A surpresa do báculo do Papa Francisco, oferecido pelo bispo dom Merkel

| 29 Out 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Papa Francisco, Últimas, Vaticano/Santa Sé

O Papa no início da eucaristia de domingo, 27, encerrando o Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia, transportando o báculo feito por indígenas, que lhe tinha sido oferecido pelo bispo Franz (Francisco) Merkel. Foto © Tony Neves

 

O Papa Francisco surpreendeu muitos com um báculo muito especial na eucaristia de encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia: trata-se de uma peça em madeira trabalhada, todo ele cheio de simbolismo indígena. O báculo foi oferecido ao Papa, nos primeiros dias do Sínodo, pelo bispo Francisco Merkel, um missionário espiritano alemão a trabalhar no Brasil há algumas décadas.

Franz Merkel nasceu na Alemanha em 1944: atinge este ano os 75 anos, tendo já escrito ao Papa a carta a pedir a sua substituição. Depois de vários anos como responsável de seminários espiritanos no Brasil, trabalhou como pároco dez anos na Baía. Em 2000, seria nomeado bispo de Humaitá, na Amazónia, missão que desempenha desde então.

O padre Orlando Zanovelli, espiritano brasileiro com largos anos de missão na Amazónia, considera dom Merkel como um bispo de muita pobreza e proximidade com o povo. Sempre ouviu falar dele com muita estima e reconhecimento, quer pelo clero quer pelo povo que o respeita muito e está triste com a sua iminente saída. Daniel Seidel, um ativista brasileiro que veio acompanhar o Sínodo, tem trabalhado muito com D. Merkel na formação de lideranças das comunidades amazonenses e realça, sobretudo, o seu carisma para trabalhar com jovens e líderes das comunidades do interior.

Francisco – assim é tratado pelo povo – foi um dos padres sinodais, sempre com posições abertas, típicas de um pastor simples com o “cheiro” das suas “ovelhas”. Ele optou, desde jovem padre, por viver nas periferias e margens de um país marcado por contrastes gritantes entre ricos e pobres. A sua opção radical pelos pobres custou-lhe incompreensões e algumas perseguições que ele conta a sorrir, feliz por estar a concluir mais uma etapa da sua missão, a de bispo titular de Humaitá.

O futuro a Deus pertence e está preparado para tudo, partilha ele com o 7MARGENS. Mas quer que o documento final do Sínodo seja tomado a sério e posto em prática. Isto, para bem da Igreja e do mundo, diz. E ver o Papa levar o seu báculo encheu-o de alegria, mesmo que quase ninguém saiba que esse foi o ‘cajado de pastor’ que usou durante vinte anos na suas visitas pastorais.

 

O bispo Franz (Francisco) Merkel, de Humaitá (Amazónia, Brasil), com o padre Tony Neves, em Roma, na tarde de domingo, 27, depois do encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia. Foto: Direitos reservados

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco