A resposta do cardeal Tolentino ao secretário-geral Guterres (e o livro como sonda apontada ao futuro)

| 25 Out 20

“Os livros fizeram a Europa”, disse Tolentino Mendonça, ao receber o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva. Guterres interpelou o bibliotecário da Santa Sé através de vídeo e o cardeal respondeu com três palavras. E disse que os livros são “telescópios e sondas apontados ao futuro.”

Guilherme d’Oliveira Martins, da Europa Nostra-Portugal, Maria Calado, presidente do Centro Nacional de Cultura, e a ministra Graça Fonseca, depois de entregarem o Prémio ao cardeal Tolentino. Foto captada da transmissão em vídeo.

 

E como responde o cardeal Tolentino Mendonça, bibliotecário e arquivista da Santa Sé, à pergunta do secretário-geral das Nações Unidas? António Guterres questionara, na mensagem por vídeo: “De que modo pode a cultura contribuir para a amizade social, de que o Papa fala na encíclica Fratelli Tutti?”

O secretário-geral foi uma das pessoas que interveio na sessão de entrega, ao cardeal português, do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2020, que decorreu ao fim do dia de sexta-feira, 23, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

A distinção, disse Guterres, é um “justo reconhecimento para um dos mais destacados homens de cultura” de Portugal e na actualidade, que tem reunido “as facetas de homem de fé, homem da cultura e de conhecedor da realidade humana”. Uma voz “singular” que chega a “sensibilidades muito distintas”, afirmou.

O cardeal respondeu à pergunta de Guterres com “três palavras: curiosidade, encontro e futuro. A cultura “ensina-nos o interesse pelos outros” e sobre a “importância vital da curiosidade”, afirmou, citando o jesuíta Matteo Ricci, evangelizador da China: “O meu amigo é a outra metade de mim.”

“Quer a amizade social quer a cultura são verdadeiramente a celebração de um encontro inesperado, diverso, necessariamente dialógico”, acrescentou, acerca da segunda palavra. Uma dimensão que traz “a capacidade do espanto, a capacidade da escuta, o tempo necessário para tornar precioso o próprio encontro”.

Também “na amizade social e na cultura percebemos que há um futuro para cada um de nós que é indissociável da relação com o outro”, como reflecte a expressão do Papa de que “estamos todos no mesmo barco”. “Tenho sempre a noção clara de que sou, do princípio da minha vida até ao fim, uma obra dos outros; sem esse encontro com a alteridade, eu não seria, eu não pensaria, eu não escreveria”, disse ainda, agradecendo as palavras que os diferentes intervenientes lhe haviam dirigido.

Na sessão, interveio também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que, numa mensagem em vídeo, se referiu ao premiado como “património cultural imaterial” português. A ministra da Cultura, Graça Fonseca, falou do “ofício de paciência de Tolentino” como sendo “sempre um ofício cantante e, como gosta de dizer, um ofício incerto, fundamentalmente criador do divino no humano”. Tolentino é alguém que, com a universalidade de “poeta, erudito, homem da cultura, mensageiro de valores”, cumpre o “sentido essencial” da palavra “católico”, afirmou.

A sérvia Sneska Quaedvlieg-Mihailović, secretária-geral da Europa Nostra, instituição associada ao Centro Nacional de Cultura e ao Clube Português de Imprensa na atribuição do prémio, notou não ser uma “mera coincidência a celebração dos 225 anos de Beethoven e a última encíclica do Papa Francisco”. E Isabel Mota, presidente da Gulbenkian, anunciou que, em 2021, a Fundação exporá dois desenhos de Boticelli, guardados na Biblioteca do Vaticano, e que são alusivos à Divina Comédia, nos 700 anos da morte do poeta Dante Alighieri.

 

“O livro já não é a grande metáfora”

Biblioteca do Trinity College, em Dublin: “Estamos, diz-se, a chegar ao fim da era do livro”… Foto © António Marujo/7MARGENS

 

Tolentino Mendonça falou de Helena Vaz da Silva, que dá nome ao prémio, como alguém que conheceu “por interposta pessoa”, o seu marido, Alberto. A amizade que com ele manteve foi uma forma de se avizinhar de Helena, “olhando-a através da mais poderosa das lentes, que é aquela do amor”.

“Estamos, diz-se, a chegar ao fim da era do livro”, que “já não é a grande metáfora”, afirmou depois o cardeal Tolentino. “Quer como artefactos quer como transmissores de uma determinada conceptualização moral da vida”, os livros já não representam “o principal foco de energia da nossa civilização”, como referia George Steiner, já da década de 1960.

