Contributos para o Sínodo (16)

A. Teixeira Coelho: Renovar linguagem, integrar presbíteros dispensados

| 22 Jun 2022

Peça concebida pelo artista plástico norueguês Asbjørn Andresen para a Capela Árvore da Vida, em Braga. Foto © Joaquim Félix de Carvalho.

Peça concebida pelo artista plástico norueguês Asbjørn Andresen para a Capela Árvore da Vida, em Braga. Foto © Joaquim Félix de Carvalho.

 

Renovar a linguagem, acabando com a dicotomia clérigo/leigo através de uma reflexão da teologia dos ministérios, e integrar os presbíteros “dispensados” do exercício do ministério na actividade pastoral das comunidades são propostas de António Teixeira Coelho – professor aposentado do Ensino Secundário e presbítero da diocese do Porto durante 20 anos, que vive precisamente a condição de “dispensado” – em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023. Esse coro imenso de vozes não pode ser silenciado, reduzido, esquecido, maltratado. O Espírito sopra onde quer e os contributos dos grupos que se formaram para ouvir o que o Espírito lhes quis dizer são o fruto maduro da sinodalidade. O 7MARGENS publica alguns desses contributos, estando aberto a considerar a publicação de outros que nos sejam enviados. 

  1. O que gosto na vivência da Igreja Católica

*O ser espaço dinâmico de comunhão apostólica ao serviço do Reino de Deus

  1. Uma experiência muito negativa

*A captura da dimensão cristã pelo instinto religioso com a colaboração de quem deverá evangelizar e não tornar a Igreja pouco mais do que uma “estação de serviços religiosos” e/ou uma ONG entre outras

  1. O que gostaria que mudasse:

** A vinculação obrigatória do ministério presbiteral à condição celibatária

** A prática marginalizadora por parte da hierarquia – bispos e padres – relativamente aos presbíteros “dispensados das obrigações inerentes ao estado clerical”. Tarda a inclusão voluntária e adequada dos presbíteros “dispensados” na actividade pastoral das comunidades.

** Renovação da linguagem: a dicotomia clérigo/leigo deve ser suprimida mediante reflexão da teologia dos ministérios. Dicotomia tão prejudicial à imagem, à construção e à descoberta da Igreja como esta será difícil imaginar

  1. Mudar em mim

* Crescer na fé na acção do Espírito que até de “pedras faz filhos de Abraão”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This