A “piolheira” existia, mas não se podia falar dela

| 26 Mai 2021

Foi há 150 anos que teve lugar em Lisboa um evento ambicioso que ficaria para a história como as “Conferências do Casino”, que muito incomodaram o rei, o Governo e a Igreja Católica. Como sempre, são os jovens que desencadeiam as revoluções.

“O facto é que as Conferências do Casino provocaram estardalhaço público desde o momento inicial, apesar de funcionarem como instrumento pedagógico”. Foto: retirada do vídeo “Suspensão Conferências do Casino”. RTP Ensina

 

Foi em Maio de 1871 que um grupo de jovens portugueses, escritores e intelectuais como Antero de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira Martins e Teófilo Braga, se movimentaram para desencadear um debate sobre o atraso do país e reflectir sobre os graves problemas políticos e sociais do Portugal da época. Pretendiam ainda dissertar sobre os novos tempos e ideias que sopravam do continente mas que não faziam eco por cá, esta terra à qual o rei chamava sarcasticamente “a piolheira”.

As dez conferências previstas para o Casino Lisbonense, a que chamaram democráticas, ficaram pela metade, pois a 26 de Junho chegou uma ordem governamental no sentido da sua proibição, o que impossibilitou a realização das restantes: “tendo chegado ao conhecimento de Sua Majestade (…) que no Casino Lisbonense (…) se celebram uma série de preleções em que se expõem e procuram sustentar doutrinas e proposições que atacam a religião e as instituições políticas do Estado, e sendo certo que tais factos, além de constituírem um abuso do direito de reunião, ofendem clara e diretamente as leis do reino e o código fundamental da monarquia, (…) determina (…) que o governador civil de Lisboa não consinta as referidas reuniões e conferências (…) sob pena de se proceder contra os transgressores na conformidade das leis”.

O acto censório assinado pelo primeiro-ministro e ministro do Interior, marquês de Ávila e Bolama, pretendia impedir a difusão de novas ideias políticas, consideradas subversivas para os interesses do Estado, da monarquia e da religião.

A reacção foi violenta e deu origem a uma polémica na imprensa da época entre os defensores da liberdade de expressão e de reunião e os apoiantes do Governo monárquico, e aprofundou o fosso entre a Geração de 70 e o segmento mais conservador da sociedade, que já vinha desde a polémica literária conhecida como a Questão Coimbrã (1865-1866), quando Antero de Quental se destacara na crítica à literatura ultrarromântica.

O Portugal do século XIX via assim lançado sobre a mesa um importante movimento de renovação cultural, através de um conjunto de críticos do sistema que “defendiam uma nova estética, uma nova literatura e uma nova ciência social e política”, que queria discutir assuntos como a Associação Internacional dos Trabalhadores, a experiência governativa espanhola resultante da Revolução de 1868, o processo de unificação da Itália e a Comuna de Paris.

O facto é que as Conferências do Casino provocaram estardalhaço público desde o momento inicial, apesar de funcionarem como instrumento pedagógico. Tomadas como um dever de consciência, agitaram e despertaram a opinião pública com vista à transformação das mentalidades por via da livre reflexão mas sem pretender doutrinar. A palestra do jovem poeta Antero, Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos Últimos Três Séculos, tornou-se mesmo um dos textos mais influentes da cultura portuguesa durante a fase final do regime monárquico, por confrontar o espírito conservador que pontificava no país. Em “Revisitação da Mitologia Anteriana” Eduardo Lourenço chamou-lhe o “acto fundador” da cultura portuguesa moderna, mas acrescenta que o texto “em última análise, nunca foi, por assim dizer, lido. Lido, quer dizer, integrado, incorporado, mesmo através de uma recusa fundamentada e assumida, pelo ‘corpo cultural’ do tempo português de então que ele punha tão apaixonadamente em causa.”

Nele se apelava ao respeito pela memória dos antepassados mas também à recusa da sua imitação em nome do espírito moderno. Apelava-se a trocar o velho catolicismo conservador pela “consciência livre” e a afirmação duma “alma nova”; a monarquia centralizadora e impotente pela república e o municipalismo democrático; a inércia industrial pelo “novo mundo industrial do socialismo”. Segundo Antero, assim como o cristianismo tinha sido a resposta para a decadência do império romano, havia que encontrar uma resposta para a decadência deste país no mundo moderno. Mas em vez de ousar entrar no debate das ideias o poder optou pela censura.

A “piolheira” existia, mas não se podia falar dela.

Se as Conferências do Casino não tivessem servido para mais nada serviram ao menos para que, na sequência da atitude discricionária do Governo, o assunto ter subido à Câmara de Deputados e a oposição servir-se da polémica pública instalada, causada pela inopinada proibição das Conferências, para o deitar abaixo. Foi talvez o primeiro dia do resto da história da monarquia lusitana.

Mal sabia a Geração de 70 que as nações europeias perderiam os seus impérios, que viria a globalização e que o país, agora republicano, integraria hoje uma União Europeia, muito embora ainda esteja muito por fazer em matéria de coesão, de desenvolvimento e de justiça social.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This