A tradição e modernidade de Fátima, segundo o cardeal Tolentino

| 13 Mai 2021

A Igreja Católica tem pela frente o “desafio de reflectir sobre o sentido da vida, sobre as suas prioridades, o que é essencial”, disse o cardeal Tolentino Mendonça, nos momentos iniciais da peregrinação do 13 de Maio, em Fátima. E deve aceitar, acrescentou, o seu próprio “trabalho de reconfiguração” sempre requerido “para cada comunidade poder ser uma resposta às necessidades”.

Procissão das velas, Fátima

Procissão das velas, em Fátima, nesta quarta-feira: “Que escutes no silêncio desta noite a fadiga e o esforço, a solidão e as lágrimas, o cansaço e as necessidades de todos”, pediu o cardeal Tolentino, dirigindo-se a Nossa Senhora. Foto © Arlindo Homem/Agência Ecclesia

 

Os santuários desempenham hoje um papel fundamental e Fátima, em concreto, “faz uma síntese do que é a religiosidade tradicional dos portugueses e do mundo católico”, com a característica de ser um “lugar de grande modernidade, disse o cardeal José Tolentino Mendonça na tarde deste dia 12, em Fátima, antes do início oficial da peregrinação aniversária de Maio, que preside.

Fátima, em concreto, e os santuários passaram para muitos a ser “também o lugar de um primeiro contacto com a fé cristã, com a experiência da peregrinação” e da procura de sentido, mesmo quando, em alguns casos, as pessoas se aproximam desses lugares “não sabendo bem o que procuram”, acrescentou o bibliotecário do Vaticano.

“Fátima oferece essa possibilidade de grande encontro – não tem portas, é um lugar onde todos podem entrar”. E a peregrinação, afirmou, revela “motivos muito diferentes” que as pessoas transportam nos seus corações, mas traduz a abertura a uma “experiência espiritual, a uma experiência de Deus, e Fátima oferece essa possibilidade de um encontro, porque é uma grande igreja, uma grande praça que não tem portas e todos podem entrar”.

O próprio cardeal quis repetir a experiência de chegar a Fátima a pé. Com algumas famílias amigas, na manhã deste dia 12, partiu da zona de Porto de Mós. “Também eu me pus a caminho a pé e foi assim que cheguei a Fátima. Quis sentir aquilo que sentiram todos os peregrinos.”

O responsável pela Biblioteca e Arquivo Apostólico do Vaticano afirmou ainda, na conferência de imprensa, que Fátima e os santuários devem permitir, neste tempo de pandemia, “pensar os instrumentos de reconstrução do mundo”. Esta crise começa por ser sanitária, acrescentou, “mas depois é uma crise poliédrica, que toca todos os aspectos da vida e é muito importante que não se torne numa crise da esperança”.

À noite, depois da procissão das velas, na homilia da celebração da palavra, o cardeal Tolentino afirmaria, dirigindo-se a Nossa Senhora: “Queremos hoje pedir, Senhora de Fátima, que ilumines a dor de todos, sem fronteiras nem distinções, que ilumines a dor de próximos e distantes, de crentes e não-crentes, como se fosse uma só. Que escutes no silêncio desta noite a fadiga e o esforço, a solidão e as lágrimas, o cansaço e as necessidades de todos. Que veles pela grande família humana ferida. E nos mobilizes a todos para o desafio urgente de consolar, de cuidar e de reconstruir.”

Na celebração nocturna, o cardeal Tolentino tinha diante de si um mar de velas que voltou a encher a noite de Fátima, depois de, no último ano, isso quase não ter acontecido. Depois de se referir às “outras crises” activadas pela pandemia, conforme se recorda noutro texto do 7MARGENS, e tomando de novo a ideia da esperança, afirmou: “Precisamos da esperança para olhar mais para diante, para ganhar confiança e repartir. Precisamos da esperança para transformar os obstáculos em caminhos e os caminhos em novas oportunidades. Precisamos da esperança para nos unirmos mais, para construirmos sociedades eticamente qualificadas, sociedades que concretizem a justiça social e a fraternidade entre todos os homens.”

 

A dimensão espiritual em tempo de reconstrução
Tolentino Mendonça, Fátima, Pandemia, 13 Maio 2021

Cardeal Tolentino nesta quarta, 12, em Fátima: “Sempre que foi preciso reconstruir o mundo e a vida, sempre que foi preciso recomeçar, a dimensão espiritual foi uma dimensão chave. Foto © Arlindo Homem/Agência Ecclesia.

 

Ainda nas suas declarações aos jornalistas, Tolentino Mendonça recordou outros períodos recentes em que a humanidade atravessou grandes dificuldades colectivas, como a pandemia da gripo espanhola, há 100 anos, ou a II Guerra Mundial. “Sempre que foi preciso reconstruir o mundo e a vida, sempre que foi preciso recomeçar, a dimensão espiritual foi uma dimensão chave”, afirmou.

Defendendo que essa dimensão deve estar também presente na necessidade de pensar na reconstrução espiritual da Europa”, o cardeal acrescentou que necessitamos todos “de consolação, precisamos ainda de muito cuidado: é preciso que toda esta dor nos seja útil e que possamos partir deste momento para sociedades e modelos de vida também individuais eticamente qualificados, mais humanos, mais fraternos e penso que também mais espirituais”.

A Igreja, enquanto conjunto das comunidades cristãs, não pode ficar de fora deste exercício de reconstrução e tem pela frente o “desafio de reflectir sobre o sentido da vida, sobre as suas prioridades, o que é essencial, o que nos faz felizes”; e também, acrescentou, o de fortalecer e aceitar o seu próprio “trabalho de reconfiguração” sempre requerido “para cada comunidade poder ser uma resposta às necessidades”.

É preciso que as comunidades cristãs tradicionais “se fortaleçam, cresçam e tenham um dinamismo espiritual” renovado, sugeriu o cardeal. A pandemia deve levar mesmo “a repensar, reconfigurar, porventura a encontrar novas linguagens, novos instrumentos ou uma nova adequação da realidade”. E resumiu: “É um tempo de desafio também para a Igreja: a dificuldade que o mundo sente é também vivida no interior da igreja e das [suas] comunidades. Mas, ao mesmo tempo, é uma hora de grande esperança.”

Para o cardeal, como diria na homilia da noite, é importante saber construir um património de perguntas. “Estes meses foram difíceis, mas não foram vãos: ao nosso coração ocorreram, por exemplo, tantas perguntas”, afirmou. “E perguntas não banais, que se podem tornar um trampolim de futuro. Perguntas sobre o sentido da vida, sobre o que é afinal o mais importante a salvaguardar, sobre mudanças de rumo a introduzir nas nossas vidas e nas nossas sociedades. A turbulência da pandemia também nos desinstalou e nos ajudou a identificar o essencial com mais clareza. (…) que todo este sofrimento nos torne melhores: mais espirituais, mais humanos e mais fraternos.”

Neste plano, o cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima, insistiu, na conferência de imprensa do final da tarde, acerca das vacinas: “A imunização extensiva deveria considerar-se um bem comum universal e, por isso, a distribuição das vacinas não pode obedecer a outro critério que não seja o de saúde pública. Não é aceitável, nem compreensível que se transforme numa arma geopolítica.” Por isso, sublinhou, “todos devem ter acesso à vacina em Portugal, na Europa e no mundo”.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperam os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This