A que nos inspira a encíclica Laudato Si’? Vaticano sugere 200 medidas práticas

| 23 Jun 20

Clima. manifestação. Nova Iorque.

Marcha pelo clima, em Setembro de 2019, em Nova Iorque, com cerca de 60 mil jovens: “Não podemos voltar para trás e o documento do Vaticano pretende dizer como avançar. Foto © Marcelo Schneider/WCC

 

“E nós, o que devemos fazer?”, era a questão que, para muitos, surgia na conclusão da leitura da encíclica Laudato Si’, sobre cuja publicação acaba de se passar o quinto aniversário. Para assinalar a data, diversas entidades do Vaticano trabalharam em conjunto e divulgaram na passada quinta-feira, 18 de Junho, um documento com as respostas: trata-se de um manual com mais de 200 recomendações práticas que pretendem que a encíclica ecológica e social do Papa Francisco saia do papel e se transforme em ações concretas.

“A caminho para o cuidado da casa comum – Cinco anos depois da Laudato Si’” é o título do documento (para já, disponível em italiano), coordenado pela mesa interdicasterial da Santa Sé sobre a ecologia integral, e que apresenta a “sobriedade”, o “consumo responsável” e o “uso de energias renováveis” como chaves para uma mudança na relação das pessoas com a natureza.

Entre as ações sugeridas às comunidades católicas de todo o mundo, estão a abolição do uso de plásticos descartáveis, a partilha de veículos, a opção por um consumo “crítico e circular” e a dinamização de ações de formação sobre a ecologia, bem como a promoção de um maior contacto com a natureza entre os mais jovens.

No documento, o Vaticano apela ainda a uma economia com menor impacto ambiental, sem subsídios para empresas que utilizem energias fósseis e com aplicação de taxas para as emissões de dióxido de carbono.

Há também propostas no âmbito da saúde e defesa da vida, e ainda em relação à dimensão espiritual, onde se sugere a colaboração entre as diversas igrejas e comunidades religiosas para encorajar um “estilo de vida profético, contemplativo e sóbrio”. As questões ecológicas deverão ser incluídas no ensino da Igreja Católica, da catequese às universidades. A estas últimas, pede-se um investimento no estudo sobre as alterações climáticas.

O documento já foi aplaudido pelo Movimento Católico Global pelo Clima. “É um marco importante que o Vaticano tenha publicado as primeiras orientações práticas da Igreja Católica para pôr em prática os princípios da encíclica Laudato Si’”, afirmou o diretor executivo da organização, Tomás Insua. “O nível de detalhe das diretrizes é notável e profético.”

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This