Curso na Brotéria

A teologia a conversar com a cultura pop

| 14 Dez 2021

Grafitti, igreja, Covilhã, Rui Fernandes, pop arte

Grafitti frente a igreja na Covilhã: “De que modo a cultura pop influencia a experiência de Deus?” Foto © Rui Fernandes.

 

Para muitas pessoas, a cultura pop tornou-se a sua língua franca, expressão de um modo de estar no mundo, com expectativas e angústias próprias. Partindo dessa verificação, o padre jesuíta Rui Fernandes e o centro cultural Brotéria propõem, entre esta quarta-feira, 15, e a próxima sexta, 17, um curso sobre “Teologia e cultura pop”. Que pretenderá responder a perguntas como: “De que modo essa cultura influencia a experiência de Deus? Até que ponto se delineia, aí, uma linguagem teológica?”

“Mais do que produtos ou eventos, o conjunto de realidades como a música, filmes, roupas, desporto, redes sociais e concertos é expressão de um novo estilo de vida”, diz o padre Rui Fernandes ao 7MARGENS, explicando a ideia do curso. Um conjunto que, nota, é variado e, por vezes, contraditório: “Há um horizonte de felicidade, uma linguagem comum, uma forma de avaliar as coisas, um conjunto de referências que ajudam à construção das identidades pessoais os quais, juntos, constituem uma ‘cultura’.”

A teologia aparece aqui porque ela se tem interessado pelas “culturas” por razões diversas, explica ainda. “Umas vezes foi a vontade de perceber de que modo o evangelho poderia chegar a contexto diferente. Outras, foi a necessidade de discutir com a cultura, tentando mostrar a lógica interna do cristianismo e desmontar eventuais caricaturas e distorções.”

Já mais ultimamente tem sido “a consciência de que a experiência espiritual das pessoas se transformou: afastou-se das instituições e procurou novas formas de realizar o desejo de crescimento pessoal, de construção de sentido e de busca de transcendência”. Para muitos, acrescenta, “a vida espiritual migrou das religiões para a cultura e, concretamente, a cultura popular”. Mas “até que ponto podemos falar de uma presença de Deus na cultura popular?”, pergunta.

É isso que Rui Fernandes propõe explorar nas três sessões do curso, cada uma com duração de uma hora e meia, sempre às 19h. A primeira, sobre “Rock’n’roll: as tradições em questão”, procurará olhar para as “interrogações sociais que conduziram à emergência da cultura pop, com as suas ambiguidades, no século XX”. Será como que “contar a história da pop: como surgiu, porquê, quais as suas características principais”. Por outro lado, serão também assinaladas “algumas das questões teológicas que conduziram às reformas do Concílio Vaticano II”, que coincidiram, em termos temporais, com o aparecimento da cultura pop. Os modos como a Igreja Católica se foi posicionando em relação ao fenómeno – receios, curiosidade, respeito – serão também abordados.

A segunda sessão, sobre “Profecia e mística na cultura pop”, procurará analisar “as interrogações existenciais da cultura pop (nomeadamente na música rock e punk) à luz das categorias de profecia e mística”. Algumas obras serão estudadas à luz das noções de “mística”, “profecia” e “crítica apofática” (ou seja, “a consciência do limite das palavras e das teorias para falar da vida, do mundo e de Deus”).

Na terceira parte, sobre “Cultura pop e revelação, Rui Fernandes fará “uma abordagem fenomenológica e hermenêutica do evento pop à luz de uma noção dinâmica e plural de revelação (divina e humana)”. Será feito um estudo de caso, tendo as parábolas como método de interpretação, explica ainda o padre Rui.

Por causa da situação pandémica, o curso decorrerá exclusivamente em canal vídeo. Todas as pessoas inscritas terão os endereços das ligações para poder ver, o que permite o acesso em diferido, mesmo a quem não esteja disponível nas datas ou horas da transmissão directa. A inscrição tem um custo de 15 euros e pode ser feita na página do centro cultural Brotéria, onde também se pode ver o programa.

O curso surge ligado à investigação que o padre Rui Fernandes, nascido em 1983, está a fazer para o doutoramento que está a preparar na Universidade Católica Portuguesa – Lisboa/Universidade de S. José – Beirute (Líbano), na área do diálogo entre cristianismo e islão, feito a partir da música.

Rui Fernandes passou pelo curso de engenharia mecânica antes de entrar no seminário, onde concluiu o curso de teologia. Em 2008, entrou na Companhia de Jesus, fazendo aí estudos de filosofia (Braga), teologia fundamental (Centre Sèvres – Facultés Jésuites de Paris) e teologia islâmica (Institut Catholique de Paris).

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This