre católico e responsável do Departamento da Justiça e Paz dos Missionários do Espírito Santo (Espiritanos), de cuja congregação é membro.)

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco