Conferência de Imprensa no Vaticano

A reforma da Cúria explicada aos jornalistas

| 21 Mar 2022

Captura de ecrã 2022-03-21, às 23.37.52

 

Alguns esclarecimentos sobre como entender a reforma da Cúria Romana decretada a 19 de março pelo Papa Francisco (ver 7MARGENS) foram hoje, 21 de março, prestadas por responsáveis do Vaticano durante uma conferência de Imprensa que se prolongou por mais de duas horas e que pode ser vista em italiano no Youtube.

O bispo Marco Mellino, secretário do conselho de cardeais que Francisco reuniu como seu conselho privado, o padre jesuíta Gianfranco Ghirlanda e o cardeal Marcello Semeraro, prefeito do Dicastério para a Causa dos Santos, foram os participantes na conferência de Imprensa que serviu para apresentação da constituição Praedicare Evangelium que reforma a Cúria Romana.

Na sequência dos esclarecimentos prestados, quase toda a imprensa especialista sublinha três novidades centrais: o reforço da centralidade do sucessor de Pedro (que presidirá ao novo, e primeiro em importância, Dicastério para a Evangelização); a importância acrescida das conferências episcopais nacionais (52 vezes referidas no documento); e a possibilidade de leigos e leigas serem nomeados para chefiarem os dicastérios – designação que abrange, agora, todos os departamentos de “governo” do Vaticano, antes ditos “congregações” ou “conselhos pontifícios”.

Além destes três pontos, a agência Catholic News releva também o facto de a Secretaria de Estado se reduzir ao papel de secretariado do Papa, diminuindo, assim, a importância que chegou a ter em recentes papados (no de Paulo VI, por exemplo), em que o cardeal Secretário de Estado era visto como “primeiro-ministro” do Vaticano e candidato à sucessão papal. A agência refere ainda a redução da importância da Câmara Apostólica – “mini-Governo” da Igreja constituído para gerir o Vaticano após a morte do Papa e até à escolha do seu sucessor – instituído no séc. XII. Mas maior redução de importância sofreu o lugar do cardeal da ex-Congregação Propaganda Fidei que foi integrada no Dicastério da Evangelização presidido pelo próprio Papa. Desaparece assim um cargo que, recorda a Catholic News, tinha tanto poder (financeiro e outro) que quem o ocupava era tido como o “Papa Vermelho”.

De acordo com esta análise, ganha importância a ação social do Vaticano na medida em que o esmoler papal passa a ocupar o cargo de prefeito do novo Dicastério do Serviço da Caridade. Porém, uma das grandes alterações é o facto de, a partir da publicação do texto definitivo, os novos nomeados para liderarem os dicastérios terem mandatos de cinco anos, podendo ser reconduzidos uma única vez. Disposição que, concluiu a Catholic News, “serve para minar o carreirismo, desvinculando as cadeias de poder formadas quando as pessoas permanecem nos dicastérios por muito tempo.”

Uma última nota para uma “gralha” no documento, no artigo que dizia respeito à missa tradicional. Apesar de estar indicado no artigo 93 que “o Dicastério (para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos) ocupa-se da regulamentação e da disciplina da sagrada liturgia no que diz respeito à forma extraordinária do Rito Romano”, Marco Mellino afirmou que esse ponto teria de ser revisto, já que a sua redação era anterior ao documento Traditionis Custodes, publicado pelo Papa Francisco em julho de 2021. Não ficou claro, para os jornalistas presentes, que tipo de alterações seriam feitas a esse ponto, mas apenas que “o Papa já havia sido informado desta questão”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This