A porta aberta e a mesa posta: uma comunidade que celebra a Fé

| 24 Jan 2023

Serra do Pilar

“Tinha acontecido a Revolução de Abril e os cristãos ensaiavam a renovação da sua prática litúrgica e interrogavam-se sobre como levar o espírito evangélico à cidade em turbulência. A essa cidade que se contempla de forma ímpar do terreiro defronte ao mosteiro e sobranceiro ao rio Douro.” Foto reproduzida da página da Comunidade Serra do Pilar.

 

Ao Domingo, pelas onze horas, cerca de 300 pessoas, isoladas ou em família, sobem a rampa do Mosteiro para a celebração da eucaristia, o encontro semanal da Comunidade e centro da sua vida religiosa.

Uns, vão a pé. São os que residem nas imediações e para quem o Mosteiro da Serra do Pilar (Gaia) sempre foi uma referência; para muitos a casa onde brincaram, cresceram, fizeram amigos, abriram horizontes e aprenderam a Fé.

Outros, chegam de carro, vindos dos quatro cantos da cidade. Foram aparecendo, desde que, no Outono de 74, o padre Arlindo Magalhães foi nomeado capelão e trouxe ao antigo convento (séc. XVII) dos cónegos regrantes de Sto. Agostinho as ideias do Vaticano II [o padre Arlindo morreu no passado dia 18; era ele que animava a Comunidade da Serra do Pilar, cuja experiência foi já descrita em outros textos do 7MARGENS].

Tinha acontecido a Revolução de Abril e os cristãos ensaiavam a renovação da sua prática litúrgica e interrogavam-se sobre como levar o espírito evangélico à cidade em turbulência. A essa cidade que se contempla de forma ímpar do terreiro defronte ao mosteiro e sobranceiro ao rio Douro.

Dos muitos que passaram por aqui, alguns ficaram, outros aparecem às vezes, num ritmo e lógica urbanos em que as pessoas se juntam por afinidades de preocupações e interesses.

Passando a porta, entra-se na igreja, de planta circular, com uma balaustrada a delimitar duas coroas concêntricas, como concêntrica é a imagem do Povo de Deus, voltados uns para os outros.

Mudo, a interpelar quem entra, está o móvel quase cúbico da Partilha Fraterna. Discreto, como o serviço que administra as ofertas que nele são colocadas. O Grupo da Partilha Fraterna constituiu-se em 1980, animado pelo Sr. Santos, para responder às inúmeras situações de carência com que a Comunidade era confrontada e que exigiam uma ação refletida e coordenada. Pretende-se partilhar não só com os elementos da Comunidade Cristã da Serra do Pilar mas também com os moradores na Escarpa e em toda a zona envolvente do Mosteiro. O conhecimento dos problemas chega através das pessoas ou entra porta adentro com as crianças da Catequese. Para além das ajudas financeiras e em bens materiais, o método é tentar criar uma rede de apoios e solidariedades que envolva as instituições públicas e privadas que atuam na zona e que abra as portas de hospitais, tribunais, empregos, etc. O desafio atual é conhecer mais profundamente as potencialidades de cada um, de forma a mobilizar as capacidades de toda a Comunidade para esta dimensão fundamental da vida cristã.

À porta está o Grupo do Acolhimento, primeiro responsável por receber quem chega. Formado nos primeiros tempos e contagiado pela alegria do Chico, desde cedo se tornou um dos traços característicos da Comunidade.

Foi através do Acolhimento que muitos sentiram que a Serra é a sua casa, onde cada um tem lugar e nome. O Serviço pretende ainda dinamizar o relacionamento e a interligação dos grupos que compõem a Comunidade (um momento privilegiado para isso é o Passeio anual) e tem uma complementaridade especial com o Serviço da Partilha Fraterna. É talvez necessário aprender a acolher à saída. Alguns cristãos retiraram-se do nosso convívio e nem sempre se indagam as razões e se aprende com elas.

Junto à entrada é possível encontrar a Água purificadora, na época que se segue ao Batismo das crianças. Este ocorre habitualmente na Páscoa, o tempo maior e foco de toda a Liturgia.

