Direitos Humanos

Rússia não pode proibir Testemunhas de Jeová, diz Tribunal Europeu

| 10 Jun 2022

Em Portugal, as Testemunhas de Jeová anunciaram que regressam agora às ruas para retomar a sua atividade. Foto: Direitos reservados.

 

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos decidiu que é ilegal a Rússia proibir as Testemunhas de Jeová, bem como as suas publicações impressas, revistas e site oficial, anunciou em comunicado o Departamento de Informação Pública das Testemunhas de Jeová, que qualificou de “histórica” a decisão anunciada a 7 de Junho.

A sentença estabelece que a Rússia deverá suspender todos os processos-crime pendentes contra as Testemunhas de Jeová, libertar cerca de uma centena de presos e devolver todas as propriedades confiscadas ou pagar uma indemnização adequada.

A instância judicial europeia considera que a definição de “extremismo” usada para desde há cerca de dez anos perseguir as Testemunhas de Jeová era excessivamente ampla na lei russa e tinha sido usurpada para acusações de crentes religiosos.

Pedro Candeias, porta-voz das Testemunhas de Jeová em Portugal, afirmou que as Testemunhas de Jeová de todo o mundo estão emocionadas com a decisão contra a Rússia. “O tribunal confirmou que as Testemunhas de Jeová são cidadãos cumpridores da lei que, em resultado de discriminação religiosa, estão a ser processadas e presas na Rússia”. Por isso, espera agora “que a Rússia respeite a ordem do Tribunal de parar com a perseguição a nível nacional e libertar todas as 91 Testemunhas de Jeová que estão presas”.

As Testemunhas de Jeová congratulam-se ainda por o Tribunal Europeu de Direitos Humanos ter reconhecido, “de uma vez por todas”, que “são pessoas pacíficas e que as suas crenças e práticas são inofensivas”. Ainda que as autoridades do Estado possam não apreciar as crenças que as Testemunhas de Jeová professam, não lhes é reconhecido “o direito de rever a sua legitimidade, visto que entram na esfera privada de cada indivíduo”.

 

Tribunal condenou também a Bélgica

Em Abril, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos tinha já condenado a Bélgica por discriminação e violação do direito à liberdade de religião por não ter reconhecido oficialmente as Testemunhas de Jeová.

Na Bélgica, as Testemunhas de Jeová não têm o estatuto de “religião reconhecida”. Ele apenas se encontra atribuído aos católicos, aos protestantes, aos judeus, aos anglicanos, aos muçulmanos e aos ortodoxos. Apesar de quererem usufruir de idêntico reconhecimento, os budistas e os hinduístas ainda não o obtiveram.

 

Testemunhas de Jeová regressam à rua em Portugal

Em Portugal, as Testemunhas de Jeová anunciaram que regressam agora às ruas para retomar a sua atividade, suspensa em Março de 2020 em consequência da crise mundial de saúde pública. O regresso à normalidade não é integral, uma vez que permanecem suspensos os contactos domiciliários. Pedro Candeias referiu que a máscara continuará a ser usada como precaução sanitária para os próprios e para os outros.

Ao longo do período da pandemia, as Testemunhas de Jeová realizaram a sua obra de divulgação bíblica através de cartas, telefonemas, e contactos digitais. Todas as reuniões religiosas foram igualmente mantidas sem interrupção, por videoconferência, tendo sido retomadas recentemente em formato misto (presencial e via Zoom simultaneamente).

Presente no país desde 1925 e proscrita durante o Estado Novo, a Associação das Testemunhas de Jeová foi legalmente registada em 18 de Dezembro de 1974, tendo sido reconhecida oficialmente como “comunidade religiosa radicada” em 2009. A Associação refere que, em Portugal, há mais de 51 mil Testemunhas de Jeová, em mais de 710 congregações (comunidades locais) no continente e regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This