A prova dos caracóis

| 11 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

Como o trabalho voluntário em ambientes de incerteza e risco nos pode levar a viver valores que defendemos, mas que dificilmente concretizamos.

“O pai do pequeno Zé, menino que eu já me tinha habituado a acompanhar a casa, tinha preparado um panelão de caracóis para eu comer com eles!… e teve de ser!”. Foto © Marques Maia/Wikimedia Commons

 

Retomo e continuo a última crónica em que escrevia, recorrendo a um diário em que registei algumas notas, sobre o trabalho que fiz com 16 anos (em 1973) no Bairro do Relógio, em Lisboa, perto da Rotunda do Aeroporto, num Centro de Tempos Livres com crianças pobres em idade escolar.

Mais importante do que o planeamento de atividades no Centro de Tempos Livres, a sua concretização e o balanço que delas íamos fazendo, foi o Tempo dado que vivi nesses dias passados no Bairro do Relógio.

O Tempo dado só se diferenciava de todo este trabalho voluntário, por ser aquele que livremente nos dispúnhamos a dar fora do horário estipulado para atividades dentro do centro. Lembro-me que esta foi uma sugestão da assistente social que nos desafiou dando-nos inteira liberdade individual para a concretizar ou não.

Vamos então aos registos do que escrevi no meu diário:

 “(…) Hoje cheguei bastante cedo e já havia miúdos rondando o centro, tentando entrar. Uns trepavam as redes, outos saltavam para dentro. Enfim: um movimento inexplicável de crianças.

Algumas miúdas vieram ter comigo, com umas caras desejosas de saber do amor. Compreendi então que me tinha de dar na totalidade a todos se queria realmente trabalhar com eles.

(…) não sei bem como, mas a certa altura dei um lenço a uma miúda que tinha ficado encantada com ele quando eu a assoei de tudo o que tinha no nariz. Ficou tão contente com a prenda que se agarrou ao meu pescoço com tal força que senti dentro de mim uma tão grande alegria que, se tivesse 20 lenços, dava-os todos.

(…) Por fim, quando saíamos, sempre com muita dificuldade em deixar os lápis, a plasticina e os dados coloridos, íamos para a rua e víamos que havia já alguma ligação entre alguns de nós e os miúdos que se começavam a cativar mutuamente.”

Tornou-se um hábito sair com eles do Centro no final das atividades.

“(…) ao sairmos fiquei a falar com alguns dos miúdos e talvez por eles, ou por mim, conseguiram levar-me a dar uma volta. E foi uma volta que já mais esquecerei…”

A prova dos caracóis aconteceu numa dessas caminhadas que me habituei a fazer com os miúdos depois da atividade. Nessas voltas conversávamos mais à vontade e eles gostavam de me mostrar as casas e as famílias. Nem sempre me sentia muito à vontade, mas hoje reconheço que só “ganhei” na proximidade que fui conseguindo com aqueles miúdos que na sua humildade e gratidão me retribuíram muito para além do que eu dei.

Nunca tinha experimentado caracóis e para dizer a verdade só de pensar nisso dava-me volta ao estômago, mas nesse dia não havia volta a dar. O pai do pequeno Zé, menino que eu já me tinha habituado a acompanhar a casa, tinha preparado um panelão de caracóis para eu comer com eles!… e teve de ser!

E, surpresa… gostei!

Recordo com uma emoção muito especial, sempre que volto a comê-los, essa prova dos caracóis que agradeci do fundo do coração por me ter ensinado a receber de mãos abertas o que é diferente e nem sempre fácil, desde que seja sinal de amor e amizade.

 

Lisboa, Junho de 2019

 

Ana Cordovil é pintora

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco