A surpresa do báculo do Papa Francisco, oferecido pelo bispo dom Merkel

| 29 Out 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Papa Francisco, Últimas, Vaticano/Santa Sé

O Papa no início da eucaristia de domingo, 27, encerrando o Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia, transportando o báculo feito por indígenas, que lhe tinha sido oferecido pelo bispo Franz (Francisco) Merkel. Foto © Tony Neves

 

O Papa Francisco surpreendeu muitos com um báculo muito especial na eucaristia de encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia: trata-se de uma peça em madeira trabalhada, todo ele cheio de simbolismo indígena. O báculo foi oferecido ao Papa, nos primeiros dias do Sínodo, pelo bispo Francisco Merkel, um missionário espiritano alemão a trabalhar no Brasil há algumas décadas.

Franz Merkel nasceu na Alemanha em 1944: atinge este ano os 75 anos, tendo já escrito ao Papa a carta a pedir a sua substituição. Depois de vários anos como responsável de seminários espiritanos no Brasil, trabalhou como pároco dez anos na Baía. Em 2000, seria nomeado bispo de Humaitá, na Amazónia, missão que desempenha desde então.

O padre Orlando Zanovelli, espiritano brasileiro com largos anos de missão na Amazónia, considera dom Merkel como um bispo de muita pobreza e proximidade com o povo. Sempre ouviu falar dele com muita estima e reconhecimento, quer pelo clero quer pelo povo que o respeita muito e está triste com a sua iminente saída. Daniel Seidel, um ativista brasileiro que veio acompanhar o Sínodo, tem trabalhado muito com D. Merkel na formação de lideranças das comunidades amazonenses e realça, sobretudo, o seu carisma para trabalhar com jovens e líderes das comunidades do interior.

Francisco – assim é tratado pelo povo – foi um dos padres sinodais, sempre com posições abertas, típicas de um pastor simples com o “cheiro” das suas “ovelhas”. Ele optou, desde jovem padre, por viver nas periferias e margens de um país marcado por contrastes gritantes entre ricos e pobres. A sua opção radical pelos pobres custou-lhe incompreensões e algumas perseguições que ele conta a sorrir, feliz por estar a concluir mais uma etapa da sua missão, a de bispo titular de Humaitá.

O futuro a Deus pertence e está preparado para tudo, partilha ele com o 7MARGENS. Mas quer que o documento final do Sínodo seja tomado a sério e posto em prática. Isto, para bem da Igreja e do mundo, diz. E ver o Papa levar o seu báculo encheu-o de alegria, mesmo que quase ninguém saiba que esse foi o ‘cajado de pastor’ que usou durante vinte anos na suas visitas pastorais.

 

O bispo Franz (Francisco) Merkel, de Humaitá (Amazónia, Brasil), com o padre Tony Neves, em Roma, na tarde de domingo, 27, depois do encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia. Foto: Direitos reservados

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco