Futebol

A república do ludopédio

| 9 Jun 21

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Futebol

“Estamos numa espécie de república não das bananas mas do futebol, onde este desporto continua a condicionar os governos e com o olho no negócio em vez de se preocuparem com a segurança e a saúde públicas. Foto © Jannik Skorna / Unsplash

 

Primeiro foram os festejos do Sporting campeão nacional de futebol, mas condescendeu-se porque o clube não ganhava um campeonato há dezanove anos. Foi o que se viu. Depois foi a final da Champions no Porto, e voltou a condescender-se porque eram estrangeiros, queríamos fazer o favor à UEFA e atrair turistas estrangeiros durante o Verão. Foi o que se viu.

Pelo meio a Direção-Geral de Saúde recusou o pedido para que a final do campeonato de râguebi tivesse 500 adeptos mas um impacto mediático irrelevante. Porém, o mesmo organismo nada disse sobre os 15000 adeptos presentes na final da Liga dos Campeões, que é um evento global.

Na sua cruzada demagógica contra a capital, Rui Moreira criticou a Câmara Municipal de Lisboa e o Governo pelo que correu mal nos festejos do clube lisboeta, mas depois acabou por querer justificar as cenas lamentáveis ocorridas na Ribeira do Porto, que foi ainda muito pior, com a agravante de querer promover os festejos populares do S. João como se não houvesse pandemia. No fundo é apenas mais um político a surfar a onda oportunista como os outros.

Face à crítica velada do Presidente da República, António Costa procurou separar os ingleses que chegaram uns dias antes (a que chamou “turistas”) dos que vieram no próprio dia, apenas para assistir ao jogo (a que chamou “adeptos”). Já Pinto da Costa, usando e abusando da sua habitual hipocrisia, veio pedir a demissão do primeiro-ministro porque não pode ter público no pavilhão de basquetebol e na linha de pressão intolerável que a Liga (LPFP) e os principais clubes têm exercido continuamente sobre o Governo para permitir o regresso aos estádios em plena pandemia e sem a população ter atingido ainda a imunidade de grupo. Pinto da Costa perdeu a noção de quem é, mas com a habilidade e chico-espertice que se lhe reconhece tentou desviar as atenções do recrudescimento da pandemia na sua casa.

No fundo estamos numa espécie de república não das bananas mas do futebol, onde este desporto continua a condicionar os governos e com o olho no negócio em vez de se preocuparem com a segurança e a saúde públicas. A tentativa recente e felizmente frustrada da criação duma Superliga Europeia por parte dos clubes milionários no desprezo total pelas populações e pelo próprio desporto revelam o imenso poder que o futebol assumiu.

Tirando Rui Rio – honra lhe seja feita – quase não há um político que não tente insinuar-se junto de um dos maiores clubes para assegurar visibilidade pública nas televisões ou aparecer na tribuna de honra para capitalizar popularidade junto dos adeptos. Os salões nobres das autarquias viraram salas de recepção dos que ganham alguma medalha no desporto, e até Marcelo Rebelo de Sousa exagera nos encómios hiperbólicos a quem quer que ganhe quaisquer competições desportivas. Só falta as de carica ou chinquilho.

Portugal curvou-se mais uma vez aos interesses estrangeiros, ao atribuir em diploma isenção de IRC e IRS às estruturas e cidadãos estrangeiros envolvidos na final da Liga dos Campeões. O constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia considera-o inconstitucional e descreve a referida isenção “vexatório daquilo que há de mais elementar nos valores que subjazem a um Estado de Direito que se queira dar ao respeito, e que sobretudo não se queira ‘agachar’ a interesses espúrios”. Em exposição à provedora de Justiça pede que solicite ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva abstrata da constitucionalidade do diploma, pois em seu entender “terão sido violados os princípios constitucionais do Estado de Direito, da igualdade, da proporcionalidade, da constitucionalidade, da generalidade, da abstração e da prospectividade das leis.”

Mas o pior de tudo é que o país acabou penalizado por facilitar a vida à UEFA e aos clubes ingleses que disputaram a final, uma vez que, cinco dias volvidos, Londres retirou o país da “lista verde”. Já se conhecia o velho cinismo britânico que nos voltou a trair pois o evento trouxe a Portugal mais de 16 mil adeptos ingleses, parte dos quais se envolveram em desacatos e desrespeitaram as normas de segurança sanitária no País.

Até dá vontade de tomar como justa a crítica dos que consideram que o Reino Unido nos abriu o “corredor verde” apenas para o Chelsea e o City poderem jogar a sua final, que mais ninguém podia ou queria receber, e puxou-nos o tapete logo a seguir, não se tratando, portanto, duma decisão sanitária mas política, até porque o espertalhão do Boris quer que os ingleses gastem o dinheiro em casa e ajudem a economia doméstica.

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque continuamos a ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Homenageando o artesanato

Os novos tempos transformaram, ainda que provisoriamente, os hábitos que muitos de nós tínhamos bem arreigados. O conceito de descanso, tantas vezes associado a férias em paragens longínquas, passou a contemplar simplesmente sair de casa e chegar-se a destinos que, apesar de próximos, não tinham ainda sido, para muitos, explorados.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco