A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

20 Abr 19Destaques, Newsletter, Sete Partidas, Últimas

Memórias de há um ano, entre a Beira e Nampula, e como renasce a esperança de um povo, após a destruição provocada pelo Idai.

O padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, distribuindo ajuda humanitária às populações da paróquia da Natividade. Foto: Direitos Reservados

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe. Nesta Quinta-Feira Santa, em Roma, pude ver fotos do padre João Dimba, conselheiro geral dos Missionários Espiritanos, ido também daqui: nas imagens, ele distribuía ajuda humanitária às populações da ainda recém-criada paróquia da Natividade.

O padre Dimba deve, ele mesmo, recordar-se dos seus tempos de infância quando, durante a cruel guerra civil moçambicana, teve de fugir com os pais para o Malawi, onde viveu em campos de refugiados, acabando por se integrar neste país vizinho. Lá conheceu os Missionários do Espírito Santo e hoje é um dos responsáveis máximos da congregação, trabalhando aqui no conselho geral, em Roma. Optou por viver a Semana Santa e a Páscoa com o povo sofredor de Moçambique sua terra natal.

 

Quinta-Feira Santa alagada, Via-Sacra poeirenta

Há um ano, aterrei na Beira, Moçambique, no sábado de Ramos. Não chovia, o que permitiu uma belíssima procissão e celebração da eucaristia de Domingo de Ramos na Natividade, um dos bairros periféricos que nasceu com a fuga da guerra, com casas pobres ‘plantadas’ nos arrozais do tempo colonial e que era agora uma nova paróquia. Escusado será dizer que bastam umas chuvadas para que tudo fique inundado. Mas não choveu naqueles dias e a celebração foi uma festa enorme, a que tive a honra de presidir, a convite do padre Nicholas, espiritano zambiano que dirige o novo Seminário Espiritano de Moçambique e é pároco desta nova comunidade.

Vieram buscar-me na segunda feira e fui até à Missão de Inhazonia, 160 kms depois do Chimoio, já na fronteira com o Zimbabwe. Ali está uma comunidade Espiritana numa área por onde a guerra civil passou e deixou marcas que o tempo não consegue apagar. A área da missão é enorme, com comunidades a mais de 200 quilómetros, que têm de ser feitos em terra batida. Dali fui até ao Chimoio para a Terça-Feira Santa, dia da Missa Crismal, com a consequente reunião de todos os padres da diocese á volta do seu bispo, o jovem D. João Carlos. E regressei à Beira para ali começar o meu Tríduo Pascal.

Chovera entretanto e o acesso à Igreja da Natividade, ali nas áreas pantanosas, tornou-se impossível a pé enxuto. Mas lá fomos nós para a celebração de Quinta-Feira Santa, com uma belíssima cerimónia do Lava-Pés. A maioria das pessoas – há que dizê-lo com algum humor – chegou ali com os pés bem lavados: para entrar na igreja, havia alguns centímetros de água no caminho de terra batida. Eu fui levado de jipe até à porta da sacristia e escapei a “lavar os pés” com aquela lama! Mas nem a pobreza nem o mau tempo impediram as pessoas de participar numa celebração que durou horas a cantar, a dançar e a meditar no silêncio.

A Sexta-Feira Santa acordou-me cedo, pois fui levado à catedral da Beira para a oração da manhã com o bispo e uma multidão de povo. Dali segui para Nampula, onde presidi a uma Via-Sacra poeirenta pelos caminhos da paróquia de S. João de Deus, nas periferias da cidade. Seguir-se-ia uma longuíssima celebração da Paixão de Cristo, com mais de uma hora para que o muito povo pudesse adorar a Cruz.

Sábado Santo e Domingo de Páscoa seriam vividos em Itoculo, no interior pobre da diocese de Nacala, com celebrações muito vivas onde se realizaram dezenas de baptismos de jovens e adultos, a provar que as comunidades católicas estão em franco crescimento.

Isto foi no ano passado, longe de imaginar que um ano depois, pela fúria do Idai, a Beira seria destruída.

 

Do terrível ciclone ao risco pelos outros

As primeiras notícias foram de arrepiar. As imagens que os media divulgaram faziam doer o coração e eu tentava, a cada momento, rever as imagens e olhar os rostos daquele povo que tão bem me acolhera e estava tão feliz – sobretudo as crianças e os jovens que insistiram para fazer fotografias comigo.

Um ano depois, a intempérie não poupou esta pobre gente. Ninguém se lembra de nada parecido na história do país. Pessoas morreram, muitíssimas estão desalojadas e com fome.

O padre Albert Wulfu, missionário espiritano na Beira, partilhou o drama que se viveu na região nos dias 14 e 15 de março (e que se continua a viver):

“Foi uma noite barulhenta, tensa e longa. O vento começou por volta das 9 horas de quinta-feira, 14 de março. Quando o vento aumentou, pelas 19 horas, já estava tudo na escuridão e sem meios de comunicação. As pessoas cujas casas começaram a desabar correram para um local seguro, algumas das quais com ferimentos. À meia-noite, o tempo acalmou, mas por pouco tempo. Ouviam-se os gritos daqueles que pensavam que era o fim. Pela uma hora da manhã, o vento atingiu o máximo, com velocidade de 220 km/h, de acordo com os meteorologistas. Neste ponto, casas foram abaladas, árvores caíram e vidros quebraram, as telhas voaram e edifícios ruíram. Na minha vida, foi a primeira vez que tive uma catástrofe natural de tal magnitude, e foi de fato desastrosa’.”

