Lidia Maksymowicz tinha 3 anos

A prisioneira nº 70072 de Auschwitz que o Papa beijou

| 26 Mai 21

papa francisco com Lidia Maksymowicz Vatican News Direitos Reservados

Lidia Maksymowicz ofereceu ao Papa o lenço que recorda a sua detenção, um terço e um quadro que a retrata com a mãe ao entrar em Auschwitz. Foto: Direitos reservados.

 

 

O seu nome é Lidia Maksymowicz, mas durante muito tempo foi chamada pelo número 70072, que lhe tatuaram assim que entrou em Birkenau, um dos campos de extermínio do complexo de Auschwitz, quando era ainda criança. Quase 80 anos depois, Lidia assistiu esta quarta-feira, 26 de maio, à audiência geral do Papa, no Vaticano, e no final teve oportunidade de falar com ele. Francisco, comovido, beijou-lhe o braço, precisamente sobre a marca da violência a que foi sujeita pelo regime nazi.

“Tinha três anos, e mal entrei no ‘lager’ de Birkenau, um dos campos de Auschwitz, arrancaram-me do abraço da minha mãe para me transformar numa cobaia do ‘doutor’ Mengele”, contou Lidia ao jornal L’Osservatore Romano, cujo texto foi traduzido e publicado pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Para ela, uma polaca de origem bielorrussa que se tornou católica, não se coloca a questão do perdão a quem a fechou num campo de concentração, sujeitando-a a violentas experiências médicas. “Não odiei os meus perseguidores quando era criança, não os odeio agora que tenho mais de 80 anos. Se tivesse de viver a pensar em ódio e vingança, provocaria dano a mim própria e à minha alma, ficaria doente porque o ódio matar-me-ia também a mim como matou aqueles homens que semearam morte.”

Por isso, conta, “a missão que escolhi e que levarei por diante até quando viver é recordar, falar do que me aconteceu. Descrevê-lo sobretudo aos jovens, para que não permitam que nunca mais aconteça uma coisa do género”.

Ao Papa, ofereceu o lenço que recorda a sua detenção, um terço e um quadro (pintado por Renata Rechlik) que a retrata de mão dada com a mãe enquanto entram em Auschwitz. Adotada e salva por uma família polaca, Lidia reencontrou a sua mãe biológica em Moscovo em 1962, graças às suas tatuagens iguais. Atualmente, vive em Cracóvia e encontra-se em Itália para a apresentação do documentário que conta a sua vida, intitulado 70072, A Rapariga que não sabia odiar, um projeto da associação La Memoria Viva.

O vídeo que regista o momento do encontro com o Papa Francisco pode ser visto a seguir:

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco