A poesia é a verdade justa

| 17 Mai 20

Filme Poesia, de Lee Chang-Dong.

Uma das imagens de Poesia, de Lee Chang-Dong.

 

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III.

Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010, disponibilizado pela Medeia Filmes nestes dias da quarentena. Impossibilitados que estamos de ir ao cinema e ver o que o cartaz nos traz de novo, proponho um olhar sobre este tão belo quanto triste poema visual.

Poesia pode ser um título bem enganador, sobretudo se somos daqueles que caímos na tentação de pensar que a poesia é uma maneira de fugir da realidade e refugiar-se nuns pensamentos e palavras bonitas. Mas a verdade é exactamente o contrário, porque “o real é a palavra”. Voltemos a Sophia: “Sempre a poesia foi para mim uma perseguição do real… Quem procura uma relação justa com a pedra, com a árvore, com o rio, é necessariamente levado, pelo espírito de verdade que o anima, a procurar uma relação justa com o homem. Aquele que vê o espantoso esplendor do mundo é logicamente levado a ver o espantoso sofrimento do mundo… E é por isso que a poesia é uma moral. E é por isso que o poeta é levado a buscar a justiça pela própria natureza da sua poesia.”

Está aqui, creio, a melhor chave de leitura para o filme em questão. Um filme habitado pela luminosa presença de uma mulher, já avó, que no meio das dificuldades e trabalhos da sua vida mantém uma elegância e uma atitude a que ninguém é indiferente. Ao sair do hospital, onde foi por andar a esquecer-se das palavras que nomeiam as coisas, presencia uma cena terrível: uma mãe, apenas amparada por uma criança, grita e cai por terra, porque a sua filha adolescente se tinha suicidado, atirando-se ao rio. Era assim que tinha começado o filme: um corpo a boiar na água. Mas Mija ainda não sabia o pior: o seu neto, por quem fazia todos os sacrifícios, pertencia ao grupo de rapazes responsáveis por aquele suicídio. Compreender esta dor e esta injustiça passou a ser o seu objectivo, sempre presente no seu olhar intenso, vazio e triste, e nas opções que se sente obrigada a fazer.

E onde entra então a poesia do título? Naquele dia, ao regressar do hospital e depois de presenciar a trágica situação daquela mãe, ela vê o anúncio de um curso de poesia. E, apesar de já ter acabado o prazo de inscrição, ela vai participar. Era um desejo antigo. A partir daí, e por indicação do professor, ela vai passar a olhar o mais atentamente possível para toda a realidade que a envolve, com o objectivo de escrever um poema. Vai tomando notas no seu caderninho, mas o poema não aparece, por mais que se esforce e pergunte repetidamente como se faz.

O poema só será escrito quando ela conseguir resolver todas as questões morais que a atormentavam e a justiça tiver sido feita: entregar a sua parte do dinheiro para o acordo que tinha sido feito com a mãe da rapariga violada, denunciar o seu neto à polícia para ele enfrentar as consequências do crime que cometera. Tudo feito com uma ritualidade e uma determinação quase litúrgica. Agora estava livre e o poema – autêntico exercício de empatia – podia ser então a palavra capaz de dizer a realidade da vida com toda a compaixão e verdade.

“Como um fruto que mostra/ Aberto pelo meio/ A frescura do centro // Assim a manhã/ dentro da qual eu entro” (Sophia de Mello Breyner)

 

Shi (Poesia), de Lee Chang-Dong
Drama; M/12; França, Coreia do Sul, 2010.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Maio de 2020.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bispos espanhóis propõem unir “salário familiar” ao rendimento mínimo vital novidade

O secretário geral da conferência episcopal espanhola, Luis Argüello, propôs esta sexta-feira ao governo que, juntamente com o salário mínimo vital, aprovado em abril para as famílias mais pobres, institua o “salário familiar”. Durante uma conferência de imprensa, o bispo auxiliar de Valladolid recordou que esta medida foi proposta há 40 anos por João Paulo II, e pediu que os migrantes em situação administrativa irregular possam também aceder a estas prestações.

Alemanha: Mulheres querem permissão para pregar nas eucaristias novidade

A Comunidade Católica das Mulheres (KFD) da diocese de Münster, na Alemanha, enviou uma carta ao seu bispo, Felix Genn, pedindo-lhe que aprove a pregação por parte de leigos nas eucaristias, o que permitiria às mulheres assumir essa função, até agora exercida exclusivamente por diáconos e padres.

Escuteiros angariaram 66 toneladas de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome novidade

O Corpo Nacional de Escutas (CNE), através dos agrupamentos de escuteiros espalhados por todo o país, reuniu um total de 66 toneladas de alimentos para apoiar o Banco Alimentar Contra a Fome, instituição que este ano se viu impossibilitada de realizar a sua habitual campanha nos supermercados devido à pandemia de covid-19, e à qual têm chegado cada vez mais pedidos de ajuda.

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

O domingo do mistério de Deus novidade

Há cada vez mais teólogos de renome a lastimar um domingo dedicado ao esforço da razão para «explicar» o mistério de Deus que a liturgia cristã celebra neste domingo, 7 de Junho, com o nome de Domingo da Santíssima Trindade… O “mistério de um só Deus” foi substituído por uma “trindade de mistérios”: o de Deus criador, pai e mãe em plenitude; o de um ser humano que se deixou penetrar por Deus sem entraves da sua liberdade, conhecimento e vontade; o da actuação perene de Deus na história humana.

As casas de repouso eterno novidade

As notícias chegam-nos em catadupa. Os nossos entes queridos que já não podiam viver connosco porque a vida frenética que levamos não nos permite cuidar deles e que, por amor, por compaixão e por comodidade, os colocámos nas casas de repouso, estão a morrer às dezenas. Os remorsos invadem-nos o espírito, sem que possamos encontrar uma solução e não vale a pena estar a acusar as instituições ou os funcionários que fazem tudo o que podem para os cuidar.

Peste Malina

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

O perdão, a maior alegria de Deus

Há experiências cuja reflexão sobre elas exige humildade e coragem: experiências que marcam a nossa história e o nosso quotidiano, e das quais qualquer pensamento pode pecar pela superficialidade ou pelo idealismo. O perdão é uma dessas experiências. É por isso um ato de coragem a proposta – tão breve como significativa! 112 páginas em formato de bolso – do monge italiano Enzo Bianchi.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco