A política deste tempo de Páscoa

| 29 Mar 2024

Marcha pela Vida, em 24 de Janeiro de 2005, em Washington: os designados grupos pró-vida ficaram contentes com a decisão do Supremo. Foto © Elvert Barnes Protest Photography/Wikimedia Commons, via https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Abortion.MFL32.WDC.24January2005_(89084976).jpg

Marcha pela Vida, em 24 de Janeiro de 2005, em Washington: “Perguntamo-nos porque é que os políticos são autorizados a tomar decisões médicas.” Foto © Elvert Barnes Protest Photography/Wikimedia Commons.

 

A celebração cristã da Páscoa tem a ver com uma nova vida, mas a consciência mundial continua a ser inundada por ideias de morte, onde ela está a ocorrer em consequência da guerra e da fome e de como fazê-la acontecer – pensemos na eutanásia e no aborto.

Os políticos podem torcer as mãos sobre a guerra e a fome, mas continuam a pagar as bombas e a prestar ajuda humanitária. Se a vida é preciosa, porque é que é tão difícil fazer o que está certo?

Nos Estados Unidos, um pastiche de opiniões sobre questões relacionadas com a vida confunde a discussão tanto a nível nacional como estadual.

Desde que o Supremo Tribunal entregou a questão da legalização do aborto aos estados, alguns promulgaram leis contra o aborto, enquanto outros avançaram para a sua consagração.

As constituições dos estados da Califórnia, Michigan, Ohio e Vermont permitem o aborto e a maioria dos outros estados protege-o legalmente, alguns quase até ao momento do nascimento. Entretanto, nos 14 estados que proíbem o aborto, algumas leis são tão extremas que põem em perigo a vida das mães.

Perguntamo-nos porque é que os políticos são autorizados a tomar decisões médicas. Parece estranho que os EUA não consigam proteger os seus próprios cidadãos das legislaturas estatais, mas é um facto.

À medida que a ideia de que a vida humana é dispensável se espalha por todo o país, os legisladores estaduais tomaram para si a responsabilidade de decidir como se pode acabar com ela. Seguindo o exemplo do Canadá, vários estados americanos estão a juntar-se ao movimento da eutanásia.

Por exemplo, a assembleia do Estado de Nova Iorque tem atualmente em debate um projeto de lei sobre “ajuda médica à morte”. A “ajuda médica na morte” é definida como “a prática médica de um médico que prescreve medicação a um indivíduo qualificado que o indivíduo pode escolher autoadministrar para provocar a morte”. (Devíamos chamar-lhe o que é: suicídio assistido).

Nova Iorque não está sozinha. Illinois, New Hampshire, Maryland, Michigan e Virginia já falaram sobre o assunto. Dez estados – Califórnia, Colorado, Havai, Montana, Maine, Nova Jersey, Novo México, Oregon, Vermont, Washington, mais o Distrito de Columbia – permitem-no.

Apesar do interesse que os políticos confessam ter em cuidar de pessoas inocentes em caso de guerra, fome ou agitação política, parece haver uma pressa em eliminar quem quer que possa ser considerado dispensável, seja através do aborto ou do suicídio assistido.

E depois há a FIV, o processo de fertilização humana in vitro que frequentemente produz mais óvulos fertilizados viáveis do que qualquer mãe pode carregar. A redução selectiva dos embriões implantados parece ter dado lugar à implantação selectiva. Os embriões restantes são congelados ou destruídos. Tem de haver uma forma melhor para lidar com o problema.

Tudo isto ecoa uma recordação arrepiante do romance de Aldous Huxley de 1932, Admirável Mundo Novo, que inclui o “condicionamento da morte” e a droga indutora de felicidade, soma, usada individualmente e vaporizada sobre multidões. Lembram-se da reprodução selectiva sobre a qual Huxley escreveu, com os Alphas no topo do sistema de castas e os Épsilones na base?

A FIV, combinada com o aborto, pode aproximar-se tanto da eugenia como qualquer escritor de ficção científica poderia prever. Será que a guerra e a fome entram nesse cenário?

Os políticos estão a pensar nisso?

Não há praticamente nenhuma diferença entre as políticas de FIV e de aborto de nenhum dos principais partidos políticos [dos EUA]. O apoio ao suicídio assistido é um pouco mais obscuro, pelo menos a nível nacional. Mas está a crescer em ambos os partidos das assembleias locais.

É tudo uma questão de “escolha pessoal”.

O que levanta a questão: a escolha de quem?

A vida humana é a vida humana. Não se trata de “personalidade”. Trata-se de entender isso, seja embrionário, fetal, diminuído ou em perigo: Humano é humano.

Negar esse facto é negar a sua própria posição entre as estrelas.

A celebração cristã da Páscoa, que celebra a ressurreição de Jesus Cristo, inclui a promessa de vida após a morte. Quer concordemos ou discordemos do que as religiões ensinam, até que as nossas vidas limitadas cheguem ao fim, todos somos obrigados a proteger a humanidade.

 

Phyllis Zagano integrou a Comissão para o Estudo do Diaconado das Mulheres (2016-2018). É investigadora na Universidade de Hofstra, Hempstead, Nova Iorque, e o seu livro mais recente é Just Church: Catholic Social Teaching, Synodality, and Women (Paulist, 2023) [Igreja justa: ensino social católico, sinodalidade e mulheres]. Este texto foi inicialmente publicado em Religion News Service e é publicado em Portugal por cedência da autora ao 7MARGENS.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This