“Nessa função o livro foi substituído pelo écran”, diante do qual “cada um de nós passa hoje mais tempo” do que diante de um livro. “E são múltiplos os écrans que massivamente se disseminam nos nossos quotidianos e os moldam, veiculando assim o impacto da revolução digital na nossa época e a interferência sempre maior da tecnologia na comunicação humana.” Mas esse foi o lugar, afirmou Tolentino Mendonça, “que por séculos esteve reservado à página e ao texto manuscrito ou impresso”.

O cardeal referiu ainda haver quem pense que mais do que de “crepúsculo” se deveria falar de “transformação”: a forma actual do livro em papel “é uma etapa de uma história mais longa, que começou pelos textos gravados em pedras, em tábuas de argila” e que “continuará o seu caminho”. Mas, “por mais variações que se introduzam, o que teremos entre as mãos continuará a ser um livro”.

 

As múltiplas invenções da civilização que inventou o livro

Tolentino Mendonça: “Quem inventou o livro inventou o silêncio da leitura.” Foto captada da transmissão em vídeo.

 

Por essa razão, Tolentino Mendonça defendeu o livro e a civilização que o criou: “Não podemos esquecer que a civilização que inventou o livro tal como até aqui o conhecemos inventou também as condições requeridas para a sua leitura e que essas nos modelaram antropologicamente durante séculos e que essas constituem um património cultural que precisamos de preservar. Pois quem inventou o livro inventou o silêncio da leitura, inventou essa forma íntima de temporalidade que torna o encontro com o livro indissociável do encontro connosco próprios.”

Esta mesma civilização, acrescentou, “inventou a atenção, a aventura do conhecimento elaborada a partir de certas premissas e a curiosidade”, bem como “um regime social onde a atividade intelectual era admitida”, um regime que, além do mais, “libertou o homem, revelando-lhe a sua dignidade”.

Foi também a civilização do livro que “inventou o direito universal à alfabetização e multiplicou as comunidades de leitores”; “o indivíduo e a vida privada; “a confiança na consistência da linguagem e as bibliotecas”; “os salões literários, os cafés e as praças como lugares de debate”; “os sistemas críticos e hermenêuticos que garantem não só a legibilidade dos livros mas a compreensão do mundo”; “as escolas monacais e a ideia moderna de universidade”; “o humanismo e a expressão de liberdade, e a liberdade de expressão, que é sempre inseparável da liberdade de ser”.

Neste elogio à civilização do livro e ao que ela possibilitou, o autor de A Noite Abre Meus Olhos afirmou ainda que esse objecto permitiu o “desenvolvimento das suas possibilidades expressivas, cognitivas e de imaginação”. E acrescentou: “Quem inventou o livro inventou uma certa forma de produzir história e inventou também a figura de leitor que ainda somos. O património humano, cultural e espiritual que o livro representa é por isso incalculável. O que o livro põe em jogo é muito mais do que o livro. Não nos podemos desfazer dele como se fosse um arcaico vestígio destinado a ser progressivamente desactivado.”

 

Os livros são mapas e telescópios

Nesta fase de transição civilizacional deve perguntar-se, por isso, o que se pode fazer “para valorizar este extraordinário património e para que o livro continue a inspirar-nos na tarefa da construção da nossa humanidade”, porque os livros “não nos tornam só leitores, tornam-nos também cidadãos”.

“A história da Europa é inseparável dos livros que constituíram o seu modo de criar cultura, ciência, espiritualidade e pensamento até aos nossos dias”, afirmou o cardeal Tolentino, recordando os grandes autores que fizeram esta história europeia do livro e da cultura.

E referindo que, “em momentos especialmente duros da história europeia aconteceram algumas das declarações de amor mais belas aos livros”, recordou quatro: Thomas Mann que quis ler e comentar o Dom Quixote, na sua viagem para o exílio nos Estados Unidos; a judia holandesa Etty Hillesum, autora de um Diário, que quando foi levada para Auschwitz, transportava apenas consigo a Bíblia e os poemas de Rainer Maria Rilke; o pintor polaco Józef Czapski que, num campo do Gulag soviético, na Sibéria, fazia palestras sobre Proust; ou a história, contada pelo teólogo Romano Guardini, do capelão militar que, numa situação desesperada da Segunda Guerra, sentiu que nada mais tinha a dizer e decidiu rasgar e dar a cada um dos soldados com quem estava, uma folha da única coisa que tinha consigo: o Novo Testamento.

“Os livros fizeram a Europa”, conclui o autor de A Leitura Infinita. “Protejamos o património cultural que os livros representam. Eles são mapas para decifrar de onde viemos, mas são também telescópios e sondas apontados ao futuro.”

 

(O vídeo da sessão completa pode ser visto a seguir)

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco