A reunião de trabalho

| 26 Set 20

Natural Bridge State Park, Virginia, EUA

Natural Bridge State Park, Virginia, EUA. Foto © Luís Castanheira Pinto

 

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Só este espaço invisível de inclusão e empatia permitira falar sobre o tema. Em equipa. E a chefe intuía isso mesmo. Como ninguém. Navegou águas perigosas habilmente, munida de uma experiência que se cultiva no fundo na alma. Não nos livros. Trazer à superfície algo tão sensível num grupo tão rico em diversidade. Implicava compaixão. Partilhada em abundância, mutuamente. E sem planos, um a um, todos aderimos. Quase sem perceber. Fomos falando. O que pensávamos e o que sentíamos. Soube bem. Muito bem. Nunca pensei poder falar assim de racismo numa reunião de equipa.

Este episódio foi em Junho, se não me engano. No eclodir das demonstrações contra o racismo nos EUA. Black Lives Matter. Toda uma sociedade em tumulto. Uma ferida ainda por sarar voltou a abrir. E ainda bem. Porque estava infectada. Não chegam os pensos-rápidos. É preciso tratar. Ir à raiz do mal.

Marcou-me a forma delicada, mas firme, com que o Banco Mundial se posicionou sobre este tema. Não se demitiu, não silenciou. Publicamente uns, em cascata outros. Todos nos implicámos. Quem quis, foi à rua. E bem. Outros, como a mulher que nos lidera, esbanjaram-se em humanidade e talento para trazer esta discussão para dentro, para cada um dos nossos espaços íntimos. Para dentro de cada um de nós.

Recordo isto agora porque me marcou. Sugeriu uma outra forma de gerir organizações e equipas que não tinha experienciado. Sobre a qual apenas tinha lido. Exemplos longínquos, de um universo imaginário. E porque, longe de estar resolvido, o assunto se mantém latente. À medida que se aproximam as eleições americanas, a ferida continua infectada. Está cada vez mais exposta.

Nunca como hoje me apercebo do racismo à minha volta. Por vezes explícito, mas tantas vezes subtil, camuflado. Impregnado nas estruturas sociais, nos códigos de comunicação, na segregação orgânica e espontânea por bairros e trabalhos. Assalta-me agora como nunca esta evidência. Não porque estivesse antes oculta e agora à vista. Não por viver há pouco nos EUA. E também não creio que por falta de abundante reflexão crítica e discussões sobre este assunto. Toca-me agora de forma diferente.

É neste tocar que me concentro. Neste poder transformador da relação, bêbada de espiritualidade. Porque me foi oferecida a dádiva de uma conversa aberta, generosa e fraternal com colegas de trabalho. Porque não foi feio mostrar vulnerabilidade. Nem medo. Nem raiva. Nem vergonha. Com colegas de trabalho. Coisa tão estranha esta. Com colegas de trabalho. Soa-me formal esta expressão. Distante do aconchego da palavra amigo. Ou irmão. E, no entanto, talvez por isso mesmo, foi precisamente ali, numa reunião de trabalho, entre colegas, que senti o sopro transformador do Deus em que acredito.

 

Luis Castanheira Pinto é licenciado em economia, tem-se dedicado às questões do conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento de competências e trabalha no Banco Mundial, em Washington DC (Estados Unidos). É casado e pai de três filhos. Viveu anteriormente no Porto, Lisboa, Bruxelas e Copenhaga.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This