Um pouco à frente, já no interior da balaustrada, é o lugar da Palavra. Aí os leitores, iluminados pela Luz do círio pascal, proclamam os textos do dia. Deste grupo espera-se que junte à missão de ler o empenho em refletir os próprios textos.

À esquerda está o Serviço de Música. Assumido pelo grupo coral, cuja existência antecede a formação da própria Comunidade, foi um dos primeiros polos da sua construção. Tem como principal objetivo contribuir para que a Liturgia seja bela, viva e participada. Além disso, tem mantido uma atividade de divulgação musical com a realização regular de concertos. É importante manter a dinâmica de renovação que vem sendo seguida nos últimos tempos.

Do lado oposto, silenciosa, mas sempre presente, a Cruz de Jesus Cristo olha de frente e convida à Oração. Para além da Eucaristia dominical, a Comunidade tem à sua disposição um outro momento semanal, a Oração de Quinta-feira. Esta tem sido um espaço íntimo que a persistência de poucos tem mantido. Por lá passaram angústias e alegrias num profundo sentido de partilha. É urgente revalorizar este espaço e até fazer nascer outros grupos de Oração, possivelmente em locais mais convenientes para encontros em dias de trabalho.

Atrás da Cruz, sentam-se as crianças da Catequese quando, após uma liturgia da Palavra específica, na sacristia, se reúnem aos adultos, na igreja, para a liturgia Eucarística. Reforça-se assim a ideia de que todos têm o seu lugar e fazem falta na Assembleia, que é o ponto de encontro de toda a Comunidade.

A cadeira do Presbítero fecha o quarto vértice do losango. Para além de uma liturgia digna, sóbria e regularmente renovada, a grande força congregadora da Comunidade tem sido sobretudo a riqueza das homilias.

Oportunas, profundas e claras, dirigidas a homens concretos, cidadãos deste Mundo, resultam do facto de o Presbítero estar perfeitamente radicado na comunidade humana de que faz parte. Homem da Palavra e seu servidor por amor dos homens, seus irmãos, eis a tarefa do presbítero: anunciar aos homens a Palavra de libertação, não meramente escatológica, mas histórica.

Ao Presbítero cabem, de forma especial, três ministérios:

  • o serviço profético – todo o serviço da Palavra de Deus;
  • o serviço sacerdotal – funções entregues aos discípulos, nomeadamente a Eucaristia;
  • o serviço real – ligado ao governo do Povo de Deus.

Estes ministérios são também do Povo de Deus, no seu conjunto: povo de profetas, sacerdotes e reis.

Ao fundo da igreja, o altar-mor é hoje um elemento esquecido. A Mesa da Eucaristia foi-se, em passos sucessivos, aproximando dos cristãos para se encontrar hoje bem no centro da Assembleia. A Mesa é posta pelos ministros da Comunhão, que auxiliam o Presbítero no partir do Pão e na sua distribuição.

Num dos altares laterais encontra-se a imagem da Senhora do Pilar, com o Menino ao colo, que lhe esclarece o significado. É a padroeira do Mosteiro, especialmente invocada no dia da Assunção, uma das festas tradicionais de Gaia.

Lá do alto, junto da abóbada esférica, a imagem de Sto. Agostinho parece velar pela Comunidade, recordando que deve haver

no essencial, Unidade,
no acessório, Liberdade,
em tudo, Caridade.

Terminada a celebração, o Acolhimento entrega às pessoas a Folha Dominical, para ser lida durante a semana. Já à entrada tinha sido distribuída a Folha da Liturgia, com os textos da celebração. Se serve para compensar a má acústica do Mosteiro, permite também levar para casa a Palavra, prolongar-lhe o efeito e enviá-la aos amigos, pelo correio. Na Folha Dominical reproduzem-se textos de diversas origens e dão-se notícias da Comunidade. É desejável que os grupos e serviços aproveitem mais este importante meio para porem em comum as suas reflexões.

Os irmãos vão saindo e, conversando alegremente, partilham a sua vida com os amigos. Lá em baixo a vida espera.

 

Gabriel David é professor universitário e foi membro do Conselho da Comunidade da Serra do Pilar. Este texto foi originalmente publicado no verão de 1996.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This