Dias depois, o padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, a residir em Nampula, conseguiu chegar à Beira com apoio financeiro. Também ele descrevia a tragédia:

O padre Alberto Tchindemba, responsável máximo dos Espiritanos em Moçambique, com um grupo de desalojados do ciclone Idai. Foto: Direitos Reservados

 

Percorrendo a cidade e o bairro onde se encontra a nossa Paróquia, vi casas completamente arrasadas pelo ciclone… árvores caídas, postes de eletricidade no chão, movimento de pessoas a apanhar metades de chapas de zinco para cobrir as suas casas, paredes caídas. No bairro onde está a nossa Paróquia vi ainda situações tristes e dramáticas de gente que precisa com urgência de alimentos e de um lugar digno para reclinar a cabeça. A nossa Igreja Paroquial não foi poupada. Muitas chapas que cobriam a Igreja foram levadas pela fúria do ciclone’.”

Mas, no meio da tragédia, o padre Alberto descrevia igualmente como renascia a esperança:

“Os colegas padres estão vivos e passam horas a fio a identificar e alistar as pessoas que precisam urgentemente de assistência. Eles levaram-me a um centro de acolhimento de pessoas afetadas pelo ciclone que fica na Escola Primária de Inhamizua, perto da nossa casa. Aqui tive a oportunidade de ver as pessoas que ficaram sem tecto e sem pão, completamente entregues ao cuidado das ONGs [Organizações Não-Governamentais]e de algumas pessoas singulares que trazem alguma coisa para ajudar os mais necessitados’.”

Feliz Páscoa!

(Na foto de abertura: o padre Tony Neves com um grupo de crianças e jovens, no Domingo de Ramos de 2018, em Moçambique; Tony Neves é padre católico e responsável do Departamento da Justiça e Paz dos Missionários do Espírito Santo (Espiritanos), de cuja congregação é membro.)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Carlos Farinha Rodrigues destaca importância da “economia de Francisco” novidade

A mensagem do Papa sobre a economia assenta no “combate às desigualdades e exclusão social”, na “dignidade do trabalho” e nas “preocupações com a casa comum”, diz o economista Carlos Farinha Rodrigues, em declarações à Ecclesia, a propósito de um debate sobre o encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá no próximo ano.

Duches para crianças pobres de Roma com apoio do Papa novidade

A Esmolaria Apostólica, que coordena as iniciativas caritativas do Papa, irá apoiar um projeto de banhos solidários para crianças pobres de Roma, já a partir desta quinta-feira, 19 de setembro. A iniciativa surge da associação italiana de médicos voluntários, a ‘Medicina Solidária’. “Estamos em guerra contra a pobreza”, afirma Lucia Ercoli, médica e presidente da associação, que gere seis consultórios itinerantes, também com o apoio da Esmolaria Apostólica.

John Kerry quer políticos a acelerar combate à emergência climática

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quer uma mobilização global dos governantes para acelerar o combate às alterações climáticas. Durante o encontro “O Futuro do Planeta”, organizado em Lisboa pelas Fundações Oceano Azul e Francisco Manuel dos Santos, o antigo candidato à presidência dos Estados Unidos afirmou que os governos mundiais têm atuado de forma irresponsável no cumprimento do Acordo de Paris, de 2015.

Bispos sul-africanos querem proteger mulheres contra homicídios

Os bispos católicos da África do Sul aconselham o Governo a agir contra a violência dirigida a mulheres e meninas, após uma série de mortes e violações que causaram revolta no país, que tem um dos maiores índices de homicídios do mundo: 3000 mulheres mortas em 2018 e 58 assassinadas diariamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O Brexit dos pobres novidade

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

Cultura e artes

O coração inebriado de Agostinho, na leitura das “Confissões”

No início, logo depois da primeira peça musical de Rão Kyao, um dos actores declamará: “Quem me fará repousar em ti? Quem fará com que venhas ao meu coração e o inebries para eu esquecer os meus males e te abraçar a ti, meu único bem?” No dia que a liturgia católica dedica a Agostinho de Hipona, 28 de Agosto, no antigo convento de Santo Agostinho, hoje transformado em Museu de Leiria, o Teatro Maizum produz, a partir das 22h, uma leitura encenada das “Confissões”.

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Set
20
Sex
“Um milagre todos os dias” – projecção de filme e debate @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Set 20@11:15_13:00

O filme, estreado em 2018, foi realizado por Henrique Manuel Pereira e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica. Destaca a vida do Lar das Irmãzinhas dos Pobres, do Pinheiro Manso, inclui mais de três dezenas de depoimentos de residentes, funcionários, religiosas, voluntários e benfeitores.

“Com manifestações de humor e de solidão, de força e de fragilidade, de abnegada dedicação e criativo serviço, tendo por horizonte a ‘última estação da vida’, o filme configura um retrato realista do pulsar da vida daquela que é uma das instituições mais apreciadas e estimadas da cidade do Porto”, lê-se na sinopse.

A projecção será seguida por um debate com a participação do realizador, José Leitão (Centro de Reflexão Cristã), e João Eleutério, professor da Faculdade de Teologia.

Set
21
Sáb
Visitas guiadas ao Convento e Igreja de São Domingos, em Lisboa @ Convento de São Domingos
Set 21@10:00_12:00

As visitas serão acompanhadas pelo arquitecto João Alves da Cunha; haverá duas visitas: às 10h e 11h.

Encontro Também Somos Terra @ Casa de Espiritualidade do Linhó (Irmãs Doroteias)
Set 21@11:00_18:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco