A religião e os outros

| 24 Jun 20

Os profissionais de saúde são dos sectores da população mais atingidos pela covid-19 em todo o mundo, quer pelo perigo de infecção quer pelas consequências do stresse. Mas há formas de combater essa vulnerabilidade emocional.

 

A razão pela qual médicos, enfermeiros e técnicos de saúde em geral são dos mais expostos ao vírus não se deve apenas ao facto de trabalharem com população infectada, mas sobretudo por muitas vezes não disporem de condições adequadas para desempenhar o seu trabalho com segurança. Já dos efeitos emocionais de quem trabalha na frente da “batalha” muito dificilmente alguém se livra, de acordo com estudos anteriores.

Recentemente foi publicada uma investigação por investigadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, a partir duma amostra de cerca de 100 mil indivíduos, enfermeiras e outros profissionais de saúde de ambos os sexos, que durou décadas a realizar. A pesquisa era centrada na temática do bem-estar dos profissionais de saúde nos Estados Unidos e veio publicada na revista JAMA Psychiatry intitulada “Religious Service Attendance and Deaths Related to Drugs, Alcohol, and Suicide Among US Health Care Professionals”.

Com surpresa – ou talvez não – o estudo sugere que os profissionais que frequentam serviços religiosos com regularidade apresentam um menor risco de morte relacionada com o álcool, drogas ou suicídio, conhecidas em conjunto como mortes por desespero. No caso das mulheres esse risco reduz-se em cerca de 68 por cento e nos homens 33 por cento.

As conclusões do estudo conferem com evidências anteriores, mostrando que a assistência a serviços religiosos estará inversamente associada à mortalidade em geral, como também aos riscos de morte por desespero, e positivamente associada a resultados de bem-estar psicossocial e à saúde subsequente em comparação com outros aspectos da integração social. Apesar disso, os investigadores também observaram que outras formas de integração social também estarão associadas à saúde e ao bem-estar, embora de forma menos substancial.

Estes resultados revelaram-se especialmente impressionantes durante a presente pandemia devido a dois factores conjuntos. Primeiro, porque os profissionais de saúde têm vindo a enfrentar condições de trabalho muito duras, mas também porque a maior parte dos serviços religiosos foram suspensos por confinamento profiláctico.

Já em 2018 a Universidade de San António, Texas, tinha desenvolvido uma investigação – cujo resumo foi publicado pelo Sleep Health, da National Sleep Foundation – onde se concluía que as pessoas que frequentavam cultos religiosos e mantinham hábitos de oração tendiam a apresentar resultados mais saudáveis no sono do que os seus pares menos religiosos, limitando a excitação mental, química e fisiológica associada a sofrimento psicológico, uso de substâncias, exposição ao stresse e carga alostática.

Trata-se de um padrão geral que pode ser observado em grandes estudos populacionais nos Estados Unidos. Embora numerosos estudos empíricos mostrem que o envolvimento religioso está associado a uma saúde melhor e a maior expectativa de vida, durante muito tempo a investigação quase ignorou as possíveis correlações entre envolvimento religioso e sono.

Pode-se dizer que o factor religioso interfere essencialmente em dois âmbitos. Desde logo o individual, que remete para a transcendência e que responde às necessidades espirituais do humano, dele resultando uma sensação de completude que assume especial importância em tempos de niilismo, de perda de valores e de solitude. Mas a dimensão colectiva é igualmente relevante, pois a religião funciona na base de um carácter gregário (ao contrário de algumas espiritualidades) e responde às necessidades inerentes ao sentimento de pertença, assim como das relações interpessoais através das quais nos construímos como pessoas, como considerava o notável psicólogo Carl Rogers em Tornar-se pessoa.

É cada vez mais difícil ao indivíduo pós-moderno admitir que precisa dos outros para se construir a si próprio com vista à sua harmonia interior, quando pontifica na sociedade o hiperindividualismo. O primado da pessoa, trazido pela Modernidade, isto é, a autodeterminação individual que foi desconhecida durante séculos a fio, não impede que cada um seja o “capitão da sua alma” – no sentido de decidir a sua vida sem dependências doentias – mas, pelo contrário, reforça a necessidade da convivência com os outros que são diferentes de mim, de modo a que eu me edifique tendo em conta as referências positivas que me rodeiam mas também as negativas, porque não somos talhados para o isolamento.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cardeal Tolentino Mendonça preside ao 13 de maio em Fátima

O cardeal José Tolentino Mendonça irá presidir à peregrinação aniversária de maio no Santuário de Fátima. A informação foi avançada à revista Família Cristã esta sexta-feira, 9 de abril, pelo também cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima.

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Monge condenado a dois anos de cadeia na Turquia por dar comida

O padre Sefer Bileçen, padre Aho no nome monástico, da Igreja Siríaca Ortodoxa, ofereceu comida a um grupo que bateu à porta do seu mosteiro. O Ministério Público turco disse que o grupo era do PKK e acusa-o de prestar auxílio a uma organização terrorista, como o Governo turco considera o PKK, que reivindica há décadas a independência do Curdistão.

Bênção de uniões homossexuais em debate na TSF

“Há portas que não devem ser fechadas, porque Deus é que está do outro lado dessas portas”, dizia, a terminar o debate, Jorge Teixeira da Cunha, padre e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. No programa Olhe Que Não, que passou nesta quarta-feira, 7 de abril, ao início da tarde, na TSF, com moderação do jornalista Pedro Pinheiro, discutiu-se o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, que respondia “negativo” a uma pergunta sobre se a Igreja não pode abençoar uniões homossexuais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Liberdade ou o valor das pequenas coisas novidade

Vivemos dezenas de anos cheios de momentos especiais e de benefícios que insistimos em banalizar porque estavam ao nosso alcance, diria mesmo garantidos. Era pelo menos o que pensávamos. Atualmente parece que começamos a conhecer o valor das pequenas coisas e, se assim é, estamos a aprender uma grande lição.Muitas pessoas perdem tempo (gostava de poder dizer – perdiam) com detalhes que as coisificam.

Persistência da desigualdade: O que Kuznets não viu novidade

A área das desigualdades tem um problema que muitas outras áreas da economia não têm: falta de dados. Esta situação deve-se não só ao facto de no passado não se ter registado da melhor forma, ou de todo, dados a nível de desigualdades, como também ao facto de não ser fácil aferir a realidade, por exemplo, dos rendimentos mais altos da sociedade, para chegar aos indicadores.

A necessidade de fricção na comunicação

A comunicação é a capacidade que o ser humano desenvolveu para sobreviver ao longo dos milénios da nossa existência sobre a Terra. Por isso, qualquer coisa que afecta a nossa capacidade de comunicar, afecta a nossa sobrevivência. Assim, é legítimo questionar o que os meios de comunicação estão a fazer ao nosso modo de comunicar. Não me refiro, propriamente, aos que protagonizam esses meios, como os jornalistas, mas aos meios em si, sobretudo, os mais recentes como os que encontramos nos nossos telemóveis.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This