Cécile Renouard

A religiosa que silenciosamente iniciou uma revolução ecológica

| 19 Ago 2021

Cécile Renouard, Casa comum, ecologia

Cécile Renouard, freira francesa, religiosa da Assunção, fundadora do Campus da Trasição. Foto © Nyspelache/ Wikimedia Commons

 

Cécile Renouard é uma religiosa da Assunção que há muito faz das preocupações ambientais o seu modo de vida e de fé. O Papa Francisco e o patriarca ortodoxo Bartolomeu I de Constantinopla ajudaram a fazer das preocupações ecológicas – ou do “cuidado com a criação”, como eles diriam – questões mais centrais para os cristãos em todo o mundo. Mas muitos homens e as comunidades religiosas femininas há muito tempo são as pioneiras na luta pela justiça ecológica, proteção ambiental e um uso mais responsável dos recursos da terra.

A irmã Cécile Renouard, nascida em 1968 em Paris, ingressou na sua congregação religiosa em 1991 e obteve um doutoramento em filosofia política, com especialização em ética social. Publicou já várias obras nomeadamente sobre ética das empresas, área a que tem dedicado a sua investigação, além de ensinar em várias escolas, entre as quais o Centro Sèvres, a faculdade de teologia dos jesuítas em Paris, e o Sciences Po, Instituto de Ciências Políticas.

Em 2017, na sequência dos seus trabalhos e parcerias com empresas, organizações não-governamentais e agências de desenvolvimento, fundou o chamado Campus da Transição, que pretende ajudar as pessoas a encontrar maneiras mais sustentáveis de viver e interagir.

Em entrevista à edição internacional do jornal La Croix, Cécile Renouard explicou que pretendeu “criar uma estrutura mais leve e flexível que as grandes escolas, universidades e grandes empresas”. E justificou: “Essas instituições têm dificuldade em mexer-se, enquanto o Campus é um lugar para experimentar a transição ecológica e formar jovens que não estão desligados da realidade do terreno.”

Para o efeito, a congregação religiosa da irmã Cécile disponibilizou uma propriedade em Forge para desenvolver o projeto. “Mas o Campus não é confessional”, avisa. “Recebemos alunos de todas as convicções religiosas ou espirituais e esforçamo-nos por estabelecer parcerias com várias instituições públicas, especialmente universidades.”

Os verbos aprender e fazer conjugam-se na mesma frase, e na mesma ideia: “Aprendemos fazendo, como a trabalhar na reforma ecológica de prédios antigos. No primeiro inverno, o meu quarto estava a 15°C! Desde então, os alunos fizeram alguns trabalhos de isolamento, obtivemos financiamento para trocar janelas, etc.. E as coisas estão a melhorar gradualmente”, exemplifica.

Para a religiosa, “os aspetos ecológicos devem ser articulados com os seus aspetos sociais”. Com as comunidades próximas estamos a discutir o desenvolvimento de boleias (partilha de veículos), bicicletas elétricas, etc. Também estamos a iniciar um projeto de baixa tecnologia e baixa tecnologia carbónica para serem implantadas no Campus. As pessoas que vêm aqui experimentam um estilo de vida mais ecológico, mas que não é castigador.”

 

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This