A Teologia mata?

| 13 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.  

Ainda há poucos dias uma discussão entre dois pastores em Timbaúba (Pernambuco, Brasil), sobre questões teológicas e interpretações bíblicas terminou com a morte de um deles. O indivíduo que assassinou o colega à facada foi preso em flagrante e levado para a delegacia local. A discussão terá acontecido nas traseiras do templo onde ambos serviam. O homicida ainda tentou esconder-se numa residência mas foi capturado e confessou o crime. A vítima depois de ser esfaqueada tentou fugir mas o agressor atingiu-o com uma pedra.

Também em Setembro de 2016, um debate teológico informal entre dois pastores americanos terminou com o homicídio de um deles, depois de a discussão descambar para a intolerância e a violência. Discutiam no pátio de um lar de idosos nos subúrbios de Chicago, Illinois (EUA), a respeito de questões ligadas à Bíblia e à espiritualidade, como era hábito, quando um deles puxou a arma e deu dois tiros na cabeça do outro, que teve morte imediata, acto que foi registado por uma câmara de videovigilância. O assassino prestava assistência espiritual naquele centro de solidariedade. 

Sim, matam-se pessoas devido a disputas religiosas e teológicas, tal como se matam pessoas em disputas desportivas, políticas, familiares ou sociais. E ninguém em seu perfeito juízo propõe acabar com as famílias, a vida pública, a cidadania ou o desporto por causa disso. A questão não está nas diferenças político-partidárias, clubísticas, familiares ou religiosas, que sempre existiram, existirão e é saudável que existam, mas sim na atitude de respeito pelo outro e aceitação da diferença de opiniões e sensibilidade de cada um.

É claro que há contextos nos quais se torna mais chocante tal manifestação de intolerância e violência, como a religião ou a família. É suposto que o âmbito familiar constitua um espaço de paz e protecção mútua, mas é onde surgem frequentemente índices de violência relevantes – a chamada violência doméstica – e a maior taxa de abuso sexual infantil, como os estudos sobre pedofilia demonstram.

Assim como é suposto que o território relacional de uma mesma comunidade religiosa, enquanto família espiritual, se revista de segurança, crescimento pessoal, paz e edificação mútua. Mas também é aí que pode surgir o abuso religioso de carácter espiritual, psicológico e por vezes até físico. Os cínicos dirão que a religião faz mal às pessoas. Mas dirão o mesmo da família? Ou da vida associativa? Ou da participação política? A solução será acabar com tudo quanto sejam comunidades religiosas, famílias, clubes, associações, colectividades e partidos políticos? E resta o quê?

Como é bom de ver, existem e existirão sempre problemas onde coexistirem pessoas. São as pessoas que criam os problemas e não as organizações. Estas podem, no limite, não os prevenir ou até potenciar, mas não os criam. Um pedófilo não o é por causa da sua família, mas apesar dela. Um corrupto não o é por causa da instituição onde trabalha, mas apesar dela. Os criminosos são sempre as pessoas e não as organizações. Culpar as organizações é uma forma de diluir e branquear as responsabilidades individuais.

Fala-se muito de violência inter-religiosa (entre diferentes expressões religiosas) mas pouco de violência intrarreligiosa (dentro da mesma religião), que não é menos evidente e preocupante. Sim, a Teologia pode matar, como qualquer outra coisa. Basta lembrarmo-nos dos horrores perpetrados pelos talibãs (estudantes de teologia islâmica) do Afeganistão. Como sempre, é a pulsão do poder que está por detrás da violência em qualquer destes âmbitos sociais, nem que seja o poder de ter razão.

Os casos acima citados revelam pelo menos duas coisas: fanatismo religioso, com a correspondente incapacidade de tentar escutar, compreender e respeitar o ponto de vista alheio; falta de preparação pastoral ou deslealdade para com a vocação de ministro do Evangelho; e sobretudo a pulsão de Caim que o levou a assassinar o irmão: “E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra”(Génesis 4:10).

Ludwig Feuerbach dizia que “Quando a moral se baseia na teologia, quando o direito depende da autoridade divina, as coisas mais imorais e injustas podem ser justificadas e impostas”. Os triunfalismos religiosos, tal como os modelos absolutistas de governo, devem ser arrumados na prateleira da História. A Modernidade veio trazer capacitação aos indivíduos, libertando-os de soberanias abusivas ou ilegítimas. Mas agora os indivíduos não podem, por sua vez, comportar-se socialmente como se fossem soberanos dos outros, que são mais fracos ou que pensam e sentem diferente, pois sempre que assim fizerem revelam-se indignos da sua própria liberdade.

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na Visão Online.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco