Lidia Maksymowicz tinha 3 anos

A prisioneira nº 70072 de Auschwitz que o Papa beijou

| 26 Mai 21

papa francisco com Lidia Maksymowicz Vatican News Direitos Reservados

Lidia Maksymowicz ofereceu ao Papa o lenço que recorda a sua detenção, um terço e um quadro que a retrata com a mãe ao entrar em Auschwitz. Foto: Direitos reservados.

 

 

O seu nome é Lidia Maksymowicz, mas durante muito tempo foi chamada pelo número 70072, que lhe tatuaram assim que entrou em Birkenau, um dos campos de extermínio do complexo de Auschwitz, quando era ainda criança. Quase 80 anos depois, Lidia assistiu esta quarta-feira, 26 de maio, à audiência geral do Papa, no Vaticano, e no final teve oportunidade de falar com ele. Francisco, comovido, beijou-lhe o braço, precisamente sobre a marca da violência a que foi sujeita pelo regime nazi.

“Tinha três anos, e mal entrei no ‘lager’ de Birkenau, um dos campos de Auschwitz, arrancaram-me do abraço da minha mãe para me transformar numa cobaia do ‘doutor’ Mengele”, contou Lidia ao jornal L’Osservatore Romano, cujo texto foi traduzido e publicado pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Para ela, uma polaca de origem bielorrussa que se tornou católica, não se coloca a questão do perdão a quem a fechou num campo de concentração, sujeitando-a a violentas experiências médicas. “Não odiei os meus perseguidores quando era criança, não os odeio agora que tenho mais de 80 anos. Se tivesse de viver a pensar em ódio e vingança, provocaria dano a mim própria e à minha alma, ficaria doente porque o ódio matar-me-ia também a mim como matou aqueles homens que semearam morte.”

Por isso, conta, “a missão que escolhi e que levarei por diante até quando viver é recordar, falar do que me aconteceu. Descrevê-lo sobretudo aos jovens, para que não permitam que nunca mais aconteça uma coisa do género”.

Ao Papa, ofereceu o lenço que recorda a sua detenção, um terço e um quadro (pintado por Renata Rechlik) que a retrata de mão dada com a mãe enquanto entram em Auschwitz. Adotada e salva por uma família polaca, Lidia reencontrou a sua mãe biológica em Moscovo em 1962, graças às suas tatuagens iguais. Atualmente, vive em Cracóvia e encontra-se em Itália para a apresentação do documentário que conta a sua vida, intitulado 70072, A Rapariga que não sabia odiar, um projeto da associação La Memoria Viva.

O vídeo que regista o momento do encontro com o Papa Francisco pode ser visto a seguir:

 

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This