À procura de um Reencontro

| 20 Set 2023

Ponte sobre o Trancão

A nova ponte sobre o Trancão: “Aconselho vivamente este Caminho do Tejo”. Foto © Henrique Dias

 

Nestes dias que correm velozes, plenos de interrogações no mundo, parto… a pé. Aproveito a “boleia” de um pequeno grupo de peregrinos para Fátima. Seguimos pela nova ponte sobre o rio Trancão e o Caminho pedonal ribeirinho, que vem complementar o Caminho do Tejo, rumo a Fátima ou a Santiago.

Aconselho vivamente este Caminho do Tejo, pois desenvolve-se na sua maior parte em belos trilhos, caminhos e estradas rurais.

Tempo para reset… especialmente espiritual, onde se procura “escutar” e descortinar os sinais indeléveis, mas subtis, de Deus, que se cruzam na nossa frente em cada momento que passa.

Neste longo e duro percurso, não vim pedir nada em especial para mim.
É tempo de rever o que é tão necessário aos outros… e de procurar sentido na minha vida com o próximo.
Dar sem medida, sem esperar recompensa…
Procurar não ser o primeiro a ser servido…
Auxiliar os últimos…
Nada temer… fazer a experiência de que só Deus basta.
Viver com o essencial… ser frugal. Sentir o esforço, a dor, a incomodidade do calor abrasador, da chuva torrencial, dos músculos a ranger…

E no meio disto tudo, focarmo-nos no essencial, a relação…

A relação comigo. Com os outros… Com os que conheço… Os que desconheço… A abertura pessoal para escutar o diferente, até aquilo que não é ao nosso gosto ou de todo não entendemos à primeira vista… Dizer e fazer em coerência…

Por vezes é difícil entender como na oração se pede a fraternidade, fidelidade, compaixão e em gestos simples do quotidiano nos equivocamos, negando o que por vezes acabámos por repetir, orando…

A “prova de algodão” da Fé que nos anima é sempre feita com a coerência dos gestos que concretizamos na nossa vida, minuto a minuto. De que serve falar sobre o bem se, afinal, no concreto da vida somos incapazes de o fazer com gestos reais e só semeamos hipocrisia e relatividade?

A conversão pessoal é um caminho árduo e longo, tal como este trilho. O seu destino? A Esperança. Não importa como será o detalhe desse horizonte final, mas acreditamos que vale a pena percorrer, subir, descer, escutar, fazer silêncio até sentirmos que “algo” nos impulsiona para o bem comum, pois só essa morada faz sentido e nos liberta em felicidade (tal qual este caminho).

Há quem ore por preceito, com a vida no concreto vazia de Deus, porque se convence que isso basta a uma entrada no Céu.

Há quem ore e meça com régua e esquadro as boas ações que faz, com o fito da recompensa final do Céu.

Mas fruto desta peregrinação, deixei de me preocupar com a recompensa do Céu.

Caminho Fátima, Santiago

O caminho para Fátima ou Santiago “desenvolve-se na sua maior parte em belos trilhos, caminhos e estradas rurais”. Foto © Henrique Dias.

 

Para mim orar é estar perto de Deus, HOJE, e escutar, sentir o que esse Pai me vai inspirando nesta minha vida frágil e cheia de erros. Confio que Ele saberá acompanhar-me até ao fim. Desconheço o que se segue depois e nada vou exigir em troca. Confio na Sua sabedoria final.

Tenho de me preocupar com o que faço hoje com o meu próximo, pois esse é o Reino que Ele me pede a mim e a tantos todos os dias: “O que fazes com o teu próximo?”

Dei por mim na “capela do silêncio do percurso” (espaço virtual por ser o último ao longo dos quilómetros, qual carro-vassoura a dar alento aos que estavam cansados) e, ao mesmo tempo, imaginar os longos percursos de Jesus com os seus apóstolos, com Maria e outras mulheres. Os relatos bíblicos dão pistas do caminho árduo, mas rico na relação.

Tal como aqueles apóstolos, todos temos sede do transcendente, dAquele que nos pacifica e, perante a adversidade, nos levanta, levando-nos ao colo sem darmos conta.

Levei horas em silêncio a recordar e orar por cada uma das pessoas que levava na minha “mochila”. Alguns pediram-me para o fazer, outros não, mas sei bem das histórias difíceis de muitos. E ser apóstolo é rezar por todos esses desafios duros de outros irmãos. Cruzei-me com muitos peregrinos, novos e velhos, todos a dizerem que precisam de caminhar, de procurar, por vezes nem têm nada a pedir, por vezes só a agradecer. E em cada um que escutamos, vamos descortinando pequenos sinais de Deus que nos fala…

Foi um gosto este peregrinar. Recomendo vivamente! Põe-te a caminho! Faz-nos mais desprendidos e centrados no próximo! Só assim, no caso dos católicos, nos colocamos numa Igreja Sinodal inspirada pelo Espírito Santo, mais consciente do rumo a tomar e que se faz ao largo!

E tu, quando partes como peregrino?

Abraço fraterno em Cristo.

 

Henrique Dias trabalhou em televisão, fez parte do Corpo Nacional de Escutas e está envolvido em dinâmicas da paróquia dos Olivais-Sul (Lisboa)

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This