A promessa “terrivelmente cristã”

| 13 Jan 22

André Luiz de Almeida Mendonça

Sessão de posse de André Luiz de Almeida Mendonça no STF. Foto © Isac Nóbrega

 

Em dezembro, a posse de André Mendonça como ministro do Supremo Tribunal Federal brasileiro foi destaque, consagrando a fase ultraconservadora do Brasil. O primeiro discurso de Mendonça após sua aprovação para o STF em 1º de dezembro focalizou a Bíblia, o indivíduo e a família, as mesmas “ideias-força” que vêm orientando a conjuntura política nacional desde 2015. Como um “bom calvinista”, ele destacou que não é merecedor de suas conquistas, mas se colocou como exemplo de esforço e dedicação, flertando, assim, com a “ideologia do sucesso” presente na “teologia da prosperidade” e em outros movimentos religiosos. Em referência à famosa frase do astronauta americano Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua, Mendonça disse sobre sua vitória: “É um passo para o homem, mas na história dos evangélicos do Brasil é um salto”, sinalizando que seu maior compromisso é representar o grupo evangélico no Supremo Tribunal Federal.

Em 2019, o Presidente Jair Bolsonaro afirmou que um dos ministros que indicaria para o STF seria “terrivelmente evangélico”, pois o “Estado é laico, mas nós somos cristãos […] e esse espírito deve estar presente em todos os nossos poderes”. Promessa feita, promessa cumprida. Na nomeação de Mendonça, e depois no culto de Ação de Graças após sua posse, Bolsonaro repetiu outra ideia-força presente em nosso contexto político, a liberdade: “O André hoje […] será mais uma pessoa ao lado da nossa Constituição, respeitando a Carta Magna, respeitando a democracia e, cada vez mais, lutando por um bem maior de todos nós, que é a nossa liberdade”. Assim, Bíblia, indivíduo, família, laicidade e liberdade são, portanto, o ponto arquimediano sob o qual gira o atual Governo brasileiro.

A olho nu, esses são princípios louváveis, e podemos perguntar: onde está, então, a fenda desses discursos? Primeiro, é preciso compreender o que é cada um desses princípios, isto é, quais são os seus conceitos. Depois, é importante ter claro que, como afirma Hannah Arendt na obra A dignidade da Política, “a doutrinação é perigosa por nascer principalmente não do conhecimento, mas da compreensão”. Ou seja, os discursos políticos podem não veicular esses princípios em si, mas a compreensão que os atores políticos têm deles, de acordo com suas vivências e interesses.

Uma compreensão ipsis litteris da Bíblia pode alimentar, por exemplo, uma visão de mundo exclusivista que tende a eliminar o diferente, opondo-se aos princípios constitucionais, que valoriza e resguarda a pluralidade. A noção de indivíduo ou individualidade, por outro lado, é fundamental em nossa cultura porque permite que sejamos reconhecidos como sujeitos de direitos e deveres. Mas quando o indivíduo é pensado isoladamente e seus interesses são estendidos somente ao seu núcleo familiar ou religioso, caímos em uma lógica excludente, o que no campo político é novamente inconstitucional e antidemocrático. O conceito de laicidade, em linhas gerais, significa que o Estado não adota uma confissão religiosa e não discrimina nenhuma religião. Assim, os magistrados têm o direito de confessar suas fés, como garante a Constituição a todos os cidadãos; o problema é quando essa confissão se sobrepõe à própria Constituição, faltando-lhes o entendimento e o respeito à pluralidade étnica, cultural e religiosa do país.

Quando ouvimos sobre liberdade, principalmente num contexto que envolve religião e política, é preciso esclarecer, como aponta Hannah Arendt também em A dignidade da Política (Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002, p. 40; 59-60) que “a liberdade que o cristianismo trouxe ao mundo significava estar livre da política”, e por isso “o único interesse que tem o cristianismo no governo secular é de proteger sua própria liberdade, é garantir que os que estão no poder permitam, entre outras liberdades, que se esteja livre da política”. Talvez, por essa razão, é mais importante proteger o direito à liberdade – e liberdade de culto, como fez Mendonça enquanto ministro da Advocacia-Geral da União (AGU) ao defender a abertura de igrejas e templos num momento que era preciso conter a disseminação da covid-19 [“Os verdadeiros cristãos não estão dispostos jamais a matar por sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”, disse ele] – que o direito à vida ou que o direito à igualdade. Devemos nos atentar, portanto, aos desgastes da nossa democracia e à colonização a que o judiciário está sendo submetido.

 

Maria Angélica Martins é socióloga e mestra em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Brasil. Pesquisa a relação entre fenómeno religioso e política com ênfase para o protestantismo histórico e o neocalvinismo holandês. 

 

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito”

Análise

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito” novidade

Sobre as leituras e as consequências do estudo divulgado há precisamente uma semana relativamente aos abusos na Arquidiocese de Munique, umas das principais da Alemanha, o mundo católico encontra-se em suspenso. Já esta sexta-feira, 28, espera-se o pronunciamento da diocese visada e tanto o Vaticano como Bento XVI anunciaram ir estudar atentamente o documento, tendo o Papa Emérito prometido responder.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Centro de Formação Cristã inaugura disciplina sobre ecologia integral

Diocese de Leiria-Fátima

Centro de Formação Cristã inaugura disciplina sobre ecologia integral novidade

A partir do próximo dia 8 de fevereiro, a Escola Diocesana Razões da Esperança (EDRE), do Centro de Cultura e Formação Cristã da Diocese de Leiria-Fátima, contará com uma novidade na sua oferta formativa: pela primeira vez e de forma mais sistematizada, será dada atenção às questões ambientais e ecológicas, na linha do que o Papa Francisco propõe na Encíclica Laudato Si’. A disciplina terá a designação de “Cuidar da Terra, cuidar do outros” e será lecionada por elementos da Rede Cuidar da Casa Comum, noticia a diocese no seu site.

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos novidade

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This