A Religião perdeu a espiritualidade, ou foi esta que se tornou religiosa?

| 29 Mai 19

Muito se fala hoje em espiritualidade procurando distingui-la de religião. No fundo, o que se pretende é aceder à Transcendência sem uma mediação institucional, em parte devido à péssima carga histórica de conflitualidade que as religiões carregam, devido à tentação do poder.

De certo modo pode dizer-se que a religião institucionalizada falhou em parte na sua missão, por várias ordens de razões. Desde logo porque a sua praxispode ser algo castradora, mas também devido ao excesso de ritualização a que obriga. Sabemos da importância de uma liturgia de culto minimamente estruturada numa religião de dimensão universal, em particular devido à importância da simbólica, que é fundamental nas religiões e geradora de sentido e orientação catequética.

Mas uma ordem de culto – como outras dimensões práticas da expressão da fé – extremamente rígida acaba por matar alguma espontaneidade, que é inerente à vida humana e à expressão das emoções, podendo levar à perda de sentido intrínseco. Os actos repetitivos, até à exaustão, tendem a perder o seu significado, sendo executados em perda de sentido. Mesmo que não queiramos essa é uma limitação do comportamento humano. É por isso que rituais como tomar banho, lavar os dentes ou subir no elevador do nosso prédio são normalmente executados sem pensar, de forma mecânica.

Outra questão que sugere a falência parcial da religião institucionalizada acontece sempre que os seus princípios doutrinários se encontram afastados da realidade da vida, devido ao difícil equilíbrio entre a tradição religiosa e a sociedade contemporânea, que se caracteriza por ser altamente dinâmica. Os crentes apercebem-se e sofrem na pele esta discrepância, que não compreendem e que provoca o seu espírito crítico. Muitos optam por filtrar tais orientações, deixando de lado aquilo com que não concordam. No caso português ouvimos muitos católicos confessos dizerem: “Sou católico mas não concordo com…”

Entretanto a questão mais grave será talvez a dos maus exemplos dados ao longo da história pelas estruturas das instituições religiosas. Desde logo as guerras, perseguições e opressões que promovem, mas também aquela irritante tendência para se queixarem de falta de liberdade nas regiões onde são minoritárias, enquanto vão gozando de privilégios onde constituem a maioria, por vezes até desenvolvendo mancebia com o poder secular, não se importando com a falta de direitos dos sectores religiosos aí em minoria, o que lhes retira toda a moral em termos globais. O que está na onda mediática é o abuso sexual de sacerdotes católicos no mundo, embora se registem casos de outras comunidades religiosas com o mesmo tipo de problemas. Mas os maus exemplos são inúmeros, como se sabe, também em matéria de manobras políticas e de corrupção.

Por outro lado, a Modernidade trouxe o primado da pessoa sobre o colectivo e do indivíduo sobre o grupo, pelo que as pessoas já não se sujeitam a orientações superiores de forma acéfala, sem questionar a sua legitimidade e razoabilidade. E se umas o fazem com base no bom senso outras há que tendem a discutir tais questões até mesmo em termos teológicos e científicos.

Por fim, a secularização levou as sociedades ocidentais do materialismo – enquanto utopia da felicidade que desembocou em desencanto – a uma nova busca de sentido e a formas de espiritualidade que muitas expressões religiosas não conseguiram oferecer. A importância do auto-conhecimento, auto-controlo, relaxamento e práticas de meditação, por exemplo, começaram a dar às pessoas aquilo que os dogmas, as liturgias rígidas, as penitências e o eterno peso da culpa não conseguiram. 

Tanto a religião como a espiritualidade podem revelar-se como vias falsas para obter uma relação com Deus. Se a religião tem frequentemente tendência para substituir uma relação genuína com Deus pela observância fria de rituais, por sua vez a espiritualidade tende a substituir tal relação por uma falsa conexão com o mundo espiritual.

Dizia Pedro Abrunhosa em entrevista ao jornal Público (30/11/18): “Vivemos um período de profunda agonia espiritual. A palavra espírito, na sua génese, quer dizer força vital. Uma palavra que está associada ao início do pensamento não mitológico, que faz uma clivagem entre o pensamento reflexivo e o não-reflexivo. Portanto, espírito não é apenas uma coisa religiosa. Para mim é a atitude perante a profundidade, a diferença entre o ser e o parecer.”

Mais preocupadas com as questões do poder, as instituições religiosas passaram muitas vezes ao lado dos anseios profundos da alma humana, da valorização e “empoderamento” do indivíduo, que é muito mais do que um número ou uma ovelha passiva e descartável do rebanho espiritual. E aí entrou o coaching religioso, a auto-ajuda e as novas propostas metafísicas.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Asteroide batizado com nome de astrónomo jesuíta do Vaticano

O asteroide, designado 119248 Corbally, tem cerca de um quilómetro e meio de diâmetro e foi descoberto a 10 de setembro de 2001 por Roy Tucker, engenheiro recentemente reformado, que trabalhou na construção e manutenção dos telescópios usados pelo padre jesuíta.

“Lei de naturalização dos sefarditas” num debate em vídeo

“A lei de naturalização dos sefarditas” é o tema de um debate promovido pela Associação Sedes, nesta quinta-feira, dia 2 de Julho, entre as 18h e as 20h. A iniciativa conta com a participação de Maria de Belém Roseira e José Ribeiro e Castro, dois dos mais destacados opositores à proposta de alteração à lei da nacionalidade apresentada pela deputada Constança Urbano de Sousa (PS).

Morreu Georg Ratzinger, irmão de Bento XVI

Georg Ratzinger, 96 anos, irmão de Joseph Ratzinger, que foi o Papa Bento XVI, morreu na manhã desta quarta-feira, em Ratisbona, cidade alemã onde viveu grande parte da sua vida.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

Economista social ou socioeconomista? novidade

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

O valor da vida não tem variações

Na verdade, o valor da vida humana não tem variações. Não é quantitativo (não se mede em anos ou de acordo com qualquer outro critério), é qualitativo. A dignidade da pessoa deriva do simples facto de ela ser membro da espécie humana, não de qualquer atributo ou capacidade que possa variar em grau ou que possa ser adquirido ou perder-se nalguma fase da existência. Depende do que ela é, não do que ela faz ou pode fazer.

Iniciativa Educação: Uma janela aberta à aprendizagem

Há uns anos – ainda era professora do ensino secundário –, uma pessoa amiga tinha duas filhas com personalidades muito diferentes. Foi chamada à escola do 1º ciclo do ensino básico. A professora disse-lhe que a filha mais nova não conseguira chegar aos objectivos propostos e que caberia a ela, mãe e responsável pela educanda, decidir se a filha deveria passar para o ano seguinte ou não.

Cultura e artes

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Aprender a falar com feijões

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Sedutora viagem no espaço e no tempo

O autor, arquitecto de formação universitária inicial – algo de relevante para entendermos esta obra fascinante – é sacerdote jesuíta, aspecto que, de imediato, identifica uma singularidade do olhar marcada pelos exercícios espirituais inacianos. Que lugar desempenhará, então, esse fragmento que interrompe o título – [Gráfico], onde uma outra convocação estética, de coabitação do textual e do visual se indicia?

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco