“A pior tragédia deste ano no Mediterrâneo” matou pelo menos 70 pessoas

| 26 Jul 19 | Destaques, Direitos Humanos, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

Miguel Duarte, o português processado em Itália por ajudar a salvar vidas: desta vez, o socorro dias ONG não chegou a tempo para pelo menos 70 pessoas. Fotografias © Rita Gaspar

 

Pelo menos 70 pessoas morreram no Mediterrâneo, naquela que pode ser a maior tragédia deste ano, vitimando refugiados. A notícia foi divulgada pelas equipas dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) na Líbia, que socorreram no porto de Khoms, a cerca de 120 quilómetros de Trípoli, os sobreviventes do naufrágio.

De acordo com o Vatican News, dois barcos de pesca com cerca de 300 pessoas a bordo naufragaram no Mediterrâneo, quando os seus ocupantes se preparavam para atingir a costa europeia. No início, os sobreviventes terão sido ajudados por pescadores, recebendo depois ajuda de várias ONG (organizações não governamentais).

De acordo com as primeiras estimativas, o naufrágio terá provocado a morte a 70 pessoas, mas haverá ainda pelo menos 100 desaparecidos – mas o The Guardian, citado pela Ecclesia, fala em 150.

“A terrível notícia deste novo trágico naufrágio demonstra mais uma vez o altíssimo preço da actual situação na Líbia em vidas humanas. Mostra também a falta de uma adequada capacidade de busca e socorro no Mediterrâneo”, afirmou Julien Raickman, chefe da missão dos MSF na Líbia.

Muitos dos desaparecidos podem ter-se afogado, de acordo com os primeiros testemunhos dos sobreviventes atendidos pelos Médicos Sem Fronteiras. Vários dos 137 sobreviventes, ainda de acordo com a mesma fonte, estavam em estado de choque com sintomas de pré-afogamento.

Filippo Grandi, do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) refere que esta é a pior tragédia do ano no Mediterrâneo. Grandi apelou a que se “retomem o resgate das pessoas no mar, acabem com a detenção de refugiados e migrantes na Líbia e aumentem os itinerários seguros fora da Líbia”. Estas medidas, acrescenta, ainda citado no Vatican News, devem ser postas já em marcha, “antes que seja tarde demais para muitas pessoas desesperadas”.

Já a ONG Save the Children comentou que é “absolutamente inaceitável que a Europa permaneça indiferente diante de todas estas tragédias às suas portas”. Para esta organização internacional, “salvar vidas humanas deve ser a principal preocupação dos Estados membros da União Europeia”. Ao mesmo tempo, “também é indispensável que a comunidade internacional, em primeiro lugar a Europa, multiplique os seus esforços para encontrar itinerários seguros longe das áreas de crise, evitando que milhares de pessoas tenham que confiar em traficantes que colocam suas vidas em perigo para atravessar o Mar Mediterrâneo, como demonstrou mais uma vez esta tragédia”.

Nos primeiros cinco meses deste ano, uma em cada 14 pessoas das que tentaram atravessar o Mediterrâneo perderam a vida – muitas delas eram crianças, as mais vulneráveis. A insegurança e a situação de guerra civil na Líbia faz com que muitos refugiados fiquem presos às mãos de traficantes ou guerrilheiros. Os que escapam a essa situação ou tentam atravessar o mar ou o deserto do Sara.

O ACNUR regista 164 vítimas mortais em 2019, vindos da Líbia, num total de 683 mortes no Mediterrâneo desde o início do ano e 426 mortes nas ‘rotas negras’, oriundos da Argélia, Tunísia ou Líbia em direção a Malta ou Itália, recorda a Ecclesia, na notícia antes citada.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

O pensamento nómada do poema de Deus novidade

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco