Cirilo e os massacres de Bucha

A Rússia é um país “amante da paz”

| 3 Abr 2022

Patriarca Cirilo usa argumentação do governo de Vladimir Putin. Foto © Ivars Kupcis/WCC-CMI.

Patriarca Cirilo usa argumentação do Governo de Vladimir Putin. Foto © Ivars Kupcis/WCC-CMI.

 

A Rússia é um país “amante da paz”, disse este domingo, 3 de abril, o patriarca de Moscovo, Cirilo, durante uma celebração litúrgica na catedral das Forças Armadas, acrescentando: “Nós de modo algum lutamos pela guerra ou fazemos qualquer coisa que possa prejudicar os outros.” O chefe da Igreja Ortodoxa Russa falava para grupos de militares de homens e mulheres russos, a quem pediu que defendam o seu país “como só os russos podem” fazer.

Como recorda a agência Reuters, numa notícia deste dia 3, desde o início da invasão da Ucrânia, o Patriarca Cirilo fez várias declarações a defender as ações de Moscovo e a apresentar a guerra como um baluarte contra uma cultura liberal ocidental que considera decadente.

Numa alusão à guerra que a Rússia alimenta na Ucrânia e da qual foram conhecidas novas matanças de civis perpetradas pelas forças russas na localidade de Bucha, Cirilo limitou-se a manifestar uma preocupação genérica pelas pessoas afetadas pelo conflito armado, repetindo aquilo que tem dito: “Todas são pessoas da Santa Rússia. São nossos irmãos e irmãs”.

A Catedral das Forças Armadas foi inaugurada há dois anos em Kubinka, subúrbios da capital russa. Concilia o estilo da arquitetura monumental religiosa com novas linguagens e novos materiais. Logo em 2020 estalou uma polémica por causa de fotos que mostravam um mosaico em fase de acabamento no qual se viam figuras como Putin ou Estaline. A Igreja Ortodoxa ainda ensaiou uma explicação dos motivos, mas a verdade é que o mosaico nunca foi instalado.

Em entrevista à Rádio Renascença e à Ecclesia, o padre Duarte da Cunha, antigo secretário do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (CCEE), disse que a posição do Patriarcado de Moscovo perante a guerra na Ucrânia se tornou “insustentável”. Apesar de sublinhar que, nas Igrejas Ortodoxas, a relação entre Igreja e Estado é “muito mais estreita do que no mundo ocidental”, o antigo responsável do CCEE disse esperar que Cirilo “fosse um grande” defensor da paz”, o que não se tem verificado. “Vejo-o com uma posição muito insustentável”, insistiu.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This