“À sombra das palavras”

| 5 Out 20

Ana Cordovil trabalhando no mural evocativo do centenário de Sophia, em Belém (Lisboa). Foto: Direitos reservados.

 

Faz agora quase um ano pintei no meu atelier, durante cinco semanas quase sem parar, com duas outras artistas, os poemas da Sophia escolhidos para integrarem um Memorial evocativo do centenário do seu nascimento.

Foi um tempo em que “a sombra das palavras da Sophia” dominou os meus dias. Não só pelo cuidado que queria colocar em cada gesto de pintura, mas também pela força das palavras que quase nos pertencem no modo como fazemos nossos os poemas dela.

O Memorial ficou junto ao rio Tejo, numa zona relvada na zona de Belém, junto à estação dos barcos para a Trafaria. É constituído por dois grandes arcos com alguma distância, mas com boa visibilidade. São todos revestidos a azulejos onde se leem os poemas da Sophia nos lados que ficam para fora e da parte de dentro se “lançam” pinturas da Menez, num diálogo muito feliz.

O Memorial a Sophia. Foto © Ana Cordovil.

“Tomando a tua mão na sua mão”

Esta frase retirada dos poemas da Sophia que pintei ganhou para mim um significado muito especial.

Muitas vezes, quando pinto acho que a mão e o olhar de Deus me conduzem.

De algum modo sinto que não estou sozinha. Não poderia estar.

Acho que a criação artística mesmo que olhada sem deslumbre tem em si a transcendência de algo que o artista não domina no seu ato criador.

Assim senti ao pintar as palavras da Sophia para os azulejos. Era-me pedida uma responsabilidade maior no cuidar de cada uma delas.

Há poemas da Sophia que vão encontrar neste Memorial que quase se tornaram identidade da nossa história. Outros podem ser menos conhecidos, mas ficam connosco pela força que transportam.

Que ao olhar de cada um que leia os poemas neste Memorial chegue a intensidade que colocámos na pintura e force a expressão que diferencia e dá mais cor a cada palavra.

 

Ana Cordovil é pintora

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This