A sustentável leveza do jugo de Jesus

| 13 Jul 20

(Contributos para uma teologia encarnacional)

“Vinde até mim, todos vós que estais esgotados e carregados, e eu dar-vos-ei descanso. Levantai o meu jugo para vós e aprendei comigo, pois sou gentil e humilde de coração e encontrareis descanso para as vossas almas. Pois o meu jugo é brando e o meu fardo é leve.” (Evangelho de Mateus 11:28-30)

 

Dei por mim a reler o grande clássico de Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser. Todo o livro é uma profunda reflexão acerca do significado da existência humana e da própria vida. O autor vai abordando ao longo do livro alguns temas, focando-se em conceitos muito complexos como o amor, a compaixão, o peso e a leveza, as opções que escolhemos, a fugacidade do tempo, a possibilidade de mudança e, essencialmente, essa angústia de podermos ser livres de escolher os nossos próprios caminhos, que quase sempre nos confrontam com as nossas fraquezas e finitudes.

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros. Também essa liberdade individual de podermos fazer o que queremos, pode expor-nos a essa sensação, como dirá muito bem Zygmunt Bauman, de leveza e de descompromisso, a relacionamentos voláteis e fluidos, a essa insustentável leveza do nosso ser, e também ela mesma um peso.

Estas crises existenciais da vida humana, estes vazios e pesos que corroem o nosso íntimo, deixam-nos por vezes exaustos, sem forças e sem rumo. Mas como enfrentar estes problemas nesta sociedade cada vez mais secularizada, alienada da religião, cujo centro se assume cada vez mais humanista e que relega Deus para um segundo plano? O que fazer perante essa liberdade quase insuportável que nos confronta com o vazio dos absolutos, da perda de segurança a que nos expõe esta cultura cada vez mais relativista e hedonista?

Também, e inquirindo acerca do papel da religião nos tempos que correm, verifica-se cada vez mais que as novas gerações, se não se encontram ainda totalmente alienadas de Deus, remetem-se cada vez mais para uma religião privada, relativizada, feita à medida de cada um. Ao Deus criador de todas as coisas, interventivo em toda a história do universo e na vida humana, sobrepõe-se agora o homem, que em toda a sua dimensão – física, moral e espiritual, se confronta igualmente com a sua insustentável liberdade e pesos da vida. Mas, se Deus não está já morto, como alguns filósofos o prediziam, estará ao menos domesticado.

Mas como falar de Jesus a esta sociedade, a esta nova geração arreligiosa e sobrecarregada com os seus pesos existenciais? Dietrich Bonhoeffer, na sua cela de prisão em 1944, já desabafava: “O que me ocupa incessantemente é esta questão: o que é o cristianismo, ou ainda, quem é de facto Cristo para nós hoje? Foi-se já o tempo em que se podia responder às pessoas por meio de palavras – sejam teológicas ou piedosas; passou também o tempo da interioridade e da consciência moral, ou seja, de uma maneira geral, o tempo da religião. Rumamos para uma época totalmente arreligiosa; as pessoas, sendo como são, simplesmente já não conseguem ser religiosas.

Numa das mais extraordinárias passagens registadas nos evangelhos, Jesus convida a todos os que se sentem esgotados e carregados, a levar o seu jugo e a aprender dele, que é gentil e humilde de coração e a encontrar descanso para a alma, porque o seu jugo é brando e o seu fardo é leve (Mateus 11:28-30). O jugo era a canga que juntava dois bois lado a lado para lavrar um campo. O que Jesus está aqui a dizer, é que ele próprio está ao lado de quem está cansado, ajudando a suportar as cargas e pesos. Este repto de Jesus, embora em contextos diferentes, nunca foi tão pertinente nestes tempos que correm. Sabe-se que inicialmente Jesus dirige o convite não só aos que se encontravam sobrecarregados com o peso dos mandamentos da Torá, da lei judaica, e com uma série de tradições que regulamentavam em excesso a sociedade e o comportamento das pessoas, mas também a um povo que se encontrava totalmente subjugado, social e economicamente, pelos romanos.

Como falar então de Jesus a esta geração cada vez mais alienada da religião? Como pode a Igreja estender o convite do Senhor aos que se encontram esgotados e carregados? A resposta estará obviamente na maneira como nós, os cristãos, enquanto Igreja, assumimos a vida e o próprio jugo de Jesus, de deixar que a nossa mente seja transformada pela sua mente, que o nosso coração passe a amar o nosso próximo como Jesus amou, que os nossos pés caminhem como Jesus caminhou ao encontro dos necessitados, que as nossas mãos toquem os enfermos como Jesus tocou, que os nossos olhos vejam o amor infinito e misericordioso do Pai pelos que estão sem rumo, tal como Jesus os via. Uma Igreja que se deixe transformar à imagem de Jesus, que seja ela mesma a carta do Cristo e que se dá a conhecer ao mundo (2ª Carta aos Coríntios 3:2), será uma Igreja que estará ao lado de todos os que tenham pesos na sua vida, ajudando-os a suportar as crises existenciais e solicitudes da vida, dando-lhes a conhecer a sustentável leveza do jugo de Jesus.

O peso e a insustentável leveza do ser, de que tanto fala Kundera e que espelha tão bem o peso existencial da vida e a angústia da liberdade humana, só poderão encontrar alívio numa Igreja de rosto humano, solidária, participativa nas dores do outro. Na exortação apostólica Evangelii Gaudium, o próprio Papa Francisco já nos diz que o início de ser cristão, de ser pertença da Igreja de Jesus, é marcado por esse encontro com a Pessoa de Jesus, o qual dá à vida um novo horizonte. E é a partir de Jesus, através do qual Deus assume um rosto humano, que a Igreja é convidada a sair de si mesma em direção aos outros, onde o rosto do Pai pode transparecer e dar alívio aos que estão sobrecarregados e cansados com os pesos da vida,

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona.

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

É notícia

Entre margens

Na ressaca da abundância novidade

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Cultura e artes

Festival de Melgaço

“Nós Viemos”: a emigração revisitada por José Vieira

Toda a sua vida e preocupação enquanto cidadão e cineasta tem sido voltada para a emigração. Aos sete anos, sentiu na pele a miséria dos “bidonvilles” e, após tirar Sociologia, optou por  filmar o problema daqueles que partiram em busca de uma vida melhor. “Procuro contar a minha história pessoal e da família para lembrar o drama da emigração colectiva”, disse ao “Sete Margens” José Vieira, que nesta edição do MDOC trouxe “Nós Viemos” (2021). O filme foi bem recebido pela assistência e é um forte candidato ao prémio Jean-Loup Passek.

Livros

O Grito que está dentro da nossa cabeça

No livro “Dos Sonhos e das Imagens: a Guerra de Libertação na Guiné-Bissau”, Catarina Laranjeiro regressa a um dos locais mais filmados por alturas da guerra, a tabanca (aldeia) de Unal, no sul da Guiné-Bissau. Ponto estratégico para o PAIGC pela sua proximidade com a fronteira com a Guiné-Conacri. Descobre, nesta viagem, as pessoas, as personagens que ainda vivem nesta geografia e nesta memória.